Mais de metade dos portugueses são obesos ou pré-obesos

Tobyotter / Flickr

Mais de metade dos portugueses são obesos ou pré-obesos e 43% têm hipertensão arterial, conclui um estudo hoje divulgado que mostra que a população portuguesa controla mal os seus fatores de risco para doenças cérebro e cardiovasculares.

Os autores do estudo, da responsabilidade do Instituto Ricardo Jorge (INSA), indicam que 68% da população apresenta dois ou mais fatores de risco para doenças cardiovasculares e 22% quatro ou mais.

Os fatores de risco mais relevantes são a diabetes mellitus, colesterol elevado, hipertensão arterial, pré-obesidade/obesidade e tabagismo.

Em declarações à agência Lusa, Mafalda Bourbon, coordenadora do estudo, disse que os dados recolhidos surpreenderam, sobretudo porque “este trabalho analisou o conjunto de fatores de risco para um mesmo indivíduo” e não os fatores de forma isolada.

“Não tínhamos dados para pensar qual seria o valor que íamos obter. Quando percebemos que quase 70% têm dois ou mais fatores de risco, é preocupante”, afirmou Mafalda Bourbon, sublinhando que “há pessoas muito jovens que já iniciam a vida adulta com fatores de risco”.

Os investigadores defendem que os dados recolhidos mostram a necessidade de as autoridades de saúde “desenvolverem estratégias para rastrear a população em geral quanto aos fatores de risco para as doenças cardiovasculares e promovam medidas de estilo de vida adequadas e literacia em saúde”.

O estudo, que avaliou uma amostra de 1.688 pessoas através de exame físico, análises clínicas e um questionário, indica ainda que, “não obstante o decréscimo verificado nos últimos anos, as doenças cérebro-cardiovasculares continuam a ser a principal causa de morte em Portugal e a esperança de vida saudável aos 65 anos de idade é inferior à média europeia”.

“Não obstante o decréscimo verificado nos últimos anos, as doenças cérebro-cardiovasculares continuam a ser a principal causa de morte em Portugal e a esperança de vida saudável aos 65 anos de idade é inferior à média europeia” sublinham os investigadores.

Defendem uma “maior pressão no cumprimento dos objetivos definidos no Plano Nacional de Saúde”, sublinhando que a prevenção das doenças cardiovasculares continua a ser “um grande desafio”.

De acordo com os dados hoje divulgados, o estudo estimou prevalências de diversos determinantes de saúde, nomeadamente a dieta inadequada (71,3%), pré-obesidade/ obesidade (62,1%), hipertensão arterial (43,1%), hábitos tabágicos (25,4%) e nível baixo de atividade física (29,2%).

Os investigadores salientam também “o elevado grau de desconhecimento dos indivíduos em relação à sua situação clínica e à medicação prescrita”, sublinhado que estes dados reforçam “a necessidade de melhorar a literacia em saúde”.

“Havia diabéticos que estavam a tomar antidiabéticos orais e que nem sabiam que tinham diabetes”, contou a coordenadora do estudo, frisando: “Há pessoas que não tem conhecimento de todas as patologias que têm”.

O trabalho de campo para este estudo decorreu entre 2012 e 2014 e a análise dos dados recolhidos entre 2015 e 2017.

Questionada sobre se algumas das medidas levadas a cabo pelo Governo, sobretudo o aumento das taxas sobre as bebidas açucaradas, o álcool e os produtos de tabaco, e os programas de alimentação saudável e da promoção da atividade física, Mafalda Bourbon disse que é preciso repetir o mesmo estudo para avaliar esse impacto.

“Aliás, era uma ideia que tínhamos desde o início, fazer o seguimento destas pessoas e perceber a evolução nestes fatores de risco”, afirmou, destacando a necessidade de financiamento para dar continuidade ao trabalho.

A investigadora do INSA reconhece que os fatores de risco apontados “já eram todos conhecidos”, mas diz que “é preciso insistir para que as pessoas tomem consciência de que cada um pode fazer a diferença”.

“O que acho que é importante falar cada vez mais nestas percentagens para as pessoas terem consciência de que podem mudar estes valores. A maior parte destes fatores de risco são modificáveis e a população tem de tomar consciência que a sua saúde dela depende. Não é depois de ter a doença instalada que vai ao médico e toma um medicamento”, defende a responsável, acrescentando: “Tenho a certeza de que a pessoa sabe o que é uma dieta saudável ou um estilo de vida saudável, mas é difícil instituir. É preciso vontade (…). A pessoa tem de ter consciência de que depende de si atuar e mudar o estilo de vida”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Um ano após o confinamento de Wuhan o mundo continua em crise devido à covid-19

Quase um ano depois da imposição do confinamento na cidade de Wuhan para travar o vírus SARS-CoV-2, que se assinala este sábado, o mundo continua em luta contra a pandemia, apesar do aparecimento de vacinas. A …

Pessoas com certas características podem ser mais suscetíveis a "ouvir" os mortos

Uma equipa de cientistas identificou certas características que podem tornar as pessoas mais suscetíveis a alegar que “ouvem” os mortos. Um novo estudo sugere que as pessoas que se descrevem como "clariaudientes" - em oposição a …

Sporting 1 - 0 SC Braga | Leões conquistam Taça da Liga com golo de Porro (e algum sofrimento)

O Sporting reconquistou hoje a Taça da Liga de futebol, ao vencer na final o Sporting de Braga, por 1-0, em Leiria, com um golo de Pedro Porro e enorme resistência durante a segunda parte. O …

Estados Unidos querem rever o acordo com rebeldes talibãs no Afeganistão

Os Estados Unidos indicaram hoje às autoridades afegãs o seu desejo de rever o acordo entre o Governo norte-americano e os talibãs, assinado em fevereiro de 2020, particularmente para "avaliar" o respeito dos rebeldes pelos …

"Excedeu todas as expetativas". Implante de córnea artificial devolve visão a homem cego

Um homem de 78 anos que estava cego dos dois olhos há 10 anos recuperou a visão após receber o primeiro implante de uma córnea artificial desenvolvida pela startup israelita CorNeat Vision. O implante CorNeat KPro …

Tenista João Sousa falha Open da Austrália após ter estado infetado

João Sousa vai falhar o Open da Austrália depois de ter estado infetado com o novo coronavírus, por determinação das autoridades australianas, anunciou hoje o tenista português. "É com muita tristeza que vos dou a conhecer …

Cientistas criam nova forma de produzir carne em laboratório (e prometem manter o sabor e a textura)

Uma equipa da McMaster desenvolveu uma nova forma de carne cultivada, através do uso de um método que promete manter o sabor e a textura mais naturais do que as outras alternativas à carne tradicional. Os …

Papa pede "jornalismo corajoso" e controlo de notícias falsas na Internet

O papa Francisco pediu hoje um "jornalismo corajoso" que venha ao encontro das pessoas e histórias, propondo ainda o controlo das notícias falsas na Internet, especialmente neste período de pandemia da covid-19. “Opiniões atentas lamentam, há …

A cidade mais antiga das Américas está sob ameaça de invasão (e a culpa é da pandemia)

Tendo sobrevivido durante cinco mil anos, o sítio arqueológico mais antigo das Américas está sob a ameaça de invasores que afirmam que a pandemia de covid-19 os deixou sem outra opção a não ser ocupar …

Suspeito do homicídio de Bruno Candé nega ter agido impulsionado por racismo

Evaristo Marinho disparou vários insultos racistas contra Bruno Candé: “Vai para a tua terra, preto, tens a família toda na sanzala e também devias lá estar”, foi um deles. Três dias depois acabou por matá-lo, …