Naufrágio grego que levava partes do Partenon está a revelar os seus segredos

A última expedição de mergulhadores ao navio grego Mentor, que naufragou perto da ilha Citera em 1802, recuperou várias peças do cordame, moedas, a sola de couro de um sapato, uma fivela de metal, uma ficha para jogar cartas, duas peças de xadrez, fragmentos de utensílios de cozinha e outros objetos aparentemente mundanos.

Quando afundou, o navio levava esculturas de mármore lascadas do Partenon, em Atenas, mais tarde danificado, conhecido como “Mármores de Elgin” ou “Mármores do Partenon”. Estas esculturas – que retratam deuses, heróis e animais gregos – estão agora em exibição na Museu Britânico, em Londres.

Os pequenos objetos recuperados do naufrágio revelam aspetos intrigantes da vida das pessoas a bordo do navio quando afundou, segundo disse, em declarações ao LiveScience, o arqueólogo marinho Dimitris Kourkoumelis, do departamento de Antiguidades Subaquáticas do Ministério da Cultura e Desporto grego.

“O objetivo é entender como as pessoas viviam e como era a vida a bordo, não apenas para os passageiros, mas também para a tripulação”, disse Kourkoumelis. “Encontrámos moedas de ouro de Utrecht, na Holanda, bem como de Espanha, e também moedas do Império Otomano – por isso havia realmente um grupo cosmopolita no Mentor.”

Kourkoumelis liderou expedições de mergulho aos destroços do Mentor todos os verões desde 2009, depois que o Governo grego promulgou uma legislação para proteger o naufrágio e ordenou formalmente que arqueólogos o escavassem.

O Mentor, um brigue construído nos Estados Unidos, pertencia ao diplomata britânico Thomas Bruce, um nobre escocês com o título de sétimo conde de Elgin.

Segundo Kourkoumelis, a construção do Mentor é muito diferente da de navios semelhantes construídos no Mediterrâneo. “Os navios americanos foram construídos para viajar em mar aberto e, por isso, eram muito mais fortes – é muito interessante trabalhar num navio como este”, disse.

O navio de madeira está agora a apodrecer após mais de 200 anos sob as ondas – e apenas mais alguns anos de escavações serão possíveis.

O naufrágio rendeu vários pequenos objetos ao longo dos anos, incluindo joias de ouro, moedas antigas e cerâmica grega que provavelmente vieram de coleções particulares de alguns dos passageiros a bordo quando afundou.

As descobertas mais recentes no ano passado incluíam duas peças de xadrez de madeira – outras seis peças do mesmo conjunto foram encontradas em anos anteriores – e uma ficha de metal ou moeda que provavelmente foi usada num jogo de cartas.

Os arqueólogos planeiam examinar cientificamente todos os objetos, muitos dos quais serão exibidos no Museu da Acrópole em Atenas. O museu já exibe cerca de metade das esculturas do Partenon que ainda restam.

Disputa pelas estátuas

Elgin, como era conhecido Thomas Bruce, usou o navio para transportar para Inglaterra as antiguidades que colheu enquanto vivia em Constantinopla como embaixador da Grã-Bretanha no Império Otomano.

Embora o navio tenha chegado a Citera, onde os seus passageiros e tripulantes escalaram as rochas, o Mentor afundou a cerca de 20 metros de água do mar.

O secretário de Elgin, William Hamilton, passou quase dois anos em Citera, supervisionando o resgate das esculturas por mergulhadores que foram pagos para recuperá-las dos destroços sem nenhum equipamento de mergulho.

As esculturas foram enviadas para a Inglaterra e Elgin vendeu-as ao Museu Britânico em 1816.

Elgin afirmou que pagou pelas esculturas e que obteve um decreto do Governo otomano para levá-las. Porém, nunca for encontrada nenhuma evidência do decret, de acordo com o Comité Britânico para a Reunificação dos Mármores do Partenon, uma organização não-governamental.

Quando a Grécia recuperou a sua independência dos otomanos em 1832, iniciou uma série de projetos para recuperar arte saqueada e os mármores de Elgin estavam no topo da lista.

Desde então, todos os sucessivos Governos gregos exigiram que as esculturas fossem devolvidas. Até agora, contudo, o Museu Britânico recusou-se, embora se tenha oferecido para emprestá-los temporariamente.

  Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A tábua babilónica que se descobriu ter a representação de um fantasma.

Tábua babilónica tem a mais antiga representação de um fantasma (e explica como livrar-se dele)

Foi oficialmente descoberta a representação mais antiga de um fantasma numa tábua de argila babilónica com 3.500 anos, que estava guardada no Museu Britânico, em Londres. A ilustração estava no museu desde o século XIX, mas …

Eleições ou continuar a governar se o OE chumbar? "Estou preparado para tudo".

O primeiro-ministro disse esta sexta-feira estar preparado para continuar a governar, mesmo que o Orçamento para 2022 chumbe, mas adiantou que respeitará se o Presidente da República tiver um entendimento diverso e convocar eleições antecipadas. Esta …

A humanidade sobreviveu a cinco apocalipses. E está preparada para mais

Nos últimos meses, a atenção mediática tem recaído sobre temas como pandemias, vulcões, sismos e outras catástrofes a que, não sendo novidades, a humanidade tem vindo a sobreviver de forma quase inexplicável. Pandemias, vulcões, sismos, cheias …

OE. Costa promete salário mínimo de 850 euros em 2025 e aumento de pensões em janeiro

O secretário-geral do PS, António Costa, afirmou esta sexta-feira que é intenção do Governo elevar o salário mínimo aos 850 euros em 2025 e aumentar o mínimo de existência no próximo ano, isentando de IRS …

Cientistas portugueses ajudam a descobrir novo mecanismo para regeneração muscular

O músculo é conhecido por se regenerar através de um processo complexo que envolve várias etapas e depende de células-tronco. Mas uma nova pesquisa apresenta um novo mecanismo. Um novo estudo liderado por investigadores do Instituto …

Investigadores de Harvard utilizam corantes para armazenar dados

Na era digital, quase tudo é possível. Uma equipa de químicos de Harvard desenvolveu um novo sistema que utiliza misturas de sete corantes fluorescentes disponíveis comercialmente para armazenar ficheiros de dados. É comum pensarmos no armazenamento …

Uma impressão artística de um impacto gigantesco no sistema estelar HD 17255

Dois planetas envolveram-se num choque tão violento que um deles perdeu a atmosfera

Uma equipa de astrónomos encontrou provas de uma gigantesca colisão entre dois planetas num sistema planetário jovem, localizado a 95 anos-luz da Terra. A poeira à volta da jovem estrela HD 172555, de 23 milhões de …

Rorhwerk, o maior instrumento musical do mundo

Rohrwerk, uma obra de arte efémera, é a maior "fábrica do som" do mundo

Uma espécie de "pavilhão do som". Alunos da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, criaram um novo instrumento musical, o maior alguma vez construído. Com 45 metros de altura, a obra de arte imponente …

Costa já pediu desculpas às confederações patronais. "Houve um lapso"

O primeiro-ministro afirmou, esta sexta-feira, que já apresentou um pedido de desculpas às confederações patronais por o Governo ter aprovado duas medidas na área do trabalho sem antes as ter apresentado em Concertação Social. À chegada …

Luxemburgo torna-se o primeiro país da Europa a legalizar o cultivo e consumo de canábis

O Governo luxemburguês anunciou, esta sexta-feira, que o país será a primeira nação do Velho Continente a legalizar o cultivo e o consumo de canábis. De acordo com a nova legislação, explica o jornal The …