Paulo Macedo lamenta que a CGD seja usada como “arremesso político”

Manuel d Almeida / Lusa

Paulo Macedo, presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos

O presidente executivo da CGD considerou esta terça-feira que o “arremesso político” que é feito usando o banco público cria danos na instituição e que a resposta da sua equipa é centrar-se em prestar um melhor serviço aos clientes.

“Relativamente à questão dos danos, obviamente que a Caixa enquanto arma de arremesso político sofre sempre e estar meses e meses com notícias que não são positivas, sofre”, disse Paulo Macedo aos jornalistas, durante a visita à agência do banco em Lisboa, no Lumiar, renovada nas condições de atendimento aos clientes.

Segundo o gestor, perante as tantas notícias sobre a Caixa Geral de Depósitos (CGD), a resposta do banco é “estar mais perto dos clientes” para “minimizar o desfoque do negócio e da atividade”. “A Caixa tem de se renovar e dar melhores condições aos 3,5 a quatro milhões de clientes que tem”, afirmou.

Além da agência no Lumiar, em Lisboa, esta terça-feira também foi apresentada a renovada agência na Avenida da Boavista, no Porto, segundo Macedo.

A CGD tem estado envolta em polémica desde que foi conhecida há três semanas a auditoria à gestão entre 2000 e 2015, que revelou a concessão de créditos mal fundamentada, atribuição de bónus aos gestores com resultados negativos, interferência do Estado e aprovação de empréstimos com parecer desfavorável ou condicionado da direção de risco, com prejuízos significativos para o banco público.

O presidente executivo, Paulo Macedo, tem dito desde então em várias intervenções públicas que este debate político e mediático provoca danos na instituição e que mais quatro meses de nova comissão de inquérito continuarão a desestabilizar.

“Respeitamos a Assembleia da República mas era bom que alguém de vez em quando, designadamente alguém que soubesse de gerir empresas, percebesse o que é estar a trabalhar e falar com clientes como se fosse nada, e isso não existe”, disse no início de fevereiro, no parlamento, o gestor e ex-ministro da Saúde do governo PSD/CDS-PP liderado por Passos Coelho.

A CGD teve lucros de 496 milhões de euros em 2018, bem acima dos 51,9 milhões de euros registados em 2017, sendo o segundo ano consecutivo de lucros do banco público, depois de entre 2011 e 2016 os prejuízos acumulados terem superado os 3.800 milhões.

Paulo Macedo tomou posse como presidente executivo da CGD em 1 de fevereiro de 2017, sucedendo a António Domingues, que teve um curto mandato de quatro meses devido à polémica de não ter sido tornada pública a sua declaração de rendimento e património.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Entre a "revolução" e a "bomba eleitoral", Costa amuou

A redução no preço dos passes sociais, que está a ser apontada pelo PSD como uma "bomba eleitoral" do Governo socialista, marcou o debate quinzenal no Parlamento, com António Costa a defender-se, notando que a …

Centeno atira-se ao CDS e acusa-o de "aproveitamento político"

O Ministro das Finanças, Mário Centeno, respondeu ao pedido de audição do CDS a propósito dos impostos europeus e aproveitou a oportunidade para atacar os centristas. Mário Centeno enviou uma carta ao Parlamento, nomeadamente à Secretaria …

PSD acusa Governo de apresentar redução do preço dos passes mas sem transportes

O PSD acusou hoje o Governo de apresentar a redução dos preços dos passes apenas para Lisboa e Porto e sem aumentar os transportes, com o primeiro-ministro a responder que os sociais-democratas são simplesmente contra …

Venezuela, promessas e (muitos) elogios: Trump e Bolsonaro foram feitos um para o outro

Não faltaram sorrisos, elogios nem promessas de cooperação. Os Presidentes das duas maiores economias da América concentraram as atenções na Venezuela. Enquanto Trump prometeu dar apoio à entrada do Brasil na OCDE e na NATO, …

Proposta do PS sobre propaganda política só tem efeitos em 2020

O PS apresentou esta terça-feira um projeto de lei no Parlamento para "clarificar" qual a propaganda política que se pode fazer no período pré-eleições. No entanto, no que toca a 2019, as novas regras - a …

Abertura de barragens pode agravar tragédia em Moçambique. Búzi a horas de ser engolida

Depois do ciclone Idai, há duas novas ameaças na zona da Beira: a abertura das comportas de barragens no Zimbabué e as fortes chuvas que se aproximam. O Zimbabué admite vir a abrir as comportas das …

Ordem dos Médicos contra consultas por telemóvel

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, afirma ter reservas em relação a consultas por telemóvel, a começar pelo facto de lhe chamarem consultas. Esta terça-feira, arrancou em Lisboa a maior cimeira nacional de tecnologia …

Vítimas de esterilização forçada no Japão vão ser indemnizadas

Estima-se que mais de 16 mil pessoas foram vítimas de esterilização forçada no Japão, devido a uma lei que esteve em vigor entre 1948 e 1996. Só agora haverá direito a indemnizações e a um …

Brexit. Theresa May enviou uma carta ao Presidente do Conselho Europeu a pedir mais tempo

Theresa May terá pedido à União Europeia apenas um pequeno adiamento, de cerca de três meses, para fechar o acordo do Brexit. Segundo a Sky News, a primeira-ministra britânica terá enviado uma carta a Donald …

Detido quarto suspeito do tiroteio na Holanda. Outros dois já foram libertados

Um homem de 40 anos foi detido na tarde desta terça-feira por suspeitas de estar envolvido no tiroteio em Utrecht, na Holanda, na passada segunda-feira. O ataque provocou a morte três pessoas e deixou cinco feridas, …