Os sinais da maior extinção em massa do nosso planeta estão a acontecer de novo

De acordo com uma nova pesquisa alemã, diversos sinais de alerta que ocorreram antes do maior evento de extinção em massa da história estão-se a repetir nos dias de hoje.

A Terra já passou por cinco eventos de extinção em massa, sendo que o maior foi a extinção do Permiano-Triássico, há 252 milhões de anos. Esse evento marcou o fim do período Permiano e o início do Triássico, e matou 96% de toda a vida marinha e até 70% de toda a vida terrestre.

Enquanto as extinções em massa não acabam com a vida totalmente, alteram o curso de como a vida se desenvolve. Sem a extinção dos dinossauros, por exemplo, a ascensão dos mamíferos – incluindo nós, seres humanos – poderia nunca ter ocorrido.

A maior extinção em massa que conhecemos foi provavelmente causada por uma atividade vulcânica maciça na Sibéria, que alterou a atmosfera em todo o mundo e levou ao colapso parcial de muitos ecossistemas, devido ao efeito que teve sobre a camada de ozono, afinando-a e interrompendo os ciclos de vida das plantas.

Os cientistas pensavam que esse evento tinha acontecido de repente e sem aviso prévio.

Agora, uma equipa de pesquisa da Universidade Friedrich-Alexander Erlangen-Nürnberg e do Museum für Naturkunde, na Alemanha, defende que houve indícios da extinção que se seguiria.

Os resultados da pesquisa foram publicados em janeiro na revista científica Geology.

Examinando fósseis anteriormente não pesquisados no Irão, a equipa de cientistas encontrou sinais de alerta datados de 700.000 anos antes do evento.

Por exemplo, os investigadores descobriram que várias espécies de amonites, que são moluscos marinhos, desapareceram na época e as espécies que sobreviveram ficaram cada vez menores e menos complexas.

Nos últimos milhões de anos do período Permiano, os tamanhos de braquiópodes estavam a diminuir em terra, no mar, os protozoários chamados radiolários também estavam em declínio.

Há provas de que animais marinhos estejam a encolher em tamanho hoje. No ano passado, cientistas revelaram que o nível do Oceano Atlântico diminuiu em 15% nos últimos 65 anos, provavelmente como resultado direto da mudança climática.

Um estudo de 2015 descobriu, numa análise do registo geoquímico, que houve uma deterioração ambiental progressiva que levou à extinção do Permiano-Triássico. E mais um artigo do mesmo ano encontrou altos níveis de atividade de magma antes, durante e após o evento.

Além disso, já naquela época havia muitas provas de um aquecimento global severo, acidificação dos oceanos e falta de oxigénio. “O que nos separa dos eventos do passado é a extensão desses fenómenos. Por exemplo, o aumento atual da temperatura é significativamente menor do que há 250 milhões de anos”, disse o principal autor do estudo, Wolfgang Kießling.

A nova pesquisa junta-se a um crescente corpo de provas de que estamos à beira do sexto evento de extinção em massa da Terra.

“O aumento da taxa de extinção em todos os habitats que estamos atualmente a observar é atribuível à influência direta dos seres humanos, como a destruição do habitat, a pesca excessiva e a poluição. No entanto, o nanismo das espécies animais nos oceanos em particular pode ser claramente atribuído à mudança climática. Devemos levar esses sinais muito a sério”, disse Kießling.

PARTILHAR

RESPONDER

Há uma forma de reduzir erros na computação quântica (e já sabemos qual é)

Na computação quântica, assim como no trabalho em equipa, um pouco de diversidade pode ajudar a melhorar o resultado. Esta pode mesmo ser a chave para pôr fim aos erros na computação quântica. Ao contrário dos …

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …