Mais de mil detidos libertados na Bielorrússia. UE começa a discutir resposta

Tatyana Kenkovich / EPA

As autoridades bielorrussas libertaram mais de mil pessoas que estavam detidas devido às manifestações contra a reeleição do Presidente. Resposta da União Europeia começa a ser discutida esta sexta-feira.

Mais de mil pessoas foram libertadas com a obrigação de não participarem em manifestações não autorizadas”, disse Natalia Kotchanova, em declarações transmitidas através da televisão estatal, citadas pela agência France-Presse. Já o ministro do Interior, Yuri Karaev, pediu desculpa pela violência policial contra as pessoas que não participavam nos protestos.

Milhares de pessoas formaram cordões humanos nas ruas de Minsk para denunciarem a repressão violenta das manifestações de contestação dos resultados das eleições de domingo, que mantiveram no poder o Presidente Alexander Lukashenko, noticiou a AFP.

No total, milhares de pessoas aderiram a este tipo de ação na capital, enquanto nas redes sociais se multiplicam as imagens de iniciativas semelhantes no país. Há também relato de greves em empresas e fábricas.

Esta forma de mobilização, lançada na quarta-feira por dezenas de mulheres vestidas de branco, até agora não desencadeou uma repressão violenta como a que visou as manifestações noturnas. Desde domingo, mais de 6700 pessoas foram detidas durante ações de protesto.

A polícia reprimiu os protestos com cassetetes, gás lacrimogéneo e balas de borracha, granadas atordoantes e outros meios. Um manifestante morreu, na segunda-feira, em Minsk, e muitos ficaram feridos. A Rádio Liberdade informou que um segundo homem morreu num hospital na cidade de Gomel, sudeste do país, após ser detido pela polícia. A repressão aos manifestantes tem gerado duras críticas na comunidade internacional.

Organizações de direitos humanos da Bielorrússia denunciaram, esta quinta-feira, vários abusos e torturas contra detidos. Doze organizações, entre elas a Viasna, o Comité Helsínquia e a Associação dos Jornalistas da Bielorrússia, exigiram a libertação de todos os detidos e a abertura de uma investigação sobre maus tratos e atos de tortura.

Von der Leyen pede à UE que adote sanções

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, apelou ao Conselho da União Europeia que adote sanções à Bielorrússia por violação de valores democráticos e direitos humanos.

Precisamos de sanções adicionais contra aqueles que violaram valores democráticos ou abusaram de direitos humanos na Bielorrússia”, escreveu no Twitter.

“Estou confiante de que a reunião de hoje dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE demonstra o nosso forte apoio ao direito das pessoas na Bielorrússia às liberdades fundamentais e à democracia”, acrescentou.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia realizam, esta sexta-feira, uma reunião extraordinária, por videoconferência, na qual discutirão a estratégia comum de resposta à repressão violenta das manifestações na Bielorrússia.

Apesar de os chefes de diplomacia europeia terem uma reunião informal agendada para 27 e 28 de agosto, em Berlim, o Alto Representante da UE para a Política Externa, Josep Borrell, decidiu convocar este Conselho extraordinário.

Embora a agenda de trabalhos inclua outros temas da atualidade, como a tensão entre Grécia e Turquia no Mediterrâneo oriental e a situação de emergência no Líbano após as explosões que devastaram Beirute, o tema principal será a resposta da UE à situação neste país, que suscita divisões entre os Estados-membros, designadamente entre os defensores de sanções e aqueles que preferem privilegiar a via diplomática.

Numa declaração aprovada pelos 27 Estados-membros, a UE denunciou, esta semana, que as eleições Presidenciais não foram “nem livres nem justas” e ameaçou adotar sanções contra os responsáveis pela violência exercida contra manifestantes pacíficos.

As eleições não foram nem livres nem justas. (…) Procederemos a uma revisão aprofundada das relações da UE com a Bielorrússia. Poderá implicar, entre outras, a adoção de medidas contra os responsáveis das violências registadas, das detenções injustificadas e da falsificação dos resultados das eleições.”

