May continua sem apoio para aprovar acordo do Brexit. Corbyn desafia-a a considerá-lo “morto”

David Levenson / Pool

A primeira-ministra britânica, Theresa May, admitiu que o governo continua sem apoio suficiente para fazer aprovar no parlamento o Acordo de Saída do Reino Unido da União Europeia, mantendo-se incerto quando o fará.

“É com grande pesar que tive que concluir que, da maneira como as coisas estão, ainda não há apoio suficiente na Câmara para trazer de volta o Acordo para um terceiro ‘voto significativo'”, afirmou Theresa May.

A primeira-ministra disse que continua a ter discussões com líderes e deputados de todos os partidos para tentar encontrar um consenso, mas alertou para o risco de o parlamento votar uma proposta que lhe dá precedência sobre o governo para agendar um debate sobre o Brexit e alternativas.

Pelo contrário, prometeu que o governo criaria tempo para os chamados “votos alternativos” terem lugar, a primeira-ministra se tenha manifestado “cética” sobre este tipo de processo.

“Quando experimentámos este tipo de coisas no passado, produziram resultados contraditórios ou nenhuma conclusão“, avisou.

Na semana passada, o Conselho Europeu concordou com uma prorrogação da data de saída do Reino Unido da UE até 22 de maio de 2019, desde que o Acordo de Saída seja aprovado pela Câmara dos Comuns até sexta-feira.

Se não acontecer, o Conselho Europeu estipulou uma prorrogação até 12 de abril de 2019 e disse que esperava que o Reino Unido indicasse um caminho a seguir antes de 12 de abril de 2019 para a consideração dos líderes europeus.

O acordo foi chumbado a 12 de março por 391 votos contra e 242 votos a favor, uma diferença de 149 votos, repetindo o chumbo de janeiro por 432 votos contra e 202 contra, uma margem histórica de 230 votos.

Corbyn desafia May

O líder do partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, desafiou a primeira-ministra britânica, Theresa May, a declarar “morto” o Acordo de Saída do Reino Unido da União Europeia (UE) e a aceitar votos sobre alternativas.

“Tendo em conta que a primeira-ministra admitiu que não tem o apoio suficiente para aprovar o acordo, podia aceitar que o acordo dela está morto e que a Câmara não deveria desperdiçar tempo a dar a mesma resposta pela terceira vez”, afirmou Corbyn.

O líder trabalhista exigiu um “plano B” e defendeu ser altura de o “parlamento ganhar o controlo” do processo, prometendo o apoio do principal partido da oposição a uma proposta para forçar um debate na quarta-feira sobre alternativas à estratégia do governo.

Corbyn disse ter participado em discussões interpartidárias “para encontrar um caminho em frente”, acrescentando: “Eu acredito existir apoio nesta Câmara para um acordo baseado numa alternativa que proteja empregos, a economia através de uma união aduaneira e acesso total ao mercado único e que nos permite continuar a beneficiar da participação em agências vitais e medidas de segurança”.

Se o governo não concordar com uma alternativa determinada pelos deputados, pois os “votos indicativos” não têm caráter vinculativo, o partido Trabalhista vai aprovar “medidas para uma votação pública que impeça uma saída sem acordo ou um acordo caótico“.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Trump garante que ganharia a guerra com o Afeganistão numa semana. "O país desaparecia em 10 dias”

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, garantiu esta segunda-feira, na Casa Branca, que ganharia a guerra com o Afeganistão, que dura desde 2001, em apenas "uma semana". "Poderia vencer essa guerra numa semana. Só …

Pedrógão. Misericórdias juntam-se a processo sobre reconstrução de casas

A União das Misericórdias Portuguesas (UMP) vai ser assistente no processo crime sobre as irregularidades na reconstrução de casas em Pedrógão Grande. O Ministério Público alega que várias entidades foram enganadas por autarcas. Há sensivelmente um …

Oficial: Carrillo deixa Benfica e assina por quatro épocas com Al Hilal

O futebolista internacional peruano, que estava vinculado ao Benfica, foi contratado pelo Al Hilal para as próximas quatro épocas. "O contrato de Andre Carrilo é de quatro anos. A assinatura decorreu no local de estágio da …

Temperaturas de 37ºC, trovoadas e granizo deixam alguns concelhos sob aviso

Os distritos de Bragança, Guarda e Vila Real estão, esta terça-feira, sob aviso laranja devido à previsão de aguaceiros, trovoada e granizo. Segundo a informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), Norte …

Espanha em risco de novas eleições. Sánchez falha acordo para formar Governo

Os planos de Pedro Sánchez para formar governo parecem estar a desmoronar-se. O PSOE ainda não chegou a acordo com o Unidas Podemos e a abstenção do PP e do Ciudadanos parece longe de se …

Boris Johnson vai ser o novo primeiro-ministro britânico

Boris Johnson é o novo líder do Partido Conservador. O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros foi o mais votado as eleições internas. Os resultados foram conhecidos na manhã desta terça-feira, depois de semanas de votações entre …

INEM levou quatro horas a socorrer ferido grave em Vila de Rei

O INEM levou quatro horas a socorrer o ferido mais grave do incêndio de Vila de Rei, em Castelo Branco, que deflagrou este sábado, avança o Jornal de Notícias esta terça-feira na sua edição impressa. …

Publicidade a iogurtes, cereais e chocolates vai ser (quase) extinta

A guerra ao açúcar em Portugal vai provocar uma grande redução na publicidade dirigida a menores de muitos iogurtes, cereais de pequeno almoço e chocolate. Entre os produtos que vão deixar de ser publicitados junto a …

Sindicatos chegam a acordo com Transtejo e Soflusa e equacionam levantar greve

Os sindicatos dos trabalhadores da Transtejo e Soflusa aceitaram, esta segunda-feira, um aumento de 28 euros para todas as categorias, incluindo a dos mestres, comprometendo-se a levantar a greve caso os trabalhadores aprovem a decisão. "A …

Cavaco Silva avisou, mas Sócrates recusou alterar acordo que favorece Berardo

Cavaco Silva alertou José Sócrates para os benefícios que o seu Governo concedeu a Joe Berardo para instalar a sua coleção no Centro Cultural de Belém (CCB), mas o ex-primeiro-ministro recusou alterar o acordo que …