Marega: “Senti-me como uma merda. Foi uma grande humilhação”

Hugo Delgado / Lusa

Em entrevista à rádio francesa RMC, Moussa Marega desabafou sobre o episódio do jogo de domingo e disse que sentiu “uma merda” e que “foi uma grande humilhação”.

O caso de Marega no jogo de domingo, entre FC Porto e Vitória de Guimarães, ganhou proporções inesperadas e já percorre toda a imprensa internacional. O episódio reforçou a necessidade da erradicação do racismo não só do futebol português, mas também do futebol mundial.

Esta segunda-feira, Moussa Marega falou à rádio francesa RMC sobre o que se passou e aquilo que o levou a abandonar o campo num encontro contra uma equipa “que sempre respeitou”.

Senti-me, verdadeiramente, como uma merda. Foi uma grande humilhação para mim, tocou-me muito. Recebi muitas mensagens de apoio, de todo o lado, que me deram uma força incrível. Agradeço, desde já, a todas essas pessoas”, começou por dizer o jogador portista.

O internacional maliano também aproveitou para defender os colegas de equipa que alguns criticam por terem tentado evitar que este abandonasse o campo. Marega explica que os seus parceiros ficaram “chocados” e que a primeira reação deles foi tentar acalmá-lo.

Um dos mais críticos aos jogadores do FC Porto foi o ex-futebolista Shaun Wright-Phillips. Em declarações à Sky Sports, o britânico acusou os companheiros de equipa de Marega de não terem apoiado a sua decisão de abandonar o campo.

“Pessoalmente, se abandonar o relvado com os meus companheiros de equipa, estou disposto a dar o peito às balas e a colocar a minha fé neles. Não desejaria nada mais em troca”, disse Wright-Phillips.

“Se isso acontecesse e sentisse a necessidade de abandonar o relvado, esperaria que os meus companheiros de equipa me apoiassem. Mas eles pareceram não o fazer, o que foi bastante doloroso de ver, especialmente para ele. Não consigo imaginar quão sozinho ele se terá sentido naquele momento”, acrescentou.

https://twitter.com/TeamDugaRMC/status/1229463541268307968

Questionado sobre o que gostaria que tivesse acontecido após serem ouvidos os cânticos racistas, Marega admitiu que gostava que a partida tivesse sido interrompida. “É certo que o jogo deveria ter sido interrompido. Esperava que tivesse havido uma reação forte da parte dos árbitros, espero que haja um gesto forte da parte da Liga”, atirou.

“O que me choca mais é que, sinceramente, nunca imaginei que isto pudesse acontecer em Guimarães. Sempre respeitei o clube e os adeptos. Passei a época de 2014/15 com eles. Fomos à final da Taça de Portugal, qualificámo-nos para a Liga Europa e foi a melhor época da história do clube. Dei tudo pelo clube e sempre os respeitei totalmente. O que aconteceu chocou-me, porque sempre pensei que este clube tem bons princípios”, disse, citado pela Tribuna Expresso.

Relativamente às declarações do presidente vimaranense, que disse não se ter apercebido dos insultos racistas dirigidos a Moussa Marega, o atleta dos ‘azuis e brancos’ foi assertivo e considerou ser uma parvoíce.

É uma parvoíce. Em primeiro lugar, não conheço de todo este presidente. O facto de ele ser novo… Ele fará tudo para ter os adeptos do seu lado. Acho que ele não seria honesto com eles. Se ele for esperto o suficiente, perceberá… Porque haveria eu de mostrar a cor da minha pele quando marquei? Não foi a primeira vez que marquei contra o Vitória de Guimarães. Porque iria mostrar a cor da minha pele? Como eu disse, começou durante o aquecimento e continuou durante todo o jogo”, explicou o avançado.

Vitória vai colaborar com a PSP

A PSP já tinha confirmado que estava a tentar identificar os adeptos suspeitos da autoria dos insultos racistas e xenófobos, que constituem infrações criminais e contraordenacionais. O Código Penal prevê uma pena de prisão de seis meses a cinco anos.

“A prática de atos ou o incitamento à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nos espetáculos desportivos”pode também ser punida com uma multa entre 1.000 e 10.000 euros.

O Vitória de Guimarães anunciou esta segunda-feira que vai colaborar com Polícia de Segurança Pública e Procuradoria-Geral da República para identificar os responsáveis dos atos racistas contra Marega.

“Em face das posições publicamente assumidas pela Polícia de Segurança Pública e pela Procuradoria-Geral da República, o Vitória reitera a sua total disponibilidade para colaborar ativamente na identificação dos verdadeiros responsáveis pela ocorrência de racismo ou discriminação no Estádio D. Afonso Henriques, para o que apela ainda à cooperação dos seus adeptos e associados”, lê-se no comunicado publicado no sítio oficial.

O clube vincou ainda a “intenção de se constituir assistente no âmbito dos processos desencadeados pelas autoridades judiciais competentes”, tendo ainda confirmado a “disponibilização das imagens do sistema CCTV do recinto desportivo”, que “não se avariou e se mantém em bom estado de funcionamento”.

