“Millenials” tornam-se símbolo de solidariedade após terramoto no México

(dv) Mexican Presidency

Demolindo a fama de individualistas e indiferentes da geração “milennial”, os jovens mexicanos levantaram nos últimos dias a bandeira da solidariedade num país traumatizado pelo forte terramoto que já deixou 333 mortos.

“Dizem que somos muito apáticos, mas esta foi a oportunidade para demonstrar que, apesar de sermos jovens, vamos dar tudo pelo nosso país“, disse Carlos Alberto Vázquez, recém-licenciado em Relações Internacionais e voluntário num edifício que desabou com o tremor na Cidade do México.

Com um capacete, colete e botas, Carlos Alberto faz fila junto a 50 pessoas, a maioria com menos de 30 anos, para poder entrar no marco zero deste imóvel, onde se calcula que ainda haja 35 pessoas sob os escombros.

O jovem não tem conhecimento específico em obras nem em resgate, mas uma enorme vontade de ajudar. Já vacinado contra o tétano e com o nome e número de telefone pintados no braço, está pronto para aquilo que considera um dever.

Hoje Carlos Alberto vai continuar a ajudar nos trabalhos de remoção de escombros e a dividir comida com os companheiros. Tal como fizeram centenas de milhares de jovens nos últimos dias no México, diante da que foi, provavelmente, a pior tragédia de que têm memória.

Angélica Rodríguez tem 22 anos e é estudante de Direito. Está há vários dias como voluntária. “Se eu estivesse numa situação destas, gostava de receber apoio”, contou a jovem, que disse estar ali “escondida”, porque os pais não a deixam ajudar em áreas com risco de desabamento, com medo de que possa lhe acontecer algo.

O diretor-executivo da Rede pelos Direitos da Infância no México (Redim), Juan Martín Pérez, avalia muito positivamente este advento dos jovens após o terramoto de 7,1 na escala Richter que sacudiu a região central do México, especialmente a capital.

Foi rompida a lógica imperante“, disse o especialista, que considerou que a tragédia foi o desencadear de uma necessária “ruptura geracional” que pode dar mais voz aos jovens.

Entretanto, há vários perigos. Um deles é a política tentar se apropriar deste movimento que, até hoje, carece de figuras claras. “É uma liderança coletiva. Uma liderança de hashtags”, afirmou Pérez.

A maioria dos jovens concorda que as redes sociais foram determinantes para que se dispusessem a ajudar. “Estamos mais informados. A tecnologia apoia-nos”, resumiu Luis Enrique Jiménez.

As redes foram nos últimos dias uma fonte inesgotável de informação, e também de rumores. Mas para o titular da Redim, os mais jovens diferenciam melhor o que é verdadeiro e o que é falso. De facto, a hashtag #verificado19S viralizou e uma plataforma para checar os dados foi montada.

Alex nasceu 16 anos após o terremoto de 1985, que deixou milhares de mortos na Cidade do México e também aconteceu a 19 de setembro.

Aquele tremor foi um divisor de águas para a população e na política. Surgiram personagens como Superbarrio Gómez, um lutador pela moradia digna encarnado pelo ativista social Marcos Rascón.

Para os jovens é como um relato que ouvem em casa desde pequenos. E após o terremoto da semana passada, chegou a hora de agir. “A lembrança de 1985 levou muitos a ajudar ao pensar no que aconteceu às suas famílias”, comentou Álex.

“A minha mãe está orgulhosa por eu estar a contribuir. Eu queria dar comida, mas infelizmente as condições económicas não me permitem, mas é melhor estender a mão“, acrescentou Carlos Alberto.

Sempre ligados às redes sociais, desconfiantes da política e dos meios de comunicação tradicionais e lembrando o exemplo de solidariedade do terramoto de 1985, os jovens apoderaram-se das ruas.

No entanto, não se sabe se o movimento perdurará ou se será efémero como tantos outros fenómenos em tempos modernos.

É cedo para saber se o novo modelo coletivo será mantido em uma identidade geracional que consiga dialogar com outras gerações e se está comprometido com a reconstrução nacional”, concluiu Pérez, que considerou que será imprescindível “criar mecanismos de participação cívica” para que os jovens não retornem ao seu mundo digital.

// EFE

PARTILHAR

RESPONDER

Crianças inspiram Lego a livrar-se de todas as embalagens de plástico

As peças da Lego podem acabar no oceano durante mais de mil anos, mas os fabricantes dinamarqueses estão a tentar tornar a empresa ecologicamente correta. Na sua última promessa, a Lego vai começar a usar sacos …

Uma cidade chamada "amianto" está a tentar mudar o nome (e a discussão tornou-se tóxica)

Há uma cidade no Canadá chamada Asbesto - um material de construção altamente tóxico. Os habitantes da cidade não estão felizes com este nome, mas a sua mudança também não está a ser fácil. De acordo …

FC Porto 3-1 Braga | Entrada de “dragão”

O FC Porto iniciou a defesa do título nacional com uma vitória importante sobre o Sporting de Braga por 3-1. Os minhotos marcaram primeiro no Dragão, por um ex-portista, mas os descontos do primeiro tempo foram …

Barco navega em forma de coração para agradecer aos habitantes da Nova Escócia

A escuna Bluenose II navegou de forma bastante original no último dia da temporada de 2020. A rota seguida criou a forma de um coração no porto de Lunenburg, na Nova Escócia. De acordo com o …

França bate recorde com 13.498 novos casos. Espanha não vai confinar

A França registou este sábado um recorde diário de casos de covid-19, com 13.498 novos infetados nas últimas 24 horas, anunciou a Agência Nacional de Saúde, acrescentando que, no mesmo período, morreram mais 26 pessoas. No …

Diogo Jota no Liverpool

O Liverpool oficializou hoje a contratação do futebolista internacional Diogo Jota, de 23 anos, num contrato “de longa duração”, sem especificar a duração. A imprensa inglesa tem adiantado que o jogador vai assinar por cinco épocas, …

Companhia aérea australiana oferece voos de 7 horas (para lugar nenhum)

A companhia aérea australiana Qantas anunciou recentemente planos para um voo panorâmico de sete horas que fará um loop gigante em Queensland e Gold Coast, New South Wales e os remotos centros do interior do …

Barack Obama vai publicar um livro de memórias (mas só depois da eleições de novembro)

O livro de memórias do antigo Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, só vai ser publicado depois das eleições presidenciais de novembro. Uma enxurrada de livros políticos chegou às prateleiras nas últimas semanas, no final da …

Confrontos em Londres entre polícia e opositores das restrições devido à pandemia

A polícia de Londres, Inglaterra, entrou hoje em confronto com manifestantes que protestavam contra as restrições que visam conter a disseminação do novo coronavírus. De acordo com a agência Associated Press (AP), os confrontos ocorreram quando …

Milhares infetados por bactéria após fuga em fábrica farmacêutica chinesa

Milhares de pessoas no noroeste da China contraíram uma doença bacteriana depois de uma fuga que causou um surto numa biofarmacêutica no ano passado. De acordo com a CNN, que cita relatos dos media locais, mais …