Divulgação ou encobrimento? Nem todos estão contentes com a nova task force para análise de OVNIs

3

(cv)

O novo “grupo de identificação e sincronização de gestão de objetos aéreos” do Pentágono é encarado como um passo histórico ou como um estratagema para encobrir e controlar a narrativa, dependendo se acreditam ou não em OVNIs.

A criação de uma nova task force do Pentágono para estudar “fenómenos aéreos não identificados” dividiu a comunidade.

Alguns elogiam a legislação que criou o novo gabinete, por trazer novos recursos e rigor à investigação de um fenómeno (que pode também ser uma ameaça à segurança nacional) que há muito tempo tem sido estigmatizado de uma forma que torna difícil o seu estudo.

Outros, no entanto, acreditam que esta é uma tentativa do Governo norte-americano de encobrir “o maior segredo da História”.

“É um assunto com uma história comprovada de sigilo, e tudo o que carece de uma nova abertura sobre a informação está sujeito a mais controlo, possivelmente inapropriado“, considerou Ron James, porta-voz da Mutual UFO Network, uma organização sem fins lucrativos que investiga este tipo de avistamentos, à NBC News.

O “grupo de identificação e sincronização de gestão de objetos aéreos” ou AOIMSG, segundo a sigla em inglês, substitui a “task force de fenómenos aéreos não identificados” criada em agosto de 2020 e então confiada à Marinha norte-americana.

O escritório estará sob a alçada do subsecretário de Defesa encarregado de Inteligência e Segurança, um sinal de que para as forças norte-americanas os “fenómenos aéreos não identificados” não têm que ver com ficção científica, mas com adversários muito reais dos Estados Unidos.

Este tema tem recebido muita atenção nos últimos anos, depois de terem sido divulgados vídeos de pilotos militares norte-americanos que parecem mostrar objetos em movimento a velocidades impossíveis.

A teoria de que estes objetos são uma tecnologia inexplicável ainda espera confirmação. Neste momento, os Estados Unidos estão mais preocupados com a possibilidade de governos estrangeiros estarem a fazer progressos na tecnologia de voo.

“Os nossos esforços de segurança nacional dependem da supremacia aérea, e estes fenómenos representam um desafio ao nosso domínio”, explicou a senadora Kirsten Gillibrand. “Os EUA precisam de um esforço coordenado para assumir o controlo e compreender se estes fenómenos aéreos pertencem a um Governo estrangeiro ou a algo completamente diferente.”

Mick West, responsável pelo Metabunk (um site dedicado à refutação de teoria da conspiração), considera que os crentes em OVNIs “desviaram as verdadeiras questões“, fazendo com que os pilotos militares vissem coisas que não conseguem explicar.

Na prática, podem ter dado aos oficiais do Pentágono a publicidade e o apoio político de que necessitavam para fazer o trabalho que provavelmente já queriam fazer de qualquer forma – mas não necessariamente por acreditarem em extraterrestres.

“Se lerem o texto desta legislação, parece refletir as preocupações dos crentes da hipótese extraterrestre”, disse à NBC. “Agora, os militares são forçados a saltar através de alguns aros ligeiramente tontos enquanto fazem um trabalho sério.”

  ZAP //

3 Comments

  1. Em boa verdade uma parte da população mundial sabe que existem OVNIs/ETs e que quase todos os Governos por um qualquer motivo, tentam ocultar a verdade sobre o fenómeno! Mas também sabemos que as agências criadas só servem para banalizar o assunto! Quanto à confirmação da existência dos OVNIs por parte dos Governos pouco importa, porque um possível contacto só acontecerá se os ET`S assim o quiserem!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE