“Não voltarão a falar por nós”: movimento quer mais negros na política brasileira

Eleições de Outubro com mais candidaturas de negros; e Jair Bolsonaro pode ser prejudicado por causa do número de votos anti-racista.

No Brasil, indica a contabilidade de 2018, há 513 deputados e somente 24 são negros; entre os 81 senadores há 3 negros; nenhum ministro no Governo de Jair Bolsonaro é negro.

Mais de metade da população brasileira (56%) é negra.

São números como este que o Movimento Negro Unificado (MNU) quer alterar. O MNU pretende aumentar a representatividade de negros nos cargos de poder no Brasil.

O discurso do presidente Jair Bolsonaro tem proporcionado o aparecimento de mais movimentos e organizações anti-racistas, ao longo dos últimos anos. E acaba por, em vez de afastar, encorajar negros a apresentarem candidaturas no panorama político brasileiro.

“É uma estratégia já combinada com o movimento negro. Para organizar a ocupação dos espaços de poder. Não dá para querermos lutar contra o racismo se não estivermos em espaços estratégicos”, explicou Leal de Souza, coordenadora nacional do MNU, em declarações à Deutsche Welle.

“Decidimos que ninguém voltará a falar por nós. E quem falar em nosso nome tem que falar a partir do que acumulamos de respostas à sociedade, sobre como entendemos uma sociedade livre de racismo, como combater o racismo”, continuou Leal de Souza.

Deverá haver mais candidatos negros nas eleições, em Outubro de 2022. E não só por causa da postura de Bolsonaro: a COVID-19 e a crise no Brasil originaram problemas, sobretudo, para os negros.

Entre os movimentos negros, há confiança no aumento de candidatos vitoriosos no Congresso Nacional, nas Assembleias Legislativas e nos governos estaduais.

Jair Bolsonaro pode deixar de ser presidente do Brasil, daqui a cinco meses, precisamente por causa dos votos anti-racistas. Um pouco mais a norte, Donald Trump também foi prejudicado nas eleições nos EUA, em 2020, por causa do voto dos negros.

Os movimentos têm criado campanhas e apelado publicamente ao voto contra Bolsonaro – que, explicam, fez crescer o racismo contra o povo negro.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.