Não, não é um berlinde. James Webb revela-nos a sua mais recente maravilha

Michael Radke / NASA / JPL-Caltech

O Telescópio Espacial James Webb revelou uma nova imagem de Titã, a lua de Saturno em que se acredita poder haver vida extraterrestre.

No dia 24 de agosto, um instrumento vital a bordo do Telescópio Espacial James Webb apresentou um defeito que levou a equipa da missão a desligá-lo. O problema ocorreu quando o Mid-Infrared Instrument (MIRI) apresentou maior fricção numa das suas rodas enquanto estava no modo Espectroscopia de Resolução Média (MRS).

A equipa da missão colocou o MIRI offline enquanto tentava diagnosticar o problema, deixando o observatório a fazer observações de outras formas.

Isso aconteceu logo depois do Webb ter sido atingido por um grande micrometeorito no final de maio, que causou danos a um dos seus principais segmentos de espelho.

Felizmente, o dano causado não alterará o desempenho do telescópio, e a equipa da missão anunciou no início deste mês que restaurou o MIRI ao status operacional.

Com tudo afinado, o Webb mais uma vez virou a sua ótica infravermelha para o cosmos e adquiriu algumas imagens de tirar o fôlego. Isso inclui uma nova imagem da maior lua de Saturno, Titã, que apareceu recentemente online.

A imagem foi processada e carregada no Twitter por Michael Radke, estudante que estuda atmosferas planetárias da John Hopkins University.

Segundo Radke, a imagem foi adquirida entre 4 e 5 de novembro, que duplicou em escala e acrescentou vermelho, verde e azul para representar diferentes comprimentos de onda (R = 4,8 um, G = 2,1 um, B = 1,4 um). Esses valores foram baseados no Visible and Infrared Mapping Spectrometer (VIMS) da missão Cassini.

Essas cores parecem corresponder ao espectro de absorção de monóxido de carbono (verde), metano (azul) e azoto (vermelho), os gases que compõem a maior parte da atmosfera de Titã.

Titã também parece estar iluminada no canto superior esquerdo da imagem, o que cria a impressão de um nascer do sol. A cientista planetária, autora e jornalista espacial Emily Lakdawalla sugeriu que a fonte poderia ser a luz refletida da atmosfera de Saturno. Esta imagem também fornece um vislumbre dos tipos de operações científicas que Webb conduzirá com Titã e outros corpos no nosso Sistema Solar.

Os seus poderosos instrumentos permitirão aos astrónomos estudar a composição química das atmosferas em detalhe. Titã é de particular interesse porque é a única lua na nossa atmosfera com uma atmosfera substancial – onde a pressão do ar é aproximadamente 50% maior que a da Terra.

Como a Terra, a atmosfera de Titã é predominantemente composta de azoto (94%), com hidrocarbonetos como o metano a constituir a segunda maior fração (5,65%).

Titã é o único outro corpo no Sistema Solar com um ciclo de precipitação e evaporação. Enquanto a Terra tem um ciclo de água, Titã tem um ciclo de metano, onde o metano forma nuvens na atmosfera da lua, cai na superfície como chuva e reabastece os lagos de metano.

Além disso, a atmosfera de Titã é rica em processos químicos, pois os hidrocarbonetos são decompostos pela radiação solar nos seus constituintes (isto é, carbono, hidrogénio, oxigénio e azoto) e então formam novas moléculas que se depositam na superfície.

A atmosfera e a superfície de Titã também possuem algo que nenhum corpo além da Terra possui: um rico ambiente prebiótico e química orgânica. Por esta razão, os astrobiólogos suspeitam que Titã pode ser um dos lugares mais promissores para procurar vida extraterrestre.

Por esses motivos, o Webb precisa dos seus instrumentos em funcionamento, principalmente o MIRI e o Espectrógrafo de infravermelho próximo (NIRSpec). Eles obterão espectros de alta precisão da atmosfera de Titã para observar essas moléculas e processos em funcionamento.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.