/

Maiores goleadores (mas com média de golos por jogo): Cristiano 9.º, Eusébio 2.º

3

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Análise “à americana” deixa Josef Bican na liderança do top-10 mas com outro português a ganhar no aproveitamento. Cristiano Ronaldo desce sete posições.

Depois de ter reaparecido a discussão sobre o melhor futebolista de sempre, quando Maradona morreu, surgiram nos últimos dias vários artigos e diversas análises com contas sobre o maior goleador de sempre no futebol.

O “culpado” é Cristiano Ronaldo que, ao bisar na vitória (4-1) da Juventus diante da Udinese, atingiu os 758 golos na carreira, ultrapassando os 757 golos de Pelé. O português passou a estar no segundo lugar desta lista, que é liderada por Josef Bican, com 805 golos.

Estes números não são iguais em todo o lado. Sobretudo por causa dos golos de Pelé (que, segundo o próprio, marcou 1.283 vezes) e de Bican (que sobem aos 1.468 se incluirmos os jogos não oficiais, segundo a FIFA).

Josef Bican nasceu no Império Austro-Húngaro em 1913 e jogou enquanto sénior durante 24 anos. Os registos entre 1931 e 1955 não são os mesmos do século XXI. Por isso, há algumas dúvidas à volta dos números do goleador, que brilhou no Slavia Praga ao longo de mais de uma década. E convém reforçar um aspeto: Bican marcou muitos golos enquanto muitos jovens da sua idade deixaram de jogar futebol por estarem na II Guerra Mundial.

Esta é a lista dos 10 maiores goleadores de sempre no futebol:

No entanto, se optarmos por uma contabilidade diferente, que por exemplo é prioritária no desporto da América do Norte (os adeptos portugueses da NBA deverão saber), ou seja, se olharmos para as médias de golos por jogo, a lista é outra.

Vamos ter em conta o número de golos de cada futebolista mas também o número de partidas que cada um disputou.

E aí, o cenário muda no top-10: Bican continua a ser o líder (de longe) e, de facto, o segundo classificado é português… Eusébio. Cristiano Ronaldo desce para o novo lugar. Uwe Seeler, que não aparece na tabela acima, surge agora no pódio; saiu Ferenc Deák, por não haver certezas em relação ao número de jogos que o húngaro realizou.

Se deixarmos o top-10 e olharmos para os jogadores que marcaram, no mínimo, 500 golos, o líder do aproveitamento é Fernando Peyroteo. A figura do Sporting apontou 559 golos em 354 jogos: uma média de 1,58 golos por jogo.

  Nuno Teixeira, ZAP //

3 Comments

  1. Esta história das estatísticas está uma grande confusão.
    Há um ano atrás, por ocasião do golo 700 do Ronaldo, aqui o próprio Zap publicava uma lista onde o Pelé tinha 757 golos, o Romário 758 e o Bican tinha 762.
    Depois quando o Ronaldo ultrapassou o Puskas, saiu uma lista onde o Pelé tinha 767, o romário 772 e o Bican 805.
    Agora temos esta onde o Romário passou para trás do Pelé.
    Além disso temos o Deak e o Túlio no top 10 com 545 e 546 golos.
    Mas o Peyroteo, que tem 559 não aparece neste Top 10.
    Cada notícia que sai lança mais confusão.

  2. Uma equação simples. Mais golos é quantidade, média é qualidade, o resto é conversa de marketing. Já o sabia, nunca tive qualquer dúvida, Eusébio era de outro planeta, um super-atleta, sem aditivos nem conservantes, foi o que a natureza criou. Eusébio sofreu seis ou sete intervenções cirúrgicas, todas do joelho para baixo – perdeu mais de ano e meio em recuperações pós operatórias – o que demonstra o tipo de jogador que era, só à patada o paravam. Resumindo, o futebol atual está povoado de ignorantes e interesseiros “vão na onda”.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.