Museu chinês causa revolta ao comparar pessoas negras a macacos em exposição

A exposição “This is Africa”, do premiado fotógrafo chinês Yu Huiping, na qual o artista compara pessoas negras a macaco, lançou a indignação nas redes sociais e uma onda de protestos.

De acordo com um comunicado enviado à imprensa, as fotografias, que estavam expostas no Museu Provincial de Hubei, em Wuhan, foram removidas do local esta semana, após diversos protestos e acusações de racismo.

Entre as diversas imagens a comparar expressões humanas com a de animais, há uma foto de um jovem africano a olhar por cima do ombro ao lado de uma foto de um macaco, na mesma pose. Há também uma fotografia na qual uma criança com a boca aberta é colocada ao lado de um chimpanzé.

A exposição, que começou há três semanas e deveria encerrar brevemente, recebeu a visita de mais de 170 mil pessoas. Yu Huiping, um premiado fotógrafo e bastante conhecido no meio artístico chinês, não comentou o caso.

Segundo o New York Times, o curador da exposição, Wang Yuejun, afirmou que pendurar fotografias de pessoas ao lado de animais foi ideia dele e não do fotógrafo Yu Huiping.

“O principal público-alvo da exposição é de maioria chinesa”, disse Wang Yuejun, acrescentando que as comparações entre pessoas e animais são comuns na China e frequentemente vistas como um elogio.

O curador disse que muitos visitantes da exposição admiram os animais familiares, que fazem parte do zodíaco chinês. “Em muitos provérbios chineses, os animais são venerados e elogiados”, disse Wang.

Ainda segundo o NYT, o “racismo casual” também é comum na China, que considera um país diverso com mais de mil milhões de habitantes – agora uma potência mundial, depois de décadas de isolamento internacional.

O jornal afirma que o poderio chinês, que entre outras coisas tornou a China o maior parceiro comercial dos países africanos, causou maior interação com estrangeiros, o que tem causado situações de racismo no país.

ZAP // Hypeness / nytimes

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Parece-me um pouco abusivo sempre que aparece uma pessoa negra em qualquer coisa, dizer-se logo que é racismo.
    No contexto do título da exposição, parece-me ainda mais abusivo chamar-se racismo, já que África é maioritariamente composta por pessoas de raça negra.
    Já vi noutras situações a comparação de gestos/imagens de pessoas de cor branca com gestos/imagens de animais, e ninguém reclamou racismo (experimentem a procurar na web por “comparar pessoa com animal” )!
    Parece-me que o problema é o inverso, pois desta forma, estão a rotular as pessoas negras de uns coitadinhos que precisam de ser ajudados, e então qualquer coisa dizem logo que é racismo.
    Assim, sugiro, que seja mudada a mentalidade, e que tratem as pessoas efectivamente como pessoas, independentemente cor ou da raça!

  2. Outros títulos deste mesmo artigo: “Outrage as museum depicts African people next to animals ”
    1º – O fotógrafo juntou numa mesma moldura o retrato de uma pessoa africana com um animal africano. Existem diversos animais, tais como girafa, leão, elefante, etc.
    2º – O título do artigo é enganador como é hábito para estimular manifestações conflituososas por parte dos leitores, dado que o fotógrafo não comparou pessoas negras a macacos.
    3º – Não existe qualquer indício de racismo nesta exposição.

  3. Será que os “bem aventurados simples” que ganharam o redil do “politicamente correcto, também se insurgiram com as comparações com um leão (pela ferocidade), uma girafa (pela língua preta) ou um elefante (por “trombudo”)?

  4. Ver racismo nesta exposição só mesmo da parte de pessoas complexadas e de fraca mentalidade. Se os retratos utilizados fossem de pessoas brancas ou amarelas não haveria certamente qualquer problema. Até quando vamos permitir que qualquer coisa que envolva pretos seja abusivamente classificada de racista? Se me apresentarem um branco e eu não gostar dele, é normal, pois não temos que gostar de toda a gente. Mas se for um preto e eu não gostar dele, estou lixado, passo a ser racista…

  5. espero que os angolana continuem a bater nas costas dos chineses e a darem-lhe studo em troca de uns dolares.
    é assim que os chineses vêm os pretos em africa, autenticos animais.

Responder a Miko Cancelar resposta

Igrejas evangélicas cultivam violência doméstica ao defender a supremacia dos homens sobre as mulheres

O facto de a igreja evangélica defender que o homem deve controlar a mulher apenas agrava o problema de violência doméstica, justificando os atos dos homens. Jane (nome fictício) era membro da comunidade cristã evangélica da …

A Cidade do México está a pagar aos seus polícias para que percam peso

A Polícia da Cidade do México está a levar a cabo um programa para combater o excesso de peso e a obesidade no seu efetivo através de incentivos financeiros.  Ao todo, escreve a agência AFP que …

Há um novo método para medir buracos negros

Os buracos negros supermassivos são os maiores buracos negros, com massas que podem exceder mil milhões de sóis. Apenas esta primavera foi divulgada a primeira imagem do buraco negro supermassivo no centro da galáxia M87, …

E Tudo o Vento Levou… há 80 anos

E Tudo o Vento Levou celebra este domingo 80 anos de vida, marcando a data da sua estreia nos Estados Unidos. Oito décadas depois, o filme mantém-se como uma das maiores obras primas do cinema …

O problema impossível mais simples do mundo está a levar matemáticos à loucura

Matemáticos avisam os seus colegas para se manterem longe da conjetura de Collatz. No entanto, Terence Tao decidiu arriscar, e está muito perto de resolver aquele que muitos chamam de o problema impossível mais simples …

Soldados da Guerra Civil dos EUA pintavam o cabelo para ficar melhor nas fotografias

Investigadores encontraram evidências que indicam que soldados da Guerra Civil norte-americana pintavam o cabelo para ficar melhor nas fotografias. Escavações em Camp Nelson, no Kentucky, revelaram restos de um estúdio de fotografia com 150 anos, o …

Chuva, vento forte e neve. Mau tempo vai agravar-se nas próximas 48 horas

A Proteção Civil alertou este domingo para um agravamento do estado do tempo nas próximas 48 horas, com períodos de chuva, possibilidade da queda de neve nas terras alta do norte e centro e ainda …

Descoberta nova espécie de aranha-violinista no Vale do México

Cientistas identificaram, no México, uma nova espécie de aranha com um veneno que, apesar de não ser fatal, é capaz de causar necrose na pele humana. Uma equipa de cientistas da Universidade Nacional Autónoma do México …

Já sabemos sobre o que conversam os orangotangos

Um novo estudo da Universidade de Exeter, em Inglaterra, desvendou a linguagem secreta dos orangotangos, descobrindo o que significam 11 sinais vocais e 21 gestos. Os investigadores passaram dois anos a filmar mais de 600 horas …

COP25 aprovou conclusões. Não há acordo para regulação dos mercados de carbono

A cimeira da ONU sobre o clima terminou hoje em Madrid assinalando a urgência para conter as alterações climáticas, mas a mais longa cimeira sobre o clima de sempre sem chegar a acordo nos pontos …