Mundo está a perder corrida contra o Ébola, diz a ONU

Blagoje Grujic / MINUSMA / Flickr

Anthony Banbury

Anthony Banbury

O mundo está a ficar para trás na desesperada corrida para travar o surto de Ébola, advertiu, na terça-feira, um alto funcionário das Nações Unidas, numa altura em que se temem milhares de novas infeções até ao fim do ano.

O Ébola está em vantagem em relação a nós”, afirmou o chefe da missão da ONU para a resposta de emergência ao vírus Ébola.

“Está bem longe de nós e a correr mais rápido do que nós e a ganhar a corrida”, advertiu Anthony Banbury, dirigindo-se ao Conselho de Segurança da ONU, em videoconferência a partir da sede da missão (UNMEER, em inglês), em Acra, no Gana.

“Se o Ébola vencer, nós, os povos das Nações Unidas vamos perder muito”, afirmou.

As declarações do chefe da missão da ONU para a resposta de emergência ao vírus Ébola chegam numa altura em que a Organização Mundial de Saúde (OMS) advertiu para a possibilidade de o surto do vírus atingir um pico de 10 mil infeções por semana e em que os líderes mundiais se preparam para abordar a crise na ONU.

“Ou travamos agora o Ébola ou enfrentamos toda uma situação sem precedentes para a qual não dispomos de um plano”, alertou.

Banbury sublinhou ainda que com as taxas de infeção a crescerem exponencialmente todos os dias, a UNMEER vai precisar de sete mil camas para tratamento.

“Há muitas más notícias sobre o Ébola mas a boa notícia é que nós sabemos como pará-lo”, sublinhou o chefe da missão da ONU.

Contudo, para travar a propagação “temos de derrotar o Ébola e devemos fazê-lo rapidamente”.

O diretor-geral adjunto da OMS, Bruce Aylward, disse que o vírus poderá atingir um pico de entre cinco e dez mil casos por semana no início de dezembro, embora ressalvando que se trata apenas de uma previsão para orientar os trabalhos no quadro da luta contra o Ébola.

Os mais recentes dados apontam para o registo de 8.917 casos, dos quais 4.447 se revelaram mortais, sendo a Libéria, Serra Leoa e a Guiné-Conacri os países mais afetados pelo pior surto de Ébola.

/Lusa

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.