O Mar dos Sargaços evoluiu de um berçário natural para uma tóxica “zona morta”

Mudanças dramáticas causadas pelo Homem no cocktail químico do sargaço transformaram este organismo vivo num habitante de uma tóxica “zona morta”.

O Mar dos Sargaços é uma região no meio do Atlântico Norte, cercada por correntes oceânicas. Durante vários séculos, o sargaço cresceu nas águas cheias de nutrientes do Oceano Atlântico Norte, apoiado por fontes naturais de nutrientes, como peixes e excreções de invertebrados, afloramentos e fixação de nitrogénio.

Usando uma linha de base histórica única da década de 1980 e comparando-a com amostras recolhidas desde 2010, cientistas da Florida Atlantic University descobriram mudanças dramáticas na química e na composição do sargaço, transformando este organismo vivo num habitante de uma tóxica “zona morta”.

Segundo o EurekAlert, a investigação sugere que o aumento da disponibilidade de nitrogénio de fontes naturais e antropogénicas, incluindo águas residuais, estimula a proliferação do sargaço e transforma o habitat crítico em florações de algas prejudiciais com impactos catastróficos nos ecossistemas, costas, economias e saúde humana.

A comparação dos dados mostra que a percentagem de nitrogénio (N) aumentou significativamente (35%), ao mesmo tempo que se verificou uma diminuição na percentagem de fósforo (42%) no tecido de sargaço da década de 1980 a 2010.

A maior mudança foi a razão nitrogénio:fósforo (N:P), que aumentou significativamente (111%). As relações carbono:fósforo (C:P) também aumentaram de forma semelhante (78%).

Devido às emissões antropogénicas de óxidos de nitrogénio (NOx), a taxa de deposição de NOx é, aproximadamente, cinco vezes maior do que a da era pré-industrial, em grande parte devido à produção de energia e queima de biomassa.

Por outro lado, a produção de nitrogénio de fertilizantes sintéticos aumentou nove vezes, enquanto a produção de fosfato triplicou desde a década de 1980, contribuindo para um aumento geral na proporção de nitrogénio para fósforo.

“O recém-formado Grande Cinturão de Sargaço do Atlântico pode ser sustentado por entradas de nitrogénio e fósforo de uma variedade de fontes, incluindo descargas dos rios Congo, Amazonas e Mississippi, afloramentos na costa de África, mistura vertical, ressurgência equatorial, deposição atmosférica de poeira do Saara e queima de biomassa da vegetação na África Central e do Sul”, enumerou o investigador Brian Lapointe.

“Dado os efeitos negativos que o Grande Cinturão de Sargaço do Atlântico está a ter nas comunidades costeiras da África, Caraíbas, Golfo do México e Sul da Florida, são urgentemente necessárias mais investigações para informar melhor a tomada de decisão da sociedade em relação à mitigação e adaptação das várias causas terrestres, oceânicas e atmosféricas das proliferações de sargaço”, acrescentou.

O artigo científico foi publicado a 24 de maio na Nature Communications.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Iniciativa Liberal apoia recandidatura de Rui Moreira à Câmara do Porto

A Iniciativa Liberal vai apoiar a recandidatura de Rui Moreira à Câmara do Porto nas próximas eleições autárquicas, considerando “inquestionável a mudança e o desenvolvimento” da cidade desde que o independente assumiu a presidência do …

Comissária europeia diz que variante Delta “diminui” proteção da vacina

A comissária europeia para a Saúde disse esta terça-feira que estão a surgir provas que demonstram que a variante Delta do coronavírus SARS-CoV-2 “diminui a força do escudo protetor” criado pelas vacinas, instando à aceleração …

DGS diz que demora de conclusões sobre eventos-piloto não é por erro técnico

A Direção-Geral da Saúde (DGS) rejeitou, esta terça-feira, que tenha havido erro técnico no tratamento de dados dos eventos-piloto da Cultura, ocorridos em abril e maio, mas admitiu que o processo está demorado. Numa declaração enviada …

Governo quer fazer alterações na duração de cargos de dirigentes

As mudanças que estão a ser preparadas passam por reduzir a duração dos cargos em substituição e, por outro lado, pelo ajustamento do período das comissões do serviço em função da avaliação. Segundo o Jornal de …

Responsável pelas manifestações em Lisboa é coordenador no Gabinete de Apoio à Presidência da CML

O responsável pelas manifestações na cidade de Lisboa é coordenador técnico no Gabinete de Apoio à Presidência da Câmara liderada por Fernando Medina. De acordo com o semanário Expresso, António Santos tem sido, nos últimos …

Sporting e Braga jogam Supertaça em Aveiro no dia 31 de julho

A Supertaça Cândido Oliveira, que vai ser disputada entre Sporting e Sporting de Braga, vai ser disputada em Aveiro, a 31 de julho, anunciou a Federação Portuguesa de Futebol (FPF). "A decisão da Supertaça Cândido de …

Um quarto da população portuguesa já tem a vacinação completa

Em Portugal, 42% das pessoas já receberam a primeira dose de uma vacina contra a Covid-19 e 25% — cerca de um quarto da população — estão completamente vacinados. De acordo com o mais recente relatório …

Cardiologista do Tottenham admite ponto final na carreira de Eriksen

O cardiologista do Tottenham, Sanjay Sharma, admite um ponto final na carreira de Christian Eriksen, que caiu inanimado no jogo entre a Dinamarca e a Finlândia. O encontro entre Dinamarca e Finlândia, da primeira jornada do …

ARS Norte conta avançar com recuperação de consultas em atraso ainda este mês

A Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte conta avançar durante este mês com o programa especial de incentivos financeiros para recuperação de consultas presenciais nos cuidados de saúde primários (CSP), propondo-se recuperar metade da …

Cristiano Ronaldo no Euro 2020

"Rei do Euro". Ronaldo fez história na Hungria (e ainda vai durar "mais uns 3 aninhos")

Cristiano Ronaldo marcou dois dos golos de Portugal na vitória frente à Hungria por 3-0, na estreia da Selecção no Euro 2020, e tornou-se no melhor marcador de sempre dos Campeonatos Europeus de futebol. Aos …