Morreu aos 98 anos o historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França

O historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França morreu este sábado, aos 98 anos, na casa de saúde de Jarzé, perto da cidade francesa de Angers, disse à Lusa a pintora Emília Nadal, sua amiga e da família.

Considerado uma referência na área das artes visuais e da cultura em Portugal, José-Augusto França encontrava-se internado há vários anos nessa unidade de cuidados continuados, após uma operação na sequência da qual sofreu diversos acidentes vasculares cerebrais, e morreu este sábado às 13h00 locais (12h00 em Lisboa), segundo a mesma fonte, devendo ser cremado ainda esta semana em França.

Da sua extensa obra, destacam-se os estudos sobre a arte em Portugal nos séculos XIX e XX, as monografias sobre Amadeo de Souza-Cardoso e Almada Negreiros, além de outros volumes de ensaios de interpretação e reflexão histórica, sociológica e estética sobre questões da arte contemporânea.

Enquanto teórico e divulgador, participou entre 1947 e 1949 nas atividades do Grupo Surrealista de Lisboa, de que fizeram parte, entre outros, Mário Cesariny de Vasconcelos e Alexandre O’Neill, e foi, na década seguinte, um defensor da arte abstrata.

Foi condecorado diversas vezes, como Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique (1991), a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique (2006) e as medalhas de Honra da Cidade de Lisboa (1992) e de Mérito Cultural (2012).

Diplomado pela École d’Hautes Études de Paris e doutorado pela Sorbonne, foi professor catedrático da Universidade Nova de Lisboa desde 1974, onde criou os primeiros mestrados de História da Arte do país, e jubilou-se em 1992, tendo recebido das mãos do então Presidente Mário Soares a Grã-Cruz da Ordem da Instrução Pública, no final da última aula que deu.

Também lecionou na Sociedade Nacional de Belas Artes, presidiu à Academia Nacional de Belas-Artes, foi diretor do Centro Cultural Calouste Gulbenkian, em Paris, membro do Comité Internacional de História da Arte e presidente de honra da Associação Internacional dos Críticos de Arte.

Nascido em Tomar a 16 de novembro de 1922, doou o seu espólio ao museu da cidade.

Marcelo destaca perda de uma das maiores figuras do Portugal contemporâneo

A morte de José-Augusto França representa a perda “de uma das maiores figuras culturais do Portugal contemporâneo“, afirma o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, numa nota de pesar publicada este sábado na página da Presidência.

“Numa época em que a arte portuguesa tem vindo a alcançar o reconhecimento internacional há muito devido, é justo lembrar o muito que devemos a quem incansavelmente produziu um discurso crítico e histórico sobre as artes em Portugal. E ninguém o faz com mais intensidade, sabedoria e distinção do que José-Augusto França”, escreve Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República recorda ainda o percurso do “historiador, crítico de arte, sociólogo, professor, diretor e animador de revistas, ficcionista e memorialista”, desde a formação em Paris, com Pierre Francastel, com os doutoramentos em História e em Letras, sem esquecer a sua contribuição “fundamental na afirmação do surrealismo português, organizando exposições, promovendo jovens artistas, escrevendo na imprensa”.

Marcelo Rebelo de Sousa recorda ainda obras de referência de José-Augusto França, como as monografias sobre Almada e Amadeo, a cidade de Lisboa, o romantismo em Portugal, “além de volumes de referência sobre a arte portuguesa dos últimos dois séculos”, a par de funções desempenhadas como presidente da Academia de Belas Artes, da Associação Internacional dos Críticos de Arte, do Centro Cultural Português em Paris, como diretor durante um quarto de século da revista Colóquio/Artes, da Fundação Calouste Gulbenkian, e como responsável pelo curso de História de Arte da Universidade Nova de Lisboa.

“Não houve tarefa de investigação, divulgação, estudo e pedagogia que não tivesse exercido ao longo de sete décadas de atividade”, recorda Marcelo Rebelo de Sousa.

Também o primeiro-ministro, António Costa, reagiu à morte do investigador, destacando o perfil pioneiro do historiador e crítico de arte, assim como a investigação que desenvolveu sobre a cidade de Lisboa.

“Historiador e crítico de arte portuguesa, autor de estudos pioneiros que continuam a ser obras de referência, José-Augusto França dedicou a sua vida à cultura. Era um notável olissipógrafo, que tive o privilégio de conhecer”, sintetizou o primeiro-ministro, na sua conta oficial no Twitter, sobre José-Augusto França

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Visitas hospitalares devem apresentar certificado digital ou teste negativo

Quem visitar um doente internado ou acompanhar um utente nos serviços do SNS vai ter de apresentar o certificado digital ou um resultado negativo de um teste à covid-19, segundo uma orientação da Direção-Geral da …

Medina renuncia a cargo de vereador para facilitar a vida a Moedas

Numa carta enviada à Assembleia Municipal, Fernando Medina afirma que a sua saída ajuda ao funcionamento do executivo municipal de Carlos Moedas, novo presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Depois de uma derrota inesperada na …

Resposta britânica à pandemia foi "dos maiores fracassos de sempre"

Um relatório do Parlamento britânico sobre a gestão pandémica no Reino Unido arrasa os esforços do executivo britânico no sentido de impedir a propagação do vírus no início da pandemia. Segundo a visão dos parlamentares, a …

PGR abre inquérito a caso de jovem agredido no Porto que acabou por morrer

A Procuradoria-Geral da República (PGR) abriu um inquérito para investigar o caso do rapaz de 23 anos que foi espancado na Baixa do Porto, na madrugada de domingo, e que acabou por morrer no hospital, …

Podia ser anedota, mas não é: equipa marcou 4 auto-golos, de propósito

Jogadoras de futsal do Banfield estavam a vencer por 2-0 quando decidiram perder propositadamente. Tudo a pensar nos play-offs. Quem abrir este artigo e analisar este vídeo, pode pensar que isto foi filmado propositadamente para os …

Portugal vai receber 6,1 milhões de vacinas até ao final do ano

Portugal vai receber cerca de 6,1 milhões de vacinas contra a covid-19 até final do ano, dispondo de doses suficientes para voltar a vacinar toda a população, caso seja necessário, anunciou hoje o coordenador da …

Objeto de Hamilton. Galáxia "dupla" intrigou astrónomos durante anos

O nosso Universo esconde vários objetos estranhos, desde estrelas em explosão a galáxias em colisão. O Hubble encontrou o que parece ser um par de objetos idênticos, tão estranhos que os astrónomos demoraram vários anos …

Neymar, de novo: "Aquilo foi uma declaração terrível para o PSG"

Jérôme Rothen avisou: Neymar disse que vai deixar o futebol depois do Mundial e pode ter que enfrentar consequências. Neymar, Neymar, Neymar. O jogador brasileiro mais falado por estes dias (e em muitos outros períodos). Desta …

Portugal regista mais 719 casos de covid-19 e oito mortos. Internamentos descem

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais oito mortes e 719 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2. O número de pessoas internadas volta a descer. O boletim epidemiológico desta terça-feira informa que há menos 11 pessoas …

Vulcão, La Palma

Avanço da lava em La Palma obriga cerca de 800 pessoas a abandonar as casas. Há agora perto de sete mil desalojados

A lava proveniente do vulcão Cumbre Vieja continua a consumir a ilha de La Palma, nas Canárias. Ao fim de 23 dias, surgem novas correntes que obrigaram cerca de 800 habitantes a abandonar as suas …