Menina de 7 anos relata a guerra em Aleppo pelo Twitter

Bana Al-Abed / Twitter

Bana, menina síria de 7 anos, relata no Twitter que está "a ler para esquecer a guerra".

Bana, menina síria de 7 anos, relata no Twitter que está “a ler para esquecer a guerra”.

Bana Al-Abed é uma menina de 7 anos que sonha em ir à escola para se tornar professora. Mas está condenada a ficar fechada em casa, enquanto as bombas caem sobre Aleppo, a cidade síria onde vive. É este relato do cerco e da guerra na Síria que conta pelo Twitter.

No passado dia 24 de Setembro, Fatemah, uma síria de 26 anos, criou uma conta no Twitter na qual relata pelos olhos da filha Bana Al-Abed, de 7 anos, o conflito que prossegue sem fim à vista em Aleppo, cidade síria que está nas mãos dos rebeldes e que o Governo de Bashar Al-Assad tem cercada há cerca de três meses.

Nos últimos meses, os aviões russos, aliados de Assad, intensificaram os bombardeamentos sobre a cidade e Bana conta no Twitter como é o dia-a-dia daqueles que vivem neste cenário de guerra.

Numa das publicações na rede social, a menina conta como uma bomba caiu mesmo ao lado da sua casa ou como outra destruiu a casa da sua melhor amiga, matando-a.

Outro dos posts que ficou bastante conhecido é um com uma fotografia sua na qual diz que está “a ler para esquecer a guerra”.

Há também um vídeo em que Bana mostra o jardim da sua casa depois de um bombardeamento, lamentando que costumava lá brincar e que agora não tem onde o fazer.

Noutra publicação, a mãe da menina conta que estão a tentar dormir enquanto se ouvem as bombas a explodir no exterior e deixa a promessa de que voltará a publicar um tweet no dia seguinte “se estivermos vivos”.

Bana também lamenta como o seu irmão mais novo, Mohamed, “está a chorar” enquanto caem as bombas. “Prefiro morrer a deixá-lo morrer”, desabafa a menina.

“Ainda estamos vivos” é a mensagem que a mãe de Bana escreve noutra publicação no Twitter, a par de um vídeo com os seus três filhos a acordarem.

Noutro post, Bana pede aos russos e ao presidente sírio que parem com os bombardeamentos para poder ter “paz” para ir à escola e tornar-se professora.

A menina não pode ir à escola há vários meses e até a mãe deixou de ir à universidade por causa dos bombardeamentos.

Ao jornal britânico The Guardian conta que a escola local foi bombardeada no ano passado e que, como as outras são demasiado longe, é muito arriscado tentar lá chegar.

Assim, Bana fica em casa com a mãe e os irmãos à espera da paz que tarda em chegar.

“Não somos terroristas”, queixa-se a menina numa conversa com um jornalista do canal de televisão ITV News. “Somos crianças, temos direito a viver”, diz.

“Queremos que o mundo nos ouça, Bashar al-Assad e Putin matam crianças, bombardeiam escolas e hospitais e cercam civis”, queixa-se ainda a menina, lamentando que começa a faltar tudo na cidade.

“Não há água”, “não há leite” e nos hospitais “não há remédios”, conta ao mesmo canal de televisão.

Já depois destas entrevistas e de o seu caso ter começado a ter repercussão um pouco por todo o mundo, Bana escreveu no Twitter que quer “viver como as crianças de Londres”.

Já a mãe apela aos russos “que se preocupam com a humanidade” para se “levantarem” pela paz de Aleppo. A jovem diz na ITV News que os seus filhos “são como os filhos” de todo o mundo e que “merecem uma vida”.

SV, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Lisboa pode receber a final deste ano da Liga dos Campeões

Istambul não está agradada com a ideia de receber a final da Liga dos Campeões sem adeptos no estádio. Por isso, outras hipóteses estão a ser consideradas, nomeadamente Lisboa. A final da Liga dos Campeões está …

Há mesmo algo de reconfortante quando dizemos palavrões

Um novo estudo sugere que, nas circunstâncias certas, dizer palavrões em voz alta parece fazer as pessoas sentirem menos dor. Exatamente como e porque é que o ato de dizer asneiras consegue fazer com que as …

"Paraministro" de Costa. Gestor independente chamado para negociar plano económico de retoma

O primeiro-ministro, António Costa, convidou o diretor executivo da petrolífera Partex, António Costa Silva, para estudar o plano de recuperação económica. De acordo com o semanário Expresso, que avança a notícia na sua edição deste …

Termina o dever cívico de confinamento

O Conselho de Ministros aprovou esta sexta-feira o fim do “dever cívico de recolhimento”, que entrará em vigor na próxima segunda-feira, prevê a resolução que prolongou a situação de calamidade até 14 de junho. A situação …

"Ratos" de musgo espalham-se pelos glaciares do Ártico (e intrigam cientistas)

A presença de estranhas bolas de musgos nos ecossistemas de glaciares tem atraído a atenção da comunidade científica. Estas estranhas criatura proliferam no Ártico, mas também em regiões da Islândia e América do Sul. Especialistas de …

Há 29 países que podem visitar a Grécia a partir de 15 de junho. Portugal ficou de fora

A partir de 15 de junho, cidadãos oriundos de 29 países poderão visitar a Grécia, revelou esta sexta-feira o Governo helénico, dando conta que a lista elaborada teve em conta a situação epidemiológica de cada …

Portugal Continental não vai ter quarentena para turistas

O primeiro-ministro, António Costa, garantiu esta sexta-feira que Portugal continental não vai aplicar normas de quarentena para quem vier de fora do país. No final de um Conselho de Ministros de quase oito horas, que se …

Jovem de 19 anos morre atingido por disparos durante protesto pela morte de George Floyd

Um jovem de 19 anos morreu depois de alguém que seguia num carro ter disparado sobre uma multidão de pessoas que protestavam contra o homicídio do afro-americano George Floyd, indicou uma porta-voz da polícia de …

O campo magnético da Terra está a enfraquecer misteriosamente

Novos dados de satélite da Agência Espacial Europeia (ESA) mostram que o campo magnético da Terra está a enfraquecer entre África e a América do Sul. O enfraquecimento do campo magnético da Terra está relacionado com …

Morreram os primeiros dois capacetes azuis vítimas da covid-19

Dois militares da força de manutenção da paz das Nações Unidas no Mali morreram devido à covid-19, os primeiros entre cerca de 100.000 soldados e polícias destacados em 15 missões no mundo. "Infelizmente, ontem [quinta-feira] e …