Morreu Maryam Mirzakhani, a única mulher a ganhar o “Nobel da Matemática”

(dr) Maryam Mirzakhani / Stanford University

Maryam Mirzakhani, a única mulher a ganhar o "Nobel da Matemática"

Maryam Mirzakhani, a única mulher a ganhar a Medalha Fields

A iraniana Maryam Mirzakhani, primeira e única mulher a ganhador a Medalha Fields, considerada o “Nobel da Matemáticas”, morreu neste sábado, aos 40 anos, nos Estados Unidos vítima de cancro.

Foi Firouz Naderi, cientista iraniano e amigo de Maryam Mirzakhani, a dar a notícia da morte da professora na Universidade de Stanford, através do Twitter. “Uma luz apagou-se hoje…. muito rápido. O meu coração está partido”, escreveu Naderi sobre a mulher que inspirou milhares de outras a ter gosto pela Matemática.

De acordo com a Universidade, Maryam tinha cancro de mama e faleceu após uma “longa batalha” contra a doença. A matemática era docente em Stanford desde 2008.

“Maryam foi-se muito cedo, mas o seu impacto continuará vivo nas milhares de mulheres que inspirou a dedicar-se à matemática e à ciência”, afirmou Marc Tessier-Lavigne, presidente da Universidade de Stanford.

Pessoa humilde, o seu método favorito de trabalhar era rabiscar e anotar fórmulas em folhas em branco, que a filha, Anahita, considerava “pinturas”.

Aos 37 anos, em 2014, Maryam Mirzakhani ganhou a Medalha Fields na abertura do Congresso Internacional de Matemática, em Seul, na Coreia do Sul, e tornou-se a primeira e única mulher a receber esse prémio desde a criação, em 1936. Era também a primeira pessoa iraniana a receber o que é considerado o Nobel da Matemática.

A Medalha Fields premia de quatro em quatro anos até quatro matemáticos com menos de 40 anos por proezas ou feitos notáveis na disciplina. Mirzakhani foi reconhecida pelos “impressionantes avanços na teoria das Superfícies de Riemann e seus espaços modulares”.

Nascida a 3 de maio de 1977, em Teerão, queria ser escritora, mas já na adolescência brilhou ao competir pelo Irão nas Olimpíadas Internacionais da Matemática, onde ganhou a medalha de ouro nas competições de 1994 e 1995.

Formou-se em 1999 na Universidade de Sharif, na capital iraniana, e em 2004 obteve o doutoramento na Universidade de Harvard, no Estados Unidos, onde o seu mentor foi Curtis McMullen, também “Nobel da Matemática”.

Mirzakhani trabalhou como professora assistente na Universidade de Princeton antes de ir para Stanford e, além da medalha Fields, recebeu o Prémio Blumenthal, em 2009, e o Prémio Satter em 2013.

No Irão, as autoridades expressaram condolências. Hassan Rouhani, o presidente iraniano, publicou uma mensagem no site oficial da presidência e disse que “o brilho imbatível da criativa e modesta cientistas fez ressoar o nome do Irã nas comunidades científicas do mundo”.

Maryam era casada com o cientista checo Jan Vondrak, também professor de Stanford, e uma filha, Anahita, de seis anos.

// EFE

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a atirar rochas vulcânicas para telhados (para provar que são perigosas)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Canterbury está a lançar rochas vulcânicas para telhados na Nova Zelândia na esperança de ajudar os habitantes de Auckland a entender os perigos vulcânicos. "Auckland localiza-se num campo vulcânico …

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve nos mapas durante um século

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve durante 100 anos em muito dos principais mapas do continente africano. Acabaria por ser um militar francês, que explorou o rio Níger, a acabar com este "fantasma da …

"Continua a pairar perigosamente". Relógio do Juízo final mantém-se a 100 segundos do Apocalipse

A Humanidade nunca esteve tão perto do Apocalipse, alertam os cientistas responsáveis pelo "Relógio do Juízo Final", que decidiram mantê-lo na mesma posição do ano passado, a 100 segundos da meia-noite. O relógio, que é uma …

A primeira bateria doméstica de hidrogénio armazena três vezes mais energia do que uma da Tesla

Para usar energia solar doméstica, é preciso gerar energia quando o Sol brilha e armazená-la quando não aparece. Para isto, as pessoas usam normalmente sistemas de bateria de lítio. Porém, a empresa australiana Lavo construiu …

Um oásis LGBTQ, Budapeste é posto à prova pelo populismo e pela pandemia

Budapeste é um oásis para a comunidade LGBTQ, mas a cena drag da capital húngara vê-se ameaçada pela pandemia de covid-19 e pelas políticas conservadoras e populistas de Viktor Orbán. Durante muitos anos, Budapeste desfrutou a …

Coreia do Sul "ressuscitou" voz de uma superestrela. Chovem preocupações éticas

Pela primeira vez em 25 anos, a distinta voz da superestrela sul-coreana Kim Kwang-seok será ouvida na televisão nacional. O famoso cantor folk morreu em 1996. De acordo com a CNN, a emissora nacional da Coreia …

Maioria dos países africanos só terá vacinação em massa a partir de 2023

A maioria dos países africanos só terá imunização em massa a partir de 2023, segundo previsão da The Economist Intelligence Unit, que admite que, com o evoluir da pandemia, muitos dos países mais frágeis possam …

Mulher que "morreu" com covid-19 aparece viva 10 dias após funeral

Uma mulher de 85 anos ficou infetada com covid-19 num lar na Galiza, em Espanha. A 13 de janeiro a família de Rogelia Blanco recebeu a informação do lar de que a mulher tinha falecido. …

Familiares de vítimas na China pressionadas a não falar com OMS

As autoridades chinesas estão a pressionar as famílias das primeiras vítimas da covid-19 para que não entrem em contacto com os investigadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Wuhan, segundo familiares dos falecidos. Mais de …

Falsas vacinas à venda na Internet são grande risco para a saúde

Embora milhões de pessoas tenham sido já vacinadas contra a covid-19 nos países ricos, proliferam as fraudes na Internet com fármacos falsos que representam um grande risco para a saúde, alertaram peritos das Nações Unidas. As …