Mulheres só terão igualdade salarial daqui a 71 anos

Sascha Kohlmann / Flickr

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) previu que a igualdade de remuneração entre homens e mulheres só será atingida em 2086, num documento que conclui que as trabalhadoras com filhos ganham, por norma, menos dinheiro.

“Ao ritmo atual, sem uma ação orientada, a igualdade de remuneração entre homens e mulheres não será atingida antes de 2086, ou num período de, pelo menos, 71 anos”, refere a organização num documento de trabalho em que aborda as diferenças salariais ligadas à maternidade, por ocasião do Dia da Mulher, que se assinala domingo.

Segundo a organização, a diferença salarial persiste para todas as mulheres, com ou sem filhos. No geral, as mulheres ganham em média 77% do que os homens recebem.

“A diferença de remuneração relacionada com a maternidade aumenta com o número de filhos. Em muitos países europeus, por exemplo, ter um filho tem um efeito reduzido, mas as mulheres que têm dois filhos e, especialmente, as que têm três são fortemente penalizadas em termos salariais”, refere a OIT.

Nos países em desenvolvimento, os dados indicam que o sexo da criança pode influenciar, porque as meninas ajudam nas tarefas familiares e domésticas.

Apesar de mais países terem ratificado as normas internacionais do trabalho, a OIT avisa que as “mulheres ainda enfrentam discriminação frequente e desigualdade no trabalho”.

“Em muitas partes do mundo, as mulheres ocupam empregos desvalorizados e mal remunerados e têm menos acesso à educação, formação e recrutamento”, refere a OIT.

A organização do trabalho salienta também que as mulheres têm um poder limitado em termos de negociação e tomada de posições e têm a responsabilidade pela maior parte do trabalho doméstico não remunerado.

Atualmente, cerca de 50% das mulheres trabalham, contra 77% de homens.

Na proteção na maternidade, a organização considera que melhorou, mas sublinha que 800 milhões de trabalhadoras no mundo, ou seja, 41% da população feminina, não têm uma licença de maternidade adequada.

“Apesar de os homens começarem a assumir uma maior responsabilidade na família, as mulheres continuam a ser responsáveis pela maior parte dos cuidados para a família, o que muitas vezes limita o acesso a um emprego remunerado a tempo inteiro”, refere.

Na União Europeia, as mulheres gastam 26 horas por semana em atividades domésticas, contra as nove horas despendidas pelos homens.

“A violência continua a ser o principal fator que atenta contra a dignidade das mulheres”, salienta a OIT, acrescentando que 35% das mulheres são vítimas de violência física ou sexual.

“A principal conclusão 20 anos depois da Conferência de Pequim é que temos pela frente décadas até que as mulheres beneficiem dos mesmos direitos que os homens no trabalho”, afirma, no documento, Shauna Olney, chefe do departamento do género, igualdade e diversidade da OIT.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Comissão Europeia "otimista" na rápida retoma económica em Portugal

A Comissão Europeia diz estar "razoavelmente otimista" sobre uma "rápida recuperação" económica de Portugal após a crise gerada pela covid-19 e considera que a forma como o país "controlou" a pandemia beneficiará a retoma do …

Nova Zelândia decreta em junho erradicação de contágios. Está há 13 dias consecutivos sem novos casos

A Nova Zelândia, país que tem sido apontado internacionalmente como exemplar no combate à pandemia de covid-19, prevê decretar a “erradicação da doença” no país no próximo dia 15 de junho. A informação foi avançada esta …

Secretário da Defesa discorda de Trump no envio de tropas para conter distúrbios. Aliados europeus afastam-se

O Secretário norte-americano da Defesa, Mark Esper, rompeu na quarta-feira com o Presidente, Donald Trump, no apoio ao envio das forças armadas para as cidades e os estados que se recusarem "a tomar as medidas …

Vai "nascer" em Arouca a maior ponte suspensa do mundo. É a esperança para fazer renascer o turismo

O Turismo de Arouca está a enfrentar dificuldades devido à quebra gerada pela pandemia, mas os empresários aguardam com expectativa a abertura daquela que será a maior ponte suspensa do mundo, já descrita como "extraordinária". Ainda …

"Será difícil não voltar a adiar a abertura" dos centros comerciais na região de Lisboa

O presidente da Associação dos Médicos de Saúde Pública, Ricardo Mexia, considerou que "será difícil não voltar a adiar a abertura" dos centros comerciais na Grande Lisboa, tendo em conta os números da região nos …

Atraso na partilha de informação. Responsáveis da OMS recusam responder a perguntas sobre China

Os mais altos responsáveis da Organização Mundial de Saúde (OMS) recusaram-se esta quarta-feira a responder diretamente a perguntas sobre um atraso da China na partilha do mapa genético do novo coronavírus com a agência. Três perguntas …

Espanha reabre fronteiras a 22 de junho. Portugal diz que ainda não há uma decisão tomada

Espanha vai reabrir as fronteiras com Portugal e França a 22 de junho. O país tinha planeado abrir as fronteiras ao turismo estrangeiro a 1 de julho, mas decidiu adiantar a data. Porém, Portugal diz …

Conceição critica arbitragem, mas em Espanha fala-se de penálti de Pepe "que roça o escândalo"

Os 'dragões' perderam no primeiro jogo após a retoma do campeonato. Sérgio Conceição deixou críticas à arbitragem, mas em Espanha fala-se de um penálti escandaloso... de Pepe. O FC Porto ficou com a liderança da I …

Redução do IVA, abono para crianças e incentivos para comprar elétricos. O plano de 130 mil milhões de Merkel

A chanceler alemã, Angela Merkel, anunciou esta quinta-feira um pacote de estímulo de 130 mil milhões de euros para este ano e 2021, para impulsionar a economia do país, duramente atingida pela pandemia de covid-19. Entre …

De Jorge Jesus a Bruno de Carvalho. Rui Pinto terá espiado 72 pessoas e entidades

O português Rui Pinto terá espiado 72 pessoas e entidades, acusa o Tribunal da Relação de Lisboa. A defesa do denunciante criticou a manutenção da prisão preventiva. De acordo com o acórdão do Tribunal da Relação …