Lourinhã lucra com fama mundial de terra dos dinossauros

BBC

O paleontologista Octávio Mateus, fundador do Museu da Lourinhã

O paleontologista Octávio Mateus, fundador do Museu da Lourinhã

Os negócios na Lourinhã normalmente têm a palavra “dino” no nome, e muitos logótipos mostram o desenho de um dos animais extintos. As placas de boas-vindas com dinossauros à entrada da cidade clarificam que a Lourinhã é a capital dos dinossauros em Portugal.

A descoberta recente em Portugal do que cientistas acreditam ter sido o maior predador que já viveu no continente europeu colocou mais uma vez em evidência uma pequena cidade conhecida como a “terra dos dinossauros”: a Lourinhã.

Também é o mais novo capítulo do verdadeiro “conto de fadas” que começou quando um rapaz de nove anos descobriu um enorme dente de dinossauro. Hoje, ele lidera um projecto de investigação cujas descobertas viraram manchete em todo o mundo.

Num laboratório repleto de fósseis, Octávio Mateus segura um dente, do tamanho de uma adaga, da nova espécie de dinossauro, bem parecido com o que encontrou quando era criança.

“Neste dente em forma de lâmina, podem ver-se claramente as serras – era um predador feroz”, explica Mateus. “Compare isso com os dentes do Tiranosauro Rex, que pareciam bananas – bem arredondados e adaptados para esmagar ossos – enquanto este foi feito para dilacerar carne.”

“Isso mostra duas estratégias diferentes de alimentação na evolução destes animais, mesmo que aparentemente eles sejam parecidos.”

Hoje, aos 38 anos, Mateus é professor na Universidade Nova, em Lisboa, onde leciona no primeiro curso superior de paleontologia do país.

Mas Octavio Mateus ainda passa muito tempo no Museu de Lourinhã, a 50 quilómetros ao norte da capital Lisboa, onde, há 30 anos, os pais o ajudaram a fundar o espaço, que hoje guarda várias descobertas arqueológicas e etnográficas.

BBC

Os fósseis deram uma identidade à Lourinhã

Os fósseis deram uma identidade à Lourinhã

Tesouro jurássico

Ironicamente, há recentemente a secção paleontológica do museu estava em segundo plano. Actualmente, foi expandida e atrai por ano cerca de 25 mil visitantes à cidade, que tem 7 mil habitantes.

A verdade é que a Lourinhã tem dois motivos para ser famosa. A área é uma das únicas três do mundo reconhecidas como produtoras de conhaque (as outras, mais famosas, são Cognac e Armagnac, ambas na França), e as suas rochas são, graças à sua geologia e acessibilidade, um tesouro de fósseis da era jurássica.

À medida que as descobertas se multiplicaram e a visibilidade do museu aumentou, os seus habitantes tornaram-se ainda mais orgulhosos da sua herança única.

Placas de boas-vindas à entrada da cidade mostram dinossauros. Os animais também estão presentes em muitos dos produtos vendidos na Lourinhã.

Os negócios na Lourinhã normalmente têm a palavra “dino” no nome, e muitos logótipos mostram o desenho de um dos animais extintos. Num café, há um enorme osso de uma perna de dinossauro, que faz de pilar, ao lado de um balcão de doces.

BBC

Lou-Octavia Morch

Lou-Octavia Morch diz que poderia ficar anos a trabalhar na Lourinhã

Há uma razão para tudo isto. O Museu da Lourinhã tem uma das mais importantes colecções do mundo de fósseis do período jurássico superior.

Lou-Octavia Morch, uma estudante de arte que está dividida entre especializar-se entre desenhos arqueológicos e paleontológicos, diz que a Lourinhã é ideal em ambos os casos. Isso graças às ruínas próximas de uma necrópole e a outros locais antigos, além de, é claro, os seus famosos fósseis.

“É inspirador”, diz Morch, enquanto desenha um crânio humano, como parte do período de dois meses que passará no museu. “Poderia ficar anos aqui.”

Assunto de família

A paleotologia na Lourinhã é um assunto de família. O pai de Octávio, Horácio, fundou o Museu da Lourinhã. O seu irmão Simão guia com entusiasmo os visitantes e recentemente terminou um mestrado em museologia. A irmã Marta também trabalha no Museu como voluntária.

Simão, que também escreve e ilustra livros infantis sobre dinossauros, forneceu os desenhos publicados no estudo mais recente de Octávio.

Os objectos relacionados com dinossauros em exibição no Museu vão desde esqueletos completos a um ninho fossilizado com dúzias de ovos. O ninho foi apenas uma das muitas descobertas feitas pela família Mateus nas suas expedições, que começaram quando Octávio ainda era bem pequeno.

“Nasci praticamente num ninho de dinossauro”, ele diz a brincar.

Poucas pessoas podem dizer que, quando crianças, escavaram tantos fósseis e descobriram espécies inteiras, como é o caso de Octávio Mateus.

BBC

Simão, o irmão de Octávio Mateus, organiza visitas guiadas ao Museu da Lourinhã

Simão, o irmão de Octávio Mateus, organiza visitas guiadas ao Museu da Lourinhã

Lourinhanosaurus

Um dos dinossauros que podem ser vistos no museu é o predador Lourinhanosaurus, identificado como uma nova espécie pelo próprio Mateus quando ainda estudava biologia na faculdade.

