Naturalização de Abramovich envolta em polémica. Navalny acusa autoridades portuguesas de aceitar subornos

9

Nacionalidade portuguesa permite ao milionário movimentar-se na União Europeia, facilidade que havia perdido quando o Reino Unido não lhe renovou o passaporte, na sequência do incidente diplomático motivado pela morte de Sergei Skripal.

Alexei Navalny, vencedor do prémio Sakharov, vítima de envenenamento e atualmente a cumprir uma pena de prisão de dois anos no Lesta de Moscovo, acusou Portugal de receber subornos no âmbito do processo de naturalização de Roman Abramovich, que desde abril é um cidadão nacional graças à sua ascendência sefarditas.

O opositor de Putin utilizou a rede social Twitter evocou precisamente a ascendência sefardita do milionário para estabelecer uma relação com a comunidade judaica portuguesa — a qual foi responsável por validar o percurso de Abramovich, assim como o da respetiva família — “da qual tem sido parceiro nos últimos anos”.

De acordo com Navalny, o dono do Chelsea é o “o oligarca mais Próximo de Putin e uma das suas carteiras”. “Finalmente [Abramovich] conseguiu encontrar um país onde pode pagar alguns subornos e fazer alguns pagamentos semioficiais e oficiais para acabar na União Europeia e na NATO”, pode ler-se na publicação. O ativista diz ainda que Abramovich comprou um Boeing 787 de 350 milhões de dólares para si próprio. “Putin e Abramovich roubam ao orçamento da Rússia e investem dinheiro no Ocidente“, acusa.

“O Ocidente assusta-se com o ataque de Putin à Ucrânia, mas dá cidadania ao seu oligarca de confiança”, descreve Navalny, que acrescentou que os “funcionários portugueses carregam malas com dinheiro“, cita o Expresso.

Já o Observador lembra as conturbadas relações entre o Reino Unido e a Rússia na sequência da morte de Sergei Skripal por envenenamento em território britânico, o que resultou, entre outras ações, na não renovação do passaporte a Abramovich, o que resultou na perda do seu visto. Pouco depois, o milionário também fez uso da sua ascendência judaica para obter nacionalidade israelita e, assim, conseguir entrar no Reino Unido como turista.

A nacionalidade portuguesa, mais do que lhe permitir entrar em solo nacional, concede-lhe o direito de se movimentar pela União Europeia.

  ZAP //

9 Comments

  1. Mas pagou subornos a quem e que “funcionários portugueses carregaram malas com dinheiro”??
    Convém ser um pouco mais específico…

  2. Esse Navalny , antes de especular, que apresente provas concretas “ hard evidence “ no que diz! Então o governo Português não pode processar por difamação?!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.