Livro sugeria que o 11 de setembro tinha sido “orquestrado pela CIA”. Editora obrigada a corrigir

A editora francesa Ellipses Publications teve que corrigir um livro de História no qual era sugerido que os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos (EUA), foram “orquestrados pela CIA”.

Segundo noticiou o Newsweek, que cita a BBC, o livro History of the 20th Century in Flash Cards, publicado em novembro do ano passado, foi escrito por Jean Pierre-Rocher, professor de História e Geografia, licenciado na Universidade Sciences Po, em Paris.

Na página 204 do livro – descrito como um curso completo da história francesa, europeia e mundial do século XX – o autor explicou como foi formado o grupo terrorista Al-Qaeda e os eventos dos quatro ataques terroristas coordenados, que ocorreram nos EUA a 11 de setembro de 2001.

“Este evento mundial – sem dúvida orquestrado pela CIA (serviços secretos) para impor a influência norte-americana no Oriente Médio? – atingiu os símbolos do poder americano no seu próprio território”, apresentava o texto sobre os referidos ataques.

De acordo com o Le Monde, a referência à teoria da conspiração foi compartilhada num grupo no Facebook por um professor, depois que a sua filha comprou uma cópia do livro.

Bruno Modica, porta-voz do grupo, disse ao jornal francês que a publicação “explodiu muito rapidamente”. A informação, que foi entretanto retirada do livro, “transmite uma teoria da conspiração que se pode ouvir nas salas de aula, por parte de alguns alunos. Mas encontrar algo escrito por um professor, e nesse tipo de publicação, é inaceitável”, afirmou.

O site da Conspiracy Watch escreveu sobre o assunto, indicando que a frase “semearia confusão” na mente dos jovens para os quais o livro se destina, citando uma pesquisa de 2018, na qual era apontado que 21% das pessoas com menos de 35 anos acreditam que o governo dos EUA esteve envolvido nos ataques de 11 de setembro.

Na sua página oficial, a Ellipses Publications informou que o autor quis remover a frase, afirmando que nunca deveria ter sido incluída no livro. “Essa frase, que ecoa as teorias da conspiração desprovidas de qualquer base factual, nunca deveria ter sido usada no livro”, referiu a editora. “Não reflete a linha editorial da Ellipses ou a posição do seu autor”.

À Newsweek, a editora disse que lamentava o erro e que emitiu uma correção online e em todas as cópias do livro, que ainda não foram enviadas às livrarias. “A nossa empresa tem a missão de transmitir conhecimento e produzir trabalhos educacionais há quase meio século. Como tal, lamentamos amargamente ter permitido que essa frase tenha escapado da nossa vigilância em relação aos ataques de 11 de setembro de 2001”.

“As opiniões podem ser livremente expressas nos nossos livros, mas sob nenhuma circunstância um fato impreciso ou infundado pode ser apresentado como uma verdade objetiva”, acrescentou a editora.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. A editora viu-se obrigada a retirar aquela frase do livro porquê? Será pelo simples facto de que possivelmente certas verdades não convém que sejam publicadas?

  2. Porquê será que a editora viu-se obrigada a retirar aquela frase do livro? Será pelo simples facto de que possivelmente não convém que certas verdades sejam publicadas?

  3. It was an inside job along with al-qaeda, no doubts in that matter, what it’s left to know is which government agencies were involved!

RESPONDER

Nicotina contribui para cancro do pulmão formar metástases no cérebro

A nicotina, uma substância não carcinogénica presente no tabaco, contribui para que o cancro no pulmão se dissemine no cérebro, formando metástases, concluiu um estudo publicado na revista Journal of Experimental Medicine. Uma equipa de investigadores …

Nas montanhas suíças, há quartos de hotel sem paredes nem teto

Dois artistas concetuais suíços criaram sete "quartos de hotel" ao ar livre, sem paredes nem teto, mas com vistas para as montanhas da Suíça e de Liechtenstein. A dupla suíça, os irmãos gémeos Frank e Patrik …

Risco de segunda vaga de covid-19 é alto em França

Um estudo publicado esta sexta-feira revela que a chamada "imunidade de grupo" está longe de ser alcançada em França. O risco de uma segunda vaga de covid-19 em França é "extremamente elevado", de acordo com um …

Desvendado mistério das cartas censuradas entre a rainha Maria Antonieta e o seu suposto amante

A natureza da relação entre a rainha Maria Antonieta e o conde sueco Axel de Fersen continua a intrigar os historiadores há mais de um século. Eram realmente amantes? Agora, graças a uma nova análise …

Ministra do Madagáscar afastada por querer gastar 1,8 milhões em rebuçados para disfarçar sabor de "Covid-Organics"

A ministra da Educação do Madagáscar foi destituída esta quinta-feira, depois de ter proposto gastar 1,8 milhões de euros em rebuçados, para distribuir em escolas e atenuar o sabor de uma infusão para a covid-19. A …

Santa Clara 3-2 SC Braga | Açorianos estreiam-se na nova casa com vitória sobre os minhotos

O Santa Clara venceu hoje o Sporting de Braga por 3-2, em jogo da 25.ª jornada da I Liga de futebol em que se assinalou também a estreia da Cidade do Futebol como palco de …

O maior e mais antigo monumento Maia já conhecido foi descoberto no México

O maior e mais antigo monumento já conhecido construído pela civilização Maia, batizado como Aguada Fénix, foi encontrado no sudeste do México. De acordo com o site New Scientist, o Aguada Fénix é uma enorme …

Twitter bloqueia vídeo de campanha de Donald Trump com tributo a George Floyd

O Twitter bloqueou um vídeo de tributo a George Floyd feito pela campanha de reeleição do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. A rede social colocou um rótulo no vídeo da página da conta @TeamTrump, dizendo …

Depois da covid-19, poder haver uma outra doença respiratória à nossa espera

Com o desconfinamento, vamos gradualmente regressando ao normal, mas agora possivelmente com um novo inimigo. A doença dos legionários pode estar escondida nos edifícios que deixamos para trás. Surtos globais de coronavírus forçaram o encerramento de …

Apple está a seguir iPhones roubados das lojas durante os protestos nos EUA

Os iPhones que têm sido roubados das lojas da Apple durante os protestos contra a violência policial, nos Estados Unidos, foram desativados e estão a ser seguidos pela empresa. De acordo com a revista Newsweek, as …