Mar engoliu 5 ilhas do Pacífico (e é só o princípio do que aí vem)

ravilacoya / flickr

Ilha de Matema, nas Ilhas Salomão, em Junho de 2012.

Cinco ilhas do arquipélago das Ilhas Salomão, no Oceano Pacífico, desapareceram totalmente, engolidas pelo mar, e muitas outras correm o mesmo risco de se “afundarem” nas águas.

Um novo estudo que prevê que os efeitos das alterações climáticas se vão sentir, a breve prazo, em todo o planeta.

Este estudo, feito por investigadores da Universidade de Queensland, na Austrália, e publicado na Environmental Research Letters, contabiliza seis ilhas com “erosão severa” e cinco completamente afundadas no arquipélago situado a norte da Austrália, composto por mais de mil ilhas.

Estas ilhas que desapareceram no mar não eram habitadas e estavam “densamente vegetadas com floresta tropical”, “palmeiras de cocos, mangais, pândanos”, explica o engenheiro civil Simon Albert, um dos investigadores envolvidos no estudo, em declarações ao jornal The Washington Post.

Delas restam agora, os troncos das árvores mortas, como esqueletos fúnebres da sua existência, a pairarem acima da água.

A ilha Nuatambu, a única habitada entre as que foram alvo da pesquisa, já perdeu, desde 2011, “mais de metade da sua área habitável, com 11 casas levadas pelo mar”, regista Simon Albert num artigo que assinou em co-autoria no site The Conversation.

As cerca de 25 famílias que vivem em Nuatambu estão a construir paredes de pedra, à mão, na tentativa de estancar as águas, mas os investigadores apontam que é “improvável” que isso ajude a “atrasar a erosão”.

O estudo teve por base os registos dos níveis do mar, modelos de ondas e imagens de satélite e aéreas, desde 1947 até 2015, para proceder a uma avaliação da subida do nível das águas em 33 ilhas do arquipélago. Foi assim, que se chegou à conclusão de que, na zona das Ilhas Salomão, as águas estão a subir a uma média de sete a 10 milímetros por ano, o que constitui “três vezes mais do que a média global”, aponta Simon Albert.

Na zona norte, onde as ondas são mais fortes, verificaram que 21 das ilhas sofreram mais “fortemente a perda comparativamente com outras ilhas mais abrigadas”. Nas outras 12 ilhas, alvo de menor energia das ondas, constataram uma “mudança pouco visível na costa, apesar de expostas a uma subida do nível do mar semelhante”.

No entanto, nem só as Ilhas Salomão estão a sentir dramaticamente os efeitos das alterações climáticas, com inundações cada vez mais frequentes. Se o ritmo do aquecimento global continuar nesta toada, cerca de 760 milhões de pessoas podem perder as suas casas para o mar, nos próximos anos, vaticina-se no The Washington Post.

O Painel Internacional Para as Alterações Climáticas prevê que a média de subida do mar atinja os cinco milímetros por ano na segunda metade deste século, o que transforma as Ilhas Salomão numa espécie de “laboratório natural que nos dá uma boa indicação do que podemos esperar globalmente”, aponta Simon Albert em declarações à CNN.

O investigador não duvida que “o que estamos a ver ali vai tornar-se a norma”.

SV, ZAP

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Cientistas reverteram principal sintoma da esquizofrenia em camundongos

Um medicamento que está atualmente a ser desenvolvido para tratar a leucemia reverteu (em camundongos) um sintoma de esquizofrenia anteriormente intratável: o enfraquecimento da memória de trabalho. A memória de trabalho é um processo cerebral fundamental usado …

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …

Cientistas observaram pela primeira vez porcos a usar ferramentas

Uma equipa de cientistas registou pela primeira vez uma família de javalis das Visayas, num jardim zoológico em Paris, a usar paus para cavar e construir ninhos. Os porcos não gostam só de chafurdar na lama …

Transição verde: o mundo tem muito a aprender com uma pequena cidade na Islândia

Uma pequena cidade no norte da Islândia tornou-se quase neutra em dióxido de carbono (CO2). Uma equipa de cientistas viajou até ao país insular nórdico para descobrir como podemos aprender com esta cidade. Atualmente, as cidades …

Adolfo Mesquita Nunes não será candidato à liderança do CDS

Adolfo Mesquita Nunes anunciou este domingo que não será candidato à liderança do CDS. A garantia foi deixada pelo próprio, na sua página pessoal de Facebook, depois de ter sido desafiado por António Pires de …

Afastado desde a noite eleitoral, Rui Rio volta para lançar suspeitas sobre a RTP

Afastado dos holofotes desde a noite eleitoral e sem dizer se se vai recandidatar à liderança do PSD, Rui Rio recorreu ao Twitter para comentar as suas suspeitas sobre a RTP. O líder social-democrata recorreu às …