“Maratonas de séries” afetam a qualidade do sono

(dr) Netflix

Desde a popularização dos serviços de streaming como o Netflix, que “fazer maratonas” de séries – ou seja, assistir a vários episódios seguidos de uma série de uma só vez – tornou-se algo bastante comum. No entanto, a prática pode deixar as pessoas cada vez mais alerta, prejudicando a qualidade do sono.

De acordo com um estudo publicado recentemente no Journal of Clinical Sleep Medicine, a prática de fazer “maratonas de séries” pode deixar as pessoas cada vez mais alerta, prejudicando a qualidade do sono.

Para investigar os hábitos de entretenimento dos jovens e as suas relações com o sono, investigadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, entrevistaram 423 pessoas entre os 18 e 25 anos, durante um mês, sobre o uso de dispositivos móveis, televisão e computador.

A maioria dos estudantes, cerca de 80%, assumiu que já fez maratonas de séries, e 40% disseram tê-lo feito recentemente, durante o próprio período lectivo – entre os quais, 28% mais de uma vez e 7% quase todos os dias.

Quanto à frequência e duração dessas maratonas, os homens disseram fazê-lo menos vezes do que as mulheres, mas viram quase o dobro de episódios por sessão.

Já sobre a qualidade do sono, os participantes dormiam, em média, 7h37m por noite – mas mesmo assim, os que costumam fazer maratonas com mais frequência mostraram maior cansaço e pior qualidade do sono comparados com os que não fazem maratonas.

A razão para isso, segundo os investigadores, é o estado de alerta causado pelos episódios, que se mantém mesmo após o fim da sessão e que afecta o sono.

“O enredo destas séries tende a prender os espectadores, que se envolvem intensamente com o conteúdo e continuam normalmente a pensar na série quando vão dormir”, explica Liese Exelmans, principal autora do estudo, ao Science Daily.

Muitas vezes essa vontade de continuar a ver a série é intencional. Segundo os cientistas, as pessoas ficam tão absorvidas no enredo que não percebem que o “só mais um episódio” é repetido diversas vezes.

Isso atrasa o sono ou, por outras palavras, requer um período mais longo para “arefecer a mente” antes de ir dormir, afectando o sono em geral”, explicou Liese. “As pessoas podem não querer ver muitos episódios, mas acabam por fazê-lo de qualquer forma.”

PARTILHAR

RESPONDER

Morreu Rogério "Pipi", histórico jogador do Benfica

O ex-futebolista internacional português, que se evidenciou ao serviço do Benfica nas décadas de 40 e 50 do século passado, morreu este domingo, um dia depois de completar 97 anos. "Foi com profunda tristeza e pesar …

Milhares de manifestantes voltam às ruas de Hong Kong

A polícia de Hong Kong deteve, este domingo, onze pessoas e apreendeu várias armas, incluindo uma pistola, pouco antes do início de uma manifestação convocada para a cidade, para a qual se espera uma forte …

Irão e Estados Unidos trocam prisioneiros

Irão e Estados Unidos realizaram, este sábado, uma troca de prisioneiros que envolveu a troca de um investigador sino-americano por um cientista iraniano detido pelos EUA, num avanço diplomático que surge após meses de tensão …

Coreia do Norte anuncia "teste muito importante" em local de lançamento de mísseis

A Coreia do Norte anunciou ter realizado um "teste muito importante" no local de lançamento de mísseis de longo alcance, defendendo que terá um efeito fundamental na futura posição estratégica do país. A Agência Central de …

Balas que assassinaram John F. Kennedy preservadas em modelo 3D

A partir do próximo ano, os Arquivos Nacionais dos Estados Unidos vão disponibilizar, no seu catálogo online, imagens 3D das balas que assassinaram o antigo presidente norte-americano John F. Kennedy. Para criar os modelos das …

Pela primeira vez, neurónios artificiais foram criados para curar doenças crónicas

Uma equipa de investigadores conseguiu recriar as propriedades biológicas dos neurónios em chips, que podem ser úteis ajudar na cura de doenças neurológicas crónicas. Naquele considerado um feito única na ciência, investigadores da Universidade de Bath …

Cientistas encontram uma relação negativa "muito forte" entre inteligência e religiosidade

Uma equipa de investigadores sugere que pessoas religiosas tendem a ser menos inteligentes do que pessoas sem crenças religiosas. O estudo tem gerado uma grande controvérsia. A religião é um tema forte, capaz de juntar ou …

Descoberta nova espécie de tubarão pré-histórico que podia chegar aos sete metros

Uma nova espécie de tubarão pré-histórico foi descoberta no Kansas, nos Estados Unidos. Este predador podia crescer até quase sete metros de comprimento. De acordo com a revista Newsweek, Kenshu Shimada, da Universidade DePaul, e Michael …

Conhecido medicamento para diabetes pode conter um carcinógeno

A Food and Drug Administration, agência federal e reguladora do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, está a testar amostras de metformina, um medicamento para diabetes que pode conter o carcinógeno N-Nitrosodimetilamina …

Nobel da Física diz que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra

Didier Queloz disse, este sábado, estar convencido de que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra, razão pela qual está "zangado" com alguns argumentos do cofundador da Tesla, Elon Musk. Os suíços …