“A espécie recebeu o nome da cidade, o que para nós foi muito icónico”, diz Octávio.

Ao longo de sua carreira de pesquisa, Mateus não só continuou a fazer grandes descobertas em Portugal, como também encontrou os primeiros dinossauros de Angola e da Bulgária.

A sua última expedição foi à Gronelândia, como membro de uma equipa que descobriu fósseis de dois phytosaurus – grandes répteis semelhantes a crocodilos, mas da era triássica, há 200 milhões de anos.

Mas o Museu de Lourinhã, onde Mateus passa horas no seu laboratório preparando fósseis, é claramente um lugar especial para ele.

Nas seções paleontológicas está pendurado um grande crânio fossilizado de um dinossauro que ganhou o nome de Torvosaurus gurneyi graças a um estudo publicado por Mateus e um seu colaborador em Lisboa, Chritophe Hendrickx.

BBC

Um café na Lourinhã com um enorme osso de perna de dinossauro ao lado de um balcão de doces.

Um café na Lourinhã com um enorme osso de perna de dinossauro ao lado de um balcão de doces.

Sentido de comunidade

Para a cidade, as bestas extintas trouxeram fama e um forte sentido de comunidade.

“O museu dá uma identidade à Lourinhã”, diz Octavio. “As pessoas vêem-se a si mesmas nos dinossauros”.

O museu é um empreendimento comunitário, em que todos, do diretor à secretária, trabalham de graça, o que o torna auto-sustentável. O conselho da cidade financia um quinto do seu orçamento – o que parece ser um óptimo investimento.

“Não seria possível de qualquer outra forma ter o nome da cidade divulgado tão amplamente”, afirma Octávio. “O nosso conhaque é considerado um dos melhores do mundo, mas os dinossauros têm um grande impacto.”

// BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Razia na Liga Europa com direito a lenços brancos. Todas as equipas portuguesas foram eliminadas

Benfica, FC Porto, SC Braga e Sporting foram eliminados nos 16 avos de final da Liga Europa. Portugal passou assim de ser o clube com mais representantes nesta prova europeia a um dos poucos sem …

Este animal marinho produz óvulos e espermatozóides ilimitados ao longo da sua vida

Um minúsculo animal marinho, chamado Hydractinia, foi analisado ao pormenor por uma equipa de investigadores que descobriu aquela que pode ser considerada uma habilidade muito rara desta criatura. Hydractynia consegue produzir ilimitadamente células germinativas, que são …

Há um segundo português internado no Japão por suspeitas de coronavírus

Um segundo português está hospitalizado no Japão “por indícios relacionados” com o Covid-19, também tripulante do navio de cruzeiros Diamond Princess,. “Dois dos tripulantes portugueses do Diamond Princess tiveram de ser hospitalizados, no Japão, por indícios …

Há um planeta gigante incrivelmente perto da Terra

Há um planeta gigante, com dimensões próximas das de Neptuno, a 90 anos-luz da Terra. É dos exoplanetas mais próximos do nosso planeta. Detetado pela primeira vez pelo "caçador" de planetas Kepler (NASA), a existência deste …

A primeira forma vida alienígena que encontrarmos será (muito provavelmente) inteligente

A primeira forma de vida alienígena que vier a ser encontrada pelo Homem será, muito provavelmente, inteligente, de acordo com um especialista do Search for Extraterrestrial Intelligence (SETI). A procura de vida para lá da …

Hackers podem "roubar" satélites e fazê-los colidir, alerta cientista

Um especialista da Universidade de Denver, nos Estados Unidos, alertou recentemente que eventuais vulnerabilidades em satélites artificiais em órbita podem vir a ser exploradas por piratas informáticos (hackers). Mais de 50 anos depois do lançamento do …

Benfica 3-3 Shakhtar D. | "Águia" permeável diz adeus à Europa

Todos eliminados. Os quatro clubes portugueses caíram todos nos 16 avos-de-final da Liga Europa, o último dos quais o Benfica. Após a derrota por 2-1 na Ucrânia, frente ao Shakhtar, os “encarnados” receberam os comandados de …

Encontrado túmulo milenar de príncipe com coleção de peças valiosas

Em Corinaldo, perto da costa do Adriático, no norte da região italiana de Marche, a descoberta de um túmulo do século VII a.C. trouxe luz a diversos aspetos da Cultura Picena. Os picentinos foram um povo …

Vacina contra o coronavírus não chega a tempo de travar epidemia

Uma eventual vacina eficaz no combate ao novo coronavírus não deverá chegar a tempo de travar a epidemia, saliente o infecciologista Vítor Laerte. O surto de coronavírus, originário de Wuhan, tem-se espalhado aos poucos por todo …

Força Espacial de Trump trabalha "bem de perto" com Musk e Space X

A Força Espacial dos Estados Unidos, cuja criação foi anunciada pelo Presidente norte-americano em junho de 2018, está a desenvolver os seus trabalhos "bem de perto" com o multimilionário Elon Musk e a sua empresa …