Lituânia 1 vs 5 Portugal | Goleada com selo CR7

António Cotrim / Lusa

Portugal saiu da Lituânia com um resultado gordo. Uma goleada por 5-1 assente sobretudo numa excelente segunda parte, na qual conseguiu reagir à igualdade 1-1 que se registava ao intervalo.

A mudança do 4-3-3 para o 4-4-2 após o descanso desmontou o esquema de marcações dos homens da casa e os golos começaram a surgir, com Cristiano Ronaldo em grande destaque, a fazer quatro. No final, os números são esclarecedores, em especial no ataque, com os comandados de Fernando Santos a somar 29 remates, 14 deles enquadrados.

O jogo explicado em números

  • O jogo não podia começar melhor para Portugal. Logo aos sete minutos surgiu o 1-0, por Cristiano Ronaldo, de grande penalidade, a castigar mão na bola de Markus Palionis na sequência de um cruzamento de João Félix. Primeiro remate luso e o marcador a funcionar.
  • Adivinhava-se um jogo se sentido único e, à passagem do primeiro quarto-de-hora, a formação lusa registava 60% de posse de bola e três remates contra um ( e o único enquadrado, o do golo). Contudo, os homens da casa não estavam pelos ajustes e empataram a partida.
  • Aos 28 minutos, na sequência de um pontapé de canto, o lateral-esquerdo Andriuskevicius saltou mais alto que toda a gente e cabeceou muito colocado, com a bola a bater ainda no poste direito da baliza de Rui Patrício, antes de entrar. A Lituânia chegava ao golo ao segundo remate, primeiro enquadrado, quando registava apenas 37% de posse. Porém ganhara 14 dos 23 duelos disputados com os jogadores portugueses.
  • À passagem da meia-hora, Cristiano era o jogador luso mais em foco, com um rating de 6.2, com um golo em três remates, dois enquadrados. O melhor em campo era o autor do golo lituano, com 6.6.
  • Até ao intervalo, Portugal pressionou em busca do segundo golo, verificando-se um duelo particular entre o guarda-redes Ernestas Setkus e João Félix, com vantagem para o lituano, a registar duas grandes defesas.
  • Bom arranque de partida de Portugal, com um golo, domínio, futebol de ataque, mas pouca presença na grande área, pelo que aos poucos os jogadores lusos tornaram-se presas fáceis para a defesa contrária. A Lituânia acabou por empatar na sequência de um canto, enervando de certa forma os campeões da Europa, que só criaram perigo perto do fim da etapa inicial, quase sempre por João Félix – pela frente o jovem encontrou um guarda-redes inspirado. O melhor na primeira parte foi o lateral-esquerdo da casa, Andriuskevicius, com um GoalPoint Rating de 6.8, pelo golo que marcou e pela capacidade nos duelos aéreos, tendo ganho os três em que participou, um deles no ataque. O melhor das “quinas” era Bruno Fernandes, com 6.1, em especial pelos quatro passes para finalização e os dois dribles completos.
  • A superioridade lusa na primeira metade foi colocada à prova no arranque da segunda, com os lituanos a terem 48% de posse de bola nos primeiros 15 minutos. A turma lusa registava, por seu turno, quatro remates, um enquadrado. Mas ao sexto, Portugal chegou ao 2-1. Aos 61 minutos, Ronaldo rematou, fraco, Setkus não agarrou a bola e esta acabou por bater-lhe nas costas e encaminhar-se lentamente para a baliza deserta (em primeira instância a Opta atribuiu ao guardião um autogolo, e só depois a Ronaldo).
  • O 3-1 apareceu aos 65 minutos, o “hat-trick” do capitão português. Bernardo Silva cruzou e CR7 surgiu a desviar para o fundo da baliza. Cristiano marcava de novo, quando registava um total de seis remates (máximo do jogo), quatro deles enquadrados.
  • A entrada de Rafa Silva para o lugar de Bruno Fernandes e consequente passagem de Félix para o eixo de ataque (num claro 4-4-2) acabara por desequilibrar as marcações defensivas lituanas, pelo que Portugal passou a criar muito mais perigo. Por volta dos 70 minutos os lusos somavam oito remates no segundo tempo, cinco deles enquadrados, 62% de posse, 93% de eficácia de passe, enquanto os lituanos não iam além de duas acções com bola na área portuguesa desde o descanso.
  • A parceria Bernardo-Cristiano voltou a funcionar aos 76 minutos, com o jogador do City a assistir mais uma vez o avançado da Juventus para mais um golo, o quarto do capitão, que somava já oito remates, cinco enquadrados e ameaçava rebentar com a escala do nosso GoalPoint Rating – o que vale é que saiu aos 79 minutos.
  • O quinto golo surgiu nos descontos, num lance confuso na grande área concluído com oportunidade por William Carvalho – o segundo tento do médio em dois jogos. Uma goleada que assenta na excelente segunda metade de Portugal.

O melhor em campo GoalPoint

O jogo estava difícil e empatado ao intervalo, com Portugal sem conseguir arranjar espaço na área contrária para criar perigo. Ainda assim, Cristiano Ronaldo já se destacava com um golo e diversas acções ofensivas de relevo. No segundo tempo abriu o livro, marcando por mais três ocasiões, atingindo a nota máxima, um GoalPoint Rating de 10.0. CR7 terminou a partida com oito remates, cinco deles enquadrados, e ainda somou três passes para finalização.

Jogadores em foco

  • Bernardo Silva 7.4 – Uma espécie de “mordomo”, de bandeja na mão a distribuir classe e passes de qualidade acima da média. O jogador do City fez impressionantes sete passes para finalização, dois deles terminando em assistências para Ronaldo, e ainda teve sucesso em dois de quatro cruzamentos e duas de seis tentativas de dribles (ambas no último terço).
  • William Carvalho 7.0 – O médio-defensivo luso voltou a estar em plano de destaque, com mais um golo, o segundo em dois jogos. Para além disso, o jogador do Bétis concluiu 89% dos passes que fez e foi o quarto jogador com mais acções com bola (97).
  • Ernestas Setkus 6.8 – O guardião lituano não deu nas vistas apenas pelo seu nome sui generis, mas também pelas acções em jogo, embora nem todas boas. O destaque vai para as dez defesas que realizou, número gordo, das quais cinco a remates na sua grande área, mas a sua prestação fica marcada pelo “frango” monumental que deu o 2-1 para Portugal.
  • Rúben Neves 6.6 – O médio do Wolves teve a liberdade suficiente para pegar na batuta do jogo de Portugal, pelo que registou números muito interessantes. Para além de quatro passes para finalização, completou 93 de 100 entregas e registou o número máximos de acções com bola, nada menos que 116.
  • Raphäel Guerreiro 6.5 – O lateral português teve pouco trabalho defensivo, mas ainda assim somou nove recuperações de posse. No apoio ao ataque fez três passes para finalização, teve sucesso em dois de seis cruzamentos, falhou apenas dois de 67 passes e registou 102 acções com bola.
  • João Félix 5.6 – O avançado do Atlético de Madrid esteve muito activo e melhorou o seu jogo quando passou a acompanhar Ronaldo no eixo do ataque, mas não esteve inspirado no momento da finalização. Ao todo somou sete disparos, apenas menos um que Cristiano, e enquadrou quatro, mas teve pela frente um guardião contrário em bom plano.

Resumo

PARTILHAR

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …