Médicos reimplantam perna ao contrário (e foi de propósito)

(dr) Richard T. Harris / BPM Media Group

Amelia Eldred, de 7 anos, adorava dançar, mas teve de deixar o seu passatempo preferido de lado quando foi diagnosticada com cancro ósseo.

Amelia Eldred, de 7 anos, adorava dançar, mas teve de deixar o seu passatempo preferido de lado quando foi diagnosticada com cancro ósseo.

Amelia Eldred, uma menina britânica de 7 anos, foi diagnosticada com um tumor grave no fémur da perna esquerda e foi necessário amputar o membro depois de a quimioterapia não ter dado o resultado desejado.

Mas Amelia, que vive em Tamworth, na Inglaterra, espera poder dançar de novo em breve, graças a um procedimento raro e complexo, conhecido como rotoplastia.

Os médicos reimplantaram a parte inferior da perna do lado contrário. Desta forma, o seu tornozelo pode fazer os mesmos movimentos que faria o seu joelho.

Apesar de a cirurgia parecer estranha – consiste num pé à altura do joelho, mas virado ao contrário – os médicos dizem que permite à criança ter um estilo de vida mais ativo, comparado com outras opções de tratamento, como a amputação da perna inteira.

Na operação, os médicos começaram por remover a secção do meio da perna, que inclui o final do fémur, o joelho e o topo da tíbia. Depois, retiram o resto da parte de baixo da perna, rodando-a em 180 graus e reatando-a ao fémur.

Com uma prótese, a perna da paciente funciona essencialmente como se tivesse sido feita uma amputação abaixo do joelho, explicou Joel Mayerson, um ortopedista oncologista que não esteve envolvido no procedimento. Isso é importante porque, como uma amputação acima do joelho, os pacientes gastam 70% mais de energia do que o normal a caminhar.

Com uma amputação abaixo do joelho, no entanto, o gasto de energia acima da média é reduzido para 20%.

“Se olho no espelho, parece-me estranho que a perna esteja ao contrário, mas, quando olho para ela no meu corpo, parece-me normal”, explica a menina de 7 anos à BBC.

A criança ainda está em processo de aprendizagem para usar a sua nova perna com sessões de fisioterapia, que lhe permitirão colocar uma prótese no futuro. “Eu não me sinto diferente, mas é diferente quando preciso de me mexer, porque é tudo ao contrário”, descreveu a criança.

A sua família diz que a opção pelo reimplante da perna foi uma escolha simples de fazer. “Foi uma decisão de caras, porque esta foi, sem dúvida, a melhor opção para nós”, diz a sua mãe, Michelle Eldred. “Com uma perna prostética, ela voltará a fazer tudo que sempre amou.”

Amelia ainda terá de fazer mais dois meses de quimioterapia para tratar o osteossarcoma, o tipo mais comum de cancro ósseo em crianças. Mas a sua nova perna faz com que a menina se mantenha otimista. “Agora, somos melhores amigas.”

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Disney+ alerta para estereótipos racistas. Filmes clássicos com avisos sobre "maus tratos"

Embora já exibisse mensagens padrão desde o ano passado, a nova plataforma de vídeo Disney+ mostra agora um aviso, que não pode ser passado à frente, no início de vários filmes clássicos - como Dumbo …

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …

Disparos de satélites e naves do Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata …

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …