Mar engoliu 5 ilhas do Pacífico (e é só o princípio do que aí vem)

ravilacoya / flickr

Ilha de Matema, nas Ilhas Salomão, em Junho de 2012.

Cinco ilhas do arquipélago das Ilhas Salomão, no Oceano Pacífico, desapareceram totalmente, engolidas pelo mar, e muitas outras correm o mesmo risco de se “afundarem” nas águas.

Um novo estudo que prevê que os efeitos das alterações climáticas se vão sentir, a breve prazo, em todo o planeta.

Este estudo, feito por investigadores da Universidade de Queensland, na Austrália, e publicado na Environmental Research Letters, contabiliza seis ilhas com “erosão severa” e cinco completamente afundadas no arquipélago situado a norte da Austrália, composto por mais de mil ilhas.

Estas ilhas que desapareceram no mar não eram habitadas e estavam “densamente vegetadas com floresta tropical”, “palmeiras de cocos, mangais, pândanos”, explica o engenheiro civil Simon Albert, um dos investigadores envolvidos no estudo, em declarações ao jornal The Washington Post.

Delas restam agora, os troncos das árvores mortas, como esqueletos fúnebres da sua existência, a pairarem acima da água.

A ilha Nuatambu, a única habitada entre as que foram alvo da pesquisa, já perdeu, desde 2011, “mais de metade da sua área habitável, com 11 casas levadas pelo mar”, regista Simon Albert num artigo que assinou em co-autoria no site The Conversation.

As cerca de 25 famílias que vivem em Nuatambu estão a construir paredes de pedra, à mão, na tentativa de estancar as águas, mas os investigadores apontam que é “improvável” que isso ajude a “atrasar a erosão”.

O estudo teve por base os registos dos níveis do mar, modelos de ondas e imagens de satélite e aéreas, desde 1947 até 2015, para proceder a uma avaliação da subida do nível das águas em 33 ilhas do arquipélago. Foi assim, que se chegou à conclusão de que, na zona das Ilhas Salomão, as águas estão a subir a uma média de sete a 10 milímetros por ano, o que constitui “três vezes mais do que a média global”, aponta Simon Albert.

Na zona norte, onde as ondas são mais fortes, verificaram que 21 das ilhas sofreram mais “fortemente a perda comparativamente com outras ilhas mais abrigadas”. Nas outras 12 ilhas, alvo de menor energia das ondas, constataram uma “mudança pouco visível na costa, apesar de expostas a uma subida do nível do mar semelhante”.

No entanto, nem só as Ilhas Salomão estão a sentir dramaticamente os efeitos das alterações climáticas, com inundações cada vez mais frequentes. Se o ritmo do aquecimento global continuar nesta toada, cerca de 760 milhões de pessoas podem perder as suas casas para o mar, nos próximos anos, vaticina-se no The Washington Post.

O Painel Internacional Para as Alterações Climáticas prevê que a média de subida do mar atinja os cinco milímetros por ano na segunda metade deste século, o que transforma as Ilhas Salomão numa espécie de “laboratório natural que nos dá uma boa indicação do que podemos esperar globalmente”, aponta Simon Albert em declarações à CNN.

O investigador não duvida que “o que estamos a ver ali vai tornar-se a norma”.

SV, ZAP

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Aposta no Parlamento. 10% dos deputados são candidatos às autárquicas

De acordo com as contas do semanário Expresso, 23 deputados da Assembleia da República, ou seja, 10% dos 230 que compõem o hemiciclo, são candidatos às eleições autárquicas do outono. Na quinta-feira, foi aprovado na generalidade …

Relógio japonês parado pelo terramoto de 2011 volta a funcionar novamente (graças a outro sismo)

Um relógio japonês com 100 anos de idade que deixou de funcionar depois do devastador terramoto de 2011 voltou a trabalhar após um novo sismo este ano. De acordo com o jornal Maunichi Shumbun, o relógio, …

Ventura tem "receio" que partido seja ilegalizado

Este domingo, o Chega vai organizar uma manifestação contra a ilegalização do partido. André Ventura admitiu ter um "receio muito significativo". O Observador avança que a manifestação tem início no Príncipe Real, passa pelo Tribunal Constitucional …

Três mortos e 441 novos casos em Portugal

Este domingo, Portugal regista mais três mortes e 441 novos casos de infeção, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde, o país …

Grande Crise do Ketchup. A pandemia atacou um mercado improvável (e já há um mercado negro para o molho)

Os problemas da cadeia de suprimentos estão a chegar a um canto distante do universo empresarial: os pacotes de ketchup. O ketchup é o molho de mesa mais consumido nos restaurantes dos Estados Unidos, com cerca …

Autoridades brasileiras ilibam João Loureiro

João Loureiro já não é suspeito no processo que envolve a apreensão de um avião com 500 quilos de cocaína, segundo as autoridades brasileiras. As autoridades brasileiras descartaram, este sábado, qualquer ligação do advogado português João …

No Canadá, há dois rios que se encontram (mas não se misturam)

Em Nunavut, no Canadá, há dois rios que se encontram, mas não perdem a sua aparência individual enquanto se movem sinuosamente pela tundra. O Back River flui para o norte em direção ao Oceano Ártico. Ao …

Russos acusados de explosão na República Checa são suspeitos de envenenar Skripal

Os dois suspeitos russos, envolvidos na explosão que matou duas pessoas em 2014 na República Checa, têm os mesmos passaportes que os dois homens acusados de envenenar, com o agente nervoso novichok, o espião Sergei …

Numa cidade na Nova Zelândia, a Páscoa resume-se a exterminar coelhos

Em Alexandra, na região de Otago, os coelhos são considerados pragas, uma espécie que ameaça a biodiversidade do país e a agricultura. Elle Hunt, correspondente do The Guardian em Auckland, na Nova Zelândia, escreveu um artigo …

Reavaliação de barragens da EDP ficou por fazer, depois de Governo ter recuado na decisão

No início do ano passado, o ministério do Ambiente considerou ser necessário reavaliar as barragens da EDP, mas a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Parpública disseram não ter competências para fazer a avaliação …