Meteoritos excêntricos terão “nascido” graças a uma intrigante quimera cósmica

State Farm / Wikimedia

Uma família de meteoritos tem confundido os cientistas desde que foi descoberta na década de 1960. Os diversos fragmentos, encontrados em todo o mundo, parecem ter separado-se do mesmo corpo primordial. A composição dos meteoritos indica que o seu “pai” deve ter sido uma quimera intrigante.

A maioria dos meteoritos que pousaram na Terra são fragmentos de planetesimais, os primeiros corpos protoplanetários do sistema solar. Os cientistas acreditavam que esses corpos primordiais derreteram completamente no início da sua história ou permaneceram como pilhas de entulho não derretido.

Há uma família intermediária de meteoritos que se originou num corpo quimérico derretido e não derretido. Estes meteoritos “mostram evidências de objetos primordiais que nunca derreteram e também evidências de um corpo que é total ou pelo menos substancialmente derretido. Nós não sabemos onde colocá-los”, disse Benjamin Weiss, professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), em comunicado divulgado pelo EurekAlert.

Estudos anteriores revelaram que este “pai” planetesimal antigo, formado a partir de colisões durante os primeiros milhões de anos da existência do Sistema Solar, tinha uma crosta sólida sobre um manto líquido, semelhante à Terra.

Clara Maurel, estudante de graduação do Departamento de Ciências da Terra, Atmosféricas e Planetárias do MIT, estava curiosa para saber se era aí que as semelhanças terminavam. “Esse objeto derreteu o suficiente para que o material se afundasse no centro e formou um núcleo metálico como o da Terra?”, interrogou-se.

Se este planetesimal tivesse um núcleo metálico, seria razoável supor que também gerasse um campo magnético. Com o tempo, esse campo antigo poderia ter deixado a sua marca nos minerais dentro do corpo celeste, fazendo com que se alinhem na direção do campo, como uma agulha na bússola.

Maurel e os seus colegas analisaram amostras de meteoritos IIE, uma substância específica para manutenção do magnetismo – um tipo de mineral de ferro-níquel. A equipa descobriu que os eletrões dentro de vários desses grãos estavam alinhados numa direção semelhante, fornecendo evidências para um campo magnético. A sua força era provavelmente a mesma que o campo magnético da Terra.

Simulações de alta velocidade da Universidade de Chicago revelaram que colisões com outro objeto possivelmente desalojaram o material do núcleo magnético, que depois migrou para bolsos perto da superfície do corpo.

“À medida que o corpo arrefece, os meteoritos nesses bolsos imprimem esse campo magnético nos seus minerais”, explicou Maurel. “Em algum momento, o campo magnético decairá, mas a impressão permanecerá. Mais tarde, esse corpo passará por muitas outras colisões até as colisões finais que colocarão esses meteoritos na trajetória da Terra”.

Essa quimera cósmica abriu o espectro de planetesimais, mas ainda poderia haver estruturas celestes semelhantes à espera de serem encontradas. “A maioria dos corpos no cinturão de asteróides parece não derretida na sua superfície”, disse Weiss. “Se conseguirmos ver o interior de asteróides, poderemos testar essa ideia. Talvez alguns asteróides sejam derretidos por dentro e corpos como este planetesimal sejam comuns”.

“Este é um exemplo de um planeta planetário que deve ter camadas derretidas e não derretidas. Incentiva a busca de mais evidências de estruturas planetárias compostas”, disse Maurel. “Compreender todo o espectro de estruturas, de não derretido a totalmente derretido, é fundamental para decifrar como os planetesimais se formaram no início do sistema solar”.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Science Advances.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Teia da morte. Cientistas desenvolvem nova forma de matar células cancerígenas

Um novo estudo sugere que, através de uma interrupção direcionada e localizada da estrutura das células cancerígenas, o seu mecanismo de autodestruição pode ser ativado. As células cancerígenas multiplicam-se de forma incontrolável, levando a um crescimento …

Boavista 2-0 Porto | “Manita” em 45 minutos demolidores

Goleada do “dragão” no Bessa. No dérbi portuense entre Boavista e FC Porto, os campeões nacionais sentiram dificuldades na primeira parte, não conseguiram sequer enquadrar qualquer um dos seus remates, mas na segunda parte tudo …

Magawa, o rato que deteta minas, ganhou uma medalha de ouro

Magawa, um rato gigante africano, foi treinado para descobrir minas terrestres e tem estado ao serviço no Camboja. O animal foi agora proclamado herói e premiado por salvar vidas naquele país. A instituição de caridade britânica …

Cientistas descobrem nova espécie de crustáceo no lugar mais quente da Terra

Uma equipa de cientistas descobriu uma nova espécie de crustáceo de água doce durante uma expedição ao deserto de Lute, no Irão, também conhecido como o lugar mais quente do planeta. Hossein Rajaei, do Museu Estadual …

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …

Os aeroportos mudam o nome das pistas (e a culpa é dos pólos magnéticos da Terra)

O pólo norte magnético pode mover-se até 64 quilómetros por ano. Isto pode ser um problema para os pilotos de aviões. A pista 17L/35R, no Aeroporto Internacional de Austin-Bergstrom, no estado norte-americano do Texas, não terá …