Os médicos só começaram a medir a temperatura corporal há 200 anos

(dr) Envato Elements

A pandemia de covid-19 tornou os termómetros omnipresentes: nas lojas, em aeroportos, em museus e nos mais variados serviços. Hoje, pode parecer óbvio que a febre está ligada a uma alta temperatura corporal, mas nem sempre foi assim.

Teresa Hollerbach, investigadora do Instituto Max Planck de História da Ciência, explica, num artigo assinado no The Conversation, que vários historiadores concordam que um membro do círculo veneziano de amigos de Galileu Galilei foi o primeiro a usar o termómetro na medicina.

Sanctorio Sanctorius (1561-1636) desenvolveu os primeiros termómetros para determinar o calor corporal dos seus pacientes.

Na altura, foi uma novidade. As pessoas estavam longe de imaginar que os números podiam estar relacionados com a saúde ou a doença e confiavam na experiência dos profissionais, que tocavam com a mão na testa para medir o tipo e a intensidade da febre.

Em vez de líquidos, o médico veneziano fez uso da expansão térmica do ar nos seus termómetros. Uma vez que o ar não se expande devido às mudanças na temperatura, mas também na pressão atmosférica, os termómetros de Sanctorius eram sensíveis a ambos.

Isto significa que qualquer medição da temperatura seria distorcida pela influência da pressão atmosférica. Nos termómetros que se seguiram, o ar foi substituído por um líquido lacrado num tubo de vidro.

Além disso, embora Sanctorius usasse o termo latino temperamentum, o seu conceito de “temperatura” era muito diferente do de hoje.

O médico aderiu à teoria humoral, que presumia que a saúde humana dependia de uma proporção equilibrada de quatro humores (i.e., fluidos corporais): sangue, catarro, bílis amarela e bílis negra.

Quando Sanctorius usou os seus termómetros de febre, o que o médico tentava medir eram certos graus de calor e frio na pele dos seus pacientes, que acreditava que revelariam as suas misturas individuais dos quatro humores.

Apesar de o diagnóstico e tratamento da febre serem uma preocupação central dos médicos da altura, os termómetros de Sanctorius não tinham uma aplicação considerável na prática médica diária, porque o aumento da temperatura não era considerado o principal fator determinante da febre.

Na prática, a “quantidade” de calor era considerada apenas um dos vários parâmetros que permitiam aos médicos diferenciar entre o calor corporal saudável e o calor febril. Na altura, a medição do calor corporal era de interesse secundário.

O termómetro só entrou no uso clínico geral no século XIX. Hoje, a febre é definida como temperatura corporal elevada e encarada como um sintoma de diversas doenças.

  Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Marcelo fez o que podia para prevenir crise política. Agora, fica à espera do diálogo

O Presidente da República transmitiu, este sábado, que fez em público e privado o que podia para prevenir junto dos partidos uma crise política e afirmou que espera diálogo sobre o Orçamento do Estado nos …

Candidato do Chega detido por tentativa de homicídio de família sueca

O suspeito da tentativa de homicídio de uma família sueca em Moura, Beja, foi candidato do Chega à freguesia de Póvoa de São Miguel nas últimas eleições autárquicas. O líder do partido já condenou este …

A judoca Bárbara Timo

Judoca Bárbara Timo conquista ouro nos -63kg no Grand Slam de Paris

A judoca portuguesa Bárbara Timo conquistou, este sábado, a medalha de ouro no primeiro dia do Grand Slam de Paris, na sua estreia na categoria -63 kg em provas do circuito mundial. Bárbara Timo, de 30 …

Afinal, o início do Universo pode nunca ter realmente existido

Investigador português da Universidade de Liverpool partiu da teoria dos conjuntos causais para pôr em causa alguns dos conceitos mais importantes na complexa evolução do Universo. A ideia de que o nosso universo foi criado através …

Exoplaneta gigante conseguiu sobreviver à morte da sua estrela

Cientistas encontraram um exoplaneta gigante que parece ter conseguido sobreviver à morte da sua estrela, orbitando neste momento uma anã branca. As anãs brancas são o processo final de estrelas e chegam a ser tão densas …

Homem budista a meditar

O tukdam - um estado mental "meio-morto" dos monges budistas - é o novo fascínio da ciência

Os monges budistas conseguem chegar a um estado de meditação tão profunda que não é detectada qualquer actividade cerebral. No Budismo no Tibete, há um conceito mítico conhecido como "thukdam" ou "tukdam". Acredita-se que este é …

Trofense 1-2 Benfica | Águias passam a rasar

O Benfica, da I Liga, venceu hoje o Trofense, da II Liga, por 2-1, no prolongamento, depois do 1-1 no tempo regulamentar, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue …

Como nasceu o mito dos vampiros? Mais doenças e menos Drácula

Os vampiros são um mito com séculos de história e que podem estar associados a doenças como a raiva e a pelagra — e não ao Drácula. O vampiro é uma imagem comum na cultura pop …

Edifícios impressos em 3D pelo exército norte-americano

Exército dos EUA pode agora imprimir edifícios de cimento em 3D em zonas de desastre

O objectivo da tecnologia é facilitar a construção de casas e pontes quando são precisas com urgência em zonas afectadas por catástrofes. O Corpo de Engenheiros do exército norte-americano pode agora imprimir quartéis, bunkers e outras …

Monumento Pillar of Shame, na Universidade de Hong Kong

Pillar of Shame foi, em tempos, um testemunho da liberdade de Hong Kong. Agora, dizem-lhe adeus

Em tempos, a escultura Pillar of Shame, plantada na Universidade de Hong Kong, foi um testemunho das liberdades da cidade. Agora, está a ser removida. Exposta há mais de 20 anos na Universidade de Hong Kong, …