Médicos Sem Fronteiras admite 24 casos de assédio e abuso sexual em 2017

nesimo / Flickr

Médicos Sem Fronteiras (MSF)

A Médicos sem Fronteiras anunciou, esta quarta-feira, que identificou 24 casos de assédio e de abuso sexual em 2017 no seio da organização, numa altura em que também a Oxfam está envolvida num escândalo sexual.

Das 146 queixas ou alertas recebidos pela direção da ONG criada em Paris, em 1971, “40 casos foram identificados como casos de abuso ou assédio após uma investigação interna”, indicou a Médicos sem Fronteiras (MSF), num comunicado.

“Destes 40 casos, 24 foram casos de assédio e de abuso sexual”, referiu a organização internacional, que integra 40 mil funcionários permanentes em todo o mundo, precisando que 19 pessoas foram despedidas.

“Nos outros casos, os funcionários foram sancionados com medidas disciplinares ou suspensões”, explicou a mesma nota informativa.

A MSF, organização sem fins lucrativos que oferece ajuda médica e humanitária a populações em situações de emergência, divulga esta informação numa altura em que a ONG britânica Oxfam está no centro de um escândalo após a descoberta de graves infrações e abusos sexuais cometidos por certos funcionários em países como Haiti, Chade, Sudão do Sul ou Libéria.

Uma das denúncias indicou que, em 2010, ex-diretores e funcionários da Oxfam encobriram orgias e pagaram prostitutas, algumas possivelmente menores de idade, no Haiti, país na altura devastado por um terramoto que matou mais de 100 mil pessoas.

Na segunda-feira, a vice-diretora-executiva da Oxfam, Penny Lawrence, demitiu-se na sequência deste escândalo. A ONG britânica sofreu outro duro golpe na terça-feira, com a detenção na Guatemala do presidente da Oxfam Internacional, o ex-ministro das Finanças guatemalteco, Juan Alberto Knight, no âmbito de um escândalo de corrupção.

A MSF não precisou onde estavam a trabalhar os elementos acusados de assédio ou de abuso sexual, nem a origem das denúncias, mas precisou que os 24 casos assinalados não incluem “casos diretamente geridos por equipas no terreno ou não relatados à sede” operacional em Paris.

Segundo a organização, os casos foram tratados com a máxima “confidencialidade” para proteger as vítimas.

“Um dos principais desafios da MSF é eliminar os obstáculos que encontram as pessoas suscetíveis de denunciar os abusos. Devemos fazer mais para sensibilizar sobre como funcionam os mecanismos de denúncia”, salientou a organização.

A ONG francesa considerou que o baixo número de denúncias se deve ao estigma que persegue a pessoa que faz a queixa, situação que se intensifica nas zonas de conflito onde a MSF está presente.

“Normalmente não existem mecanismos de proteção para as vítimas, o nível de violência generalizada é elevado, assim como a impunidade. As populações estão demasiado dependentes da ajuda externa” fornecida através de organismos internacionais como as ONG, salientou a MSF.

A MSF, que recebeu o Nobel da Paz em 1999, está presente em 71 países, nomeadamente Iraque, Iémen, República Democrática do Congo e Sudão do Sul.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Ana Gomes espera "verdadeiro Portugal Leaks" com Rui Pinto a colaborar com a justiça

A antiga eurodeputada Ana Gomes considerou que “é um verdadeiro Portugal Leaks” que se pode esperar a partir de agora, depois de Rui Pinto aceitar colaborar com a justiça portuguesa. O criador do Football Leaks e …

Exames nacionais adiados. Terceiro período arranca a 14 de abril (mas à distância)

Esta quinta-feira, António Costa falou ao país para anunciar que o 3.º período irá recomeçar no dia 14 de abril, mas sem aulas presenciais. Os exames nacionais do ensino secundário foram adiados para julho e …

TAP. Estado equaciona reformas antecipadas sem penalizações

O Jornal Económico escreve esta quinta-feira que o Estado pondera avançar com reformas antecipadas sem penalizações na TAP, visando assim diminuir o impacto da pandemia de covid-19 na companhia aérea portuguesa. Apesar de a empresa ter …

Santa Maria ganha 40 camas para os cuidados intensivos

A maior unidade hospitalar do país reforçou capacidade dos Cuidados Intensivos para os doentes infetados, passando das atuais 80 camas para cerca de 120. O Hospital Santa Maria, em Lisboa, vai quadruplicar a sua capacidade …

"Isto é criminoso". Estivadores dizem que há risco de portos pararem

"Da forma como estamos a trabalhar nos portos, corremos o risco de todo o contingente ficar parado, porque não há nenhum cuidado em termos de criar equipas rotativas", garantiu o líder sindical. O presidente do Sindicato …

Demitiu-se o diretor do serviço de cirurgia e transplantação do Curry Cabral

Américo Martins demitiu-se esta quarta-feira por ter visto impedida a proposta de reorganização com circuitos independentes no hospital. O diretor do Serviço de Cirurgia Geral e Transplantação do Hospital Curry Cabral, Américo Martins, demitiu-se esta quarta-feira …

Bancos impedidos de cobrar comissões por operações digitais. Acesso a jogos online limitados

Os bancos vão ficar impedidos de cobrar comissões por operações de pagamento através de plataformas digitais dos prestadores de serviços, segundo uma proposta do PEV com alterações do PS aprovada no Parlamento. O projeto de lei …

Pessoas assintomáticas devem usar máscara, diz Centro Europeu de Controlo de Doenças

Num relatório divulgado na quarta-feira, o Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC) referiu que as máscaras podem reduzir a propagação do novo coronavírus de pessoas assintomáticas, recomendando a sua utilização. De acordo com o Público, …

Portugal ultrapassa as 400 vítimas mortais. Cordão sanitário em Castro Daire equacionado

Portugal regista esta quinta-feira 409 mortos associados à covid-19, mais 29 do que na quarta-feira, e 13.956 infetados (mais 815), segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Trata-se de um aumento de 6% …

"Em segundo plano". OM alerta para falta de resposta para doentes prioritários não covid-19

A Ordem dos Médicos (OM) alertou esta quinta-feira para a falta de resposta aos doentes prioritários não covid-19, que diz estarem a ser relegados para segundo plano, em áreas que “não podem esperar” como a …