A declaração europeia, emitida pelo gabinete de Josep Borrel, lamenta que, após o povo bielorrusso “ter demonstrado o seu desejo de mudança democrática”, as eleições não tenham decorrido de forma transparente e que as autoridades estatais tenham exibido “uma violência desproporcionada e inaceitável”.

“Para mais, informações credíveis de observadores internos demonstram que o processo eleitoral não cumpriu os parâmetros internacionais aguardados num país que participa na Organização para a Segurança e Cooperação na Europa [OSCE]”, acrescenta.

Bielorrússia quer dialogar com “parceiros” estrangeiros

A Bielorrússia já manifestou disposição para estabelecer um “diálogo construtivo” com o estrangeiro sobre as recentes eleições presidenciais e a contestação reprimida pelas autoridades.

“A Bielorrússia está pronta para o diálogo construtivo e objetivo com os parceiros estrangeiros sobre todas as questões ligadas aos acontecimentos desde a campanha eleitoral”, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros, em comunicado, após uma conversa telefónica entre o chefe da diplomacia bielorrussa, Vladimir Makeï, e o seu homólogo suíço, Ignazio Cassis.

“A conversa centrou-se na discussão sobre as eleições presidenciais no nosso país e a situação atual”, refere a nota de Makei difundida pela agência estatal bielorrussa Belta.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

PSD aprova apoio a Marcelo por 87% e sem votos contra

O Conselho Nacional do PSD aprovou hoje a moção de apoio à candidatura presidencial de Marcelo Rebelo de Sousa proposta pela direção do partido com 87% de votos a favor. De acordo com fonte oficial do …

Há um mês, Javi Martínez ia sair do Bayern; agora é "senhor Supertaça"

Thomas Müller lembrou o duplo registo histórico do seu companheiro de equipa. O médio contraria a tendência dos ex-jogadores do Atlético Bilbau. O Bayern Munique já teve a possibilidade de ganhar a Supertaça Europeia em cinco …

Parkinson afinal não é uma doença... são duas

Um estudo dinamarquês veio mostrar que a doença de Parkinson se divide em dois tipos diferentes - um começa no cérebro e outro nos intestinos - que são os responsáveis pelos diferentes sintomas reportados pelos …

Poderá ter sido descoberto o primeiro planeta de outra galáxia

Um enorme planeta poderá estar a orbitar um sistema estelar binário, numa galáxia muito longe da nossa. Se este planeta for real, poderá ser o mundo mais distante alguma vez descoberto. De acordo com a Futurism, …

O Bennu "esconde" diferentes pedaços de outros asteróides na sua superfície

A espaçonave OSIRIS-REx da NASA avistou algumas rochas de cor estranhamente clara na superfície do asteróide Bennu. Depois de algumas investigações, os cientistas descobriram a razão: são fragmentos de um asteróide totalmente diferente e muito …

A Família Real inglesa vai ter um novo membro (e será já no início de 2021)

A Rainha Isabel II vai ter mais um bisneto. A princesa Eugénia anunciou hoje, através das redes sociais, que está à espera do seu primeiro filho. Também a Casa real já se pronunciou sobre a …

Google Maps vai localizar e mapear áreas de contágio de covid-19

O Google Maps, 'website' e aplicação de cartografia da gigante norte-americana Google, vai poder revelar nos mapas, consultados por utilizadores, as áreas de infeção da covid-19. “Ao abrir o Google Maps, clique na guia à direita …

Cabra com mais de 400 anos encontrada mumificada numa montanha de gelo

Uma cabra morta há mais de 400 anos foi descoberta por um esquiador, em Val Aurina, em Itália. Hermann Oberlechner, alpinista e campeão de esqui, estava a caminhar quando encontrou algo invulgar e inesperado no …

Norte-americano morre após overdose de guloseimas

Um homem de 54 anos morreu na sequência de uma paragem cardíaca causada por hipocaliemia severa. A ingestão de alcaçuz preto em altas quantidades é apontada como a causa da morte. Um norte-americano de 54 anos, …

Cidade brasileira de Manaus pode já ter atingido a imunidade de grupo

Um estudo liderado pela Universidade de São Paulo, no Brasil, sugere que a cidade brasileira de Manaus, a capital do estado do Amazonas, pode já ter atingido a imunidade de grupo para o novo coronavírus …