O Vitória de Guimarães frisou ainda que “o racismo é um ato de traição à fundação do clube”, perante o qual, acrescentou, o clube e os seus adeptos serão “verdadeiramente implacáveis”, mas criticou as “declarações simplistas de repúdio e censura seletivas” de “entidades com responsabilidade governativa” sobre um problema de “dimensão nacional”, que “se repete há vários anos em diversos estádios”.

“Não é admissível pretender que o Vitória vista a ‘pele de lobo’ defronte um problema social que já conheceu condenações efetivas no plano desportivo nacional e internacional, contando embora com o silêncio e a parcimónia de todos os órgãos e entidades que agora prontamente se pronunciaram. São conhecidos os casos de racismo, de glorificação da morte, de homicídio, de violência e de discriminação no futebol português, todos sem a indignação correspondente”, lê-se.

O Vitória disse ainda ter sido alvo de uma “gravosa desconsideração institucional pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional”, por ter ignorado “a posição de censura e a condenação sobre os acontecimentos em causa” que o clube fez, ao mesmo tempo que divulgou as posições dos restantes clubes nas redes sociais.

O clube de Guimarães considerou ainda necessária a “promoção de um desporto igual e universal, sem lugar nem tempo para a violência, racismo, xenofobia, intolerância ou discriminação, ao lado de todos e com todos”.

O racismo no futebol não é nada de novo e continua a manchar alguns dos campeonatos mais prestigiados do mundo. Desde Shade Pratt, a jogador do Sporting de Braga alvo de insultos racistas, a Taison, que foi insultado e acabou por fazer um gesto idêntico a Marega, os casos multiplicam-se no mundo do futebol.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O Jogador Daniel Alves tirou e tiraria isso de letra. O principal atributo de um jogador não é só um bom preparo físico, o emocional também.

RESPONDER

Ministro da Educação promete mais testes no regresso às aulas. Professores alertam para incumprimento das regras de segurança

O regresso dos alunos do secundário é marcado pela testagem de 300 mil estudantes, professores e funcionários, depois da vacinação de quase 200 mil trabalhadores escolares num "fim de semana para ganhar coragem", anunciou esta …

Propostas anticorrupção serão aprovadas “muito em breve”

O Governo garante que já não falta muito para entregar suas propostas no parlamento, depois de Marcelo Rebelo de Sousa vincar que espera que seja em breve que os partidos cumpram as promessas de fazer …

Estalou o verniz no PS/Porto. Autarca de Paços de Ferreira recusa recandidatar-se com "este PS concelhio"

Estalou o verniz no PS/Porto. O presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, Humberto Brito, declarou que não aceitará recandidatar-se ao cargo pela terceira vez “com este PS” concelhio. De acordo com o jornal Público, …

Pode ter sido descoberto um "elo perdido" na história do alfabeto

Uma inscrição alfabética num fragmento de um jarro encontrado em Laquis (Tel Lachish), em Israel, com cerca de 3450 anos, poderá ser um "elo perdido" na história do alfabeto. "Datada do século XV A.C., esta inscrição …

Morreu Walter Mondale, ex-vice-presidente de Jimmy Carter

O ex-vice-presidente dos Estados Unidos Walter Mondale, ícone do Partido Democrata, morreu nesta segunda-feira aos 93 anos, informou a imprensa norte-americana. A imprensa, que cita um comunicado familiar, não especifica as causas da morte do ex-vice-presidente …

Vão nascer mais duas praias fluviais no Alqueva este verão

A albufeira do Alqueva vai “ganhar” duas novas praias fluviais, no próximo verão, situadas nos concelhos de Alandroal e Portel, no distrito de Évora, num investimento global superior a um milhão de euros. O projeto da …

Nova ponte que vai ligar Porto e Gaia custa 21 milhões e terá oito acessos

A obra da nova ponte rodoviária sobre o Douro custará 21 milhões de euros, oito dos quais em acessos, e o projeto de conceção e construção será lançado "muito em breve", disse o autarca …

A tinta mais branca de sempre pode ajudar na luta pelo clima

A tinta mais branca já desenvolvida até agora reflete 98.1% da luz, podendo ser uma boa aliada no combate às alterações climáticas. No ano passado, uma equipa de cientistas desenvolveu uma tinta ultra-branca que atingiu uma …

Dois milhões com primeira dose esta terça-feira. Centros de vacinação precisam de mais 1.700 profissionais

Portugal deve atingir nesta terça-feira a marca dos dois milhões de pessoas vacinadas com a primeira dose de vacina contra a covid-19, adiantou esta segunda-feira a task force responsável pelo plano de vacinação. "Estima-se que, até …

Governo quer renovar contrato do SIRESP por seis meses (mas Altice recusa-se)

O Ministério da Administração Interna vai reunir-se esta terça-feira com a Altice, a quem iria propor uma renegociação e renovação por mais seis meses do contrato que assegura o Sistema Integrado das Redes de Emergência …