Metro Sul do Tejo custa ao Estado mais de 8 milhões por ano

Jcornelius / Wikimedia

O Tribunal de Contas (TdC) acusa o Estado de inércia na renegociação do contrato do Metro Sul do Tejo (MST), concessionado ao grupo Barraqueiro, os novos donos da TAP, que custa mais de oito milhões de euros por ano ao Orçamento do Estado.

De acordo com a auditoria de gestão às Parcerias Público-Privadas ferroviárias (PPP), a concessão MST continua a ter elevados encargos para o Orçamento do Estado, que ascendem a cerca de oito milhões de euros anuais, considerando inaceitável que a renegociação deste contrato, com vista à redução da despesa pública, não registe evoluções desde 2012.

“Este custo não é razoável tendo em conta que o projeto foi apresentado como autossustentável, isto é, sem custos para o erário público”, declara o TdC.

Segundo a auditoria ao período 1999-2013, o Instituto da Mobilidade e Transportes (IMT) [responsável pela gestão dos contratos de concessão] justifica o atraso na conclusão destes processos negociais com “a acumulação de outros processos de negociações, (…) argumento que o Tribunal não acolhe face à excessiva morosidade que tem existido neste tipo de processos”.

Para o TdC, o trabalho do IMT tem sido insuficiente e o Estado tem revelado inércia quanto a dotar aquele Instituto das condições necessárias para melhorar essa gestão e, mais, não tem sido “diligente para a obtenção de acordos que sejam mais favoráveis para os interesses públicos”.

Contas feitas, os 22 quilómetros de metropolitano ligeiro de superfície que circula nos concelhos de Almada e Seixal, custou ao erário público, desde 2005, 125,5 milhões de euros.

O atraso no arranque da operação, previsto para 2005 e só começou três anos mais tarde, por causas imputadas ao Estado, motivou uma compensação inicial de 29,7 milhões ao grupo Barraqueiro.

“Aquele montante representa uma média anual de 9,9 milhões de euros”, valor que “é 25,5% superior à média anual dos encargos resultantes dos anos completos de exploração, no valor de 7,89 milhões de euros”, alerta.

Na concessão MST, o serviço de transporte custou ao Estado, em média e por passageiro-quilómetro, cerca de 49 cêntimos, um valor considerado “elevado, tendo em conta, por exemplo, que a tarifa para o transporte em táxi é de 47 cêntimos por quilómetro”.

Além do atraso na entrada em exploração, o Estado também é responsabilizado por estimativas de procura inatingíveis, aquando do concurso para a concessão, que se afastaram ainda mais da realidade na sequência da crise económica e financeira.

No MST, a procura em 2013 ficou abaixo da verificada três anos antes, em 2010, o que implicou o aumento dos pagamentos por parte do Estado.

Neste contexto, o Tribunal de Contas recomenda ao Governo que conclua a reestruturação do IMT, garanta que o instituto tem recursos para gerir os contratos de concessão e que conclua o processo de renegociação para reduzir os custos desta parceria público privada, recordando que está em causa a defesa do interesse dos contribuintes.

Em 2011 foi constituída uma comissão para a renegociação do contrato de concessão, que não cumpriu os objetivos fixados e acabou por cessar funções.

Em março de 2014, o Governo relançou as negociações do contrato de concessão do MST, tendo nomeado uma nova Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos para representar o executivo, segundo um despacho publicado em Diário da República.

O Governo, através dos ministros das Finanças e da Economia, tem 60 dias para transmitir ao Tribunal, por escrito, as medidas a adotar para dar cumprimento às recomendações, e, um prazo de 180 dias, para as medidas adotadas e os resultados obtidos.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Que beleza de país! Ainda se o metro de superfície fosse uma boa alternativa para deixar de andar nos autocarros públicos?! Mas penso que este meio de transporte foi só para encher os bolsos de alguém! Ou então foi uma brincadeira de “cabecinhas pensadoras”! Esperemos que haja alguém decisor para acabar com esta palhaçada, do faz de conta! Não há dinheiro os pobres pagam e os donos destas empresas inúteis recebem de bandeja!

RESPONDER

Bloco apoia travão ao desconfinamento na região de Lisboa

O Bloco de Esquerda apoiou o adiamento do levantamento de restrições impostas pela pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo, destacando que é importante aumentar a vigilância nas empresas de construção e trabalho …

Descoberto "cemitério" de mamutes nos arredores da Cidade do México

Investigadores descobriram um "cemitério" com cerca de 60 mamutes nos arredores da Cidade do México, avança o Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) do país. De acordo com o site Live Science, a descoberta aconteceu, …

David Luiz confirma rumores. Regresso "vai acontecer se o presidente permitir e os adeptos quiserem"

David Luiz confirmou este sábado os rumores que davam conta que o Benfica e o jogador estavam a negociar um eventual regresso do brasileiro à Luz. Em entrevista ao desportivo Record, David Luiz confirmou a …

Cães treinados para proteger animais selvagens salvam 45 rinocerontes

Há inúmeras razões que explicam o motivo pelo qual os cães são conhecidos como o melhor amigo do Homem. Além de leais e inteligentes, dão sempre o corpo às balas, mesmo nos piores momentos. Quarenta e …

Fez-se história. Foguetão da SpaceX lançado com sucesso rumo à EEI

O primeiro foguetão concebido e construído por uma empresa privada, a SpaceX, de Elon Musk, levando a bordo dois astronautas foi lançado este sábado na presença do Presidente do Estados Unidos, Donald Trump. O lançamento decorreu …

"A Rússia não permitirá a privatização da Lua", avisa Roscosmos

A Rússia não permitirá a privatização da Lua, independentemente de quem avance a iniciativa, avisou o chefe da agência espacial russa (Roscosmos), Dmitri Rogozin, em entrevista ao jornal Komsomólskaya Pravda. "Não permitiremos que ninguém privatize a …

Plataforma flutuante extrai energia das ondas, do vento e do Sol

A empresa alemã Sinn Power criou uma plataforma marítima flutuante capaz de gerar energia renovável a partir de ondas, vento e energia solar. A plataforma híbrida combina turbinas eólicas, painéis solares e coletores de energia das …

Balneários proibidos e 3 metros de distância. As regras da DGS para a prática de exercício físico

A Direção-Geral da Saúde (DGS) recomenda uma distância mínima de três metros entre pessoas que pratiquem exercício físico, no âmbito das medidas de prevenção da pandemia de covid-19. A orientação, intitulada “Procedimentos de Prevenção e Controlo …

Astronautas da NASA já se preparam para voo histórico a bordo do foguetão da Space X

Dois astronautas da NASA já estão a equipar-se para o lançamento histórico de um foguetão concebido e construído pela empresa SpaceX, de Elon Musk, apesar de as previsões meteorológicas indicarem mais tempestades. Com o voo já …

Há dez anos, Portugal adotou a lei que permitiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo

Portugal adotou há 10 anos a lei que permitiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo, após um debate fraturante que remeteu para mais tarde a adoção de crianças por estes casais, possível apenas desde …