Lago “assassino” matou cerca de 1.800 pessoas em apenas alguns minutos (e a história pode repetir-se)

jbdodane / Flickr

Lago Nyos, nos Camarões

A noite de 21 de agosto de 1986 parecia ser igual a outra qualquer. Até que, por volta das 21h30, se ouviu um barulho muito estranho no Lago Nyos, no noroeste dos Camarões. E, em minutos, quase 1.800 pessoas morreram.

Nessa noite, o Nyos expeliu um jato de água com mais de 90 metros de altura que libertou o dióxido de carbono acumulado no lago. Segundo o Mental Floss, uma nuvem de gás subiu aos céus, antes de descer sobre o topo das colinas e atingir os aldeões.

Ao passar pelas cabanas, a nuvem quente de dióxido de carbono sufocou quase todas as pessoas com quem entrou em contacto, até finalmente se dissipar. O oxigénio que estava presente poucos instantes antes da tragédia foi eliminado temporariamente do ar, dando lugar a substâncias mais pesadas e nocivas.

O Lago Nyos era conhecido pelos habitantes locais como o lago “bom” devido à sua água potável, mas, naquela noite de 1986, foi responsável por um dos desastres naturais mais mortais da história de África. Nios, a aldeia mais próxima do lago, foi a mais afetada.

O evento de origem vulcânica, conhecido como erupção límnica, devastou seres humanos e animais em apenas alguns minutos, e até hoje, é relembrado como um pesadelo pelos habitantes da região. Segundo a contagem de corpos realizada por especialistas, cerca de 1.800 pessoas e 3.000 cabeças de gado foram encontradas sem vida.

Atualmente, e de modo a evitar que a tragédia se repita, o Lago Nyos conta com aparelhos dispersores de gás carbónico na sua superfície e um sistema de canalização.

Quase 30 anos após o desastre, a população pôde voltar a ocupar as margens do lago, mas a preocupação com a geografia do território ainda persiste à medida que os gases vibram silenciosamente por baixo das águas.

Os cientistas ainda desconhecem o que desencadeou a erupção límbica do Lago Nyos: pode ter sido algo tão pequeno quanto uma pedra a cair na água ou uma forte rajada de vento.

Quando começaram a investigar, não demoraram muito tempo até encontrarem ocorrências de erupções semelhantes. Dois anos antes, no Lago Monoun, a cerca de 95 quilómetros do Lago Nyos, os moradores ouviram um grande estrondo. Nas horas seguintes, 37 pessoas morreram misteriosamente.

À luz do que aconteceu, esta era a prova de que o problema era maior do que os investigadores pensavam.

Atualmente, os cientistas acreditam que só três lagos no mundo acumulam tais níveis mortais de dióxido de carbono nas suas profundezas – Nyos, Monoun e o Lago Kivu, na fronteira do Congo e Ruanda.

O Lago Nyos e o Lago Monoun já foram declarados seguros, mas o mesmo não aconteceu com o Lago Kivu. Cerca de 2 milhões de pessoas vivem nos vales à volta do lago, que é 1.700 vezes maior do que o Nyos e duas vezes mais profundo.

Ruanda já começou a usar o metano do Kivu como fonte de energia, mas ainda precisam de ser feitos esforços em grande escala para eliminar completamente o gás do lago. Até que tal aconteça, a história ameaça repetir-se, à medida que o perigo borbulha silenciosamente sob a superfície.

  Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …

Pela primeira vez, um drone transportou os pulmões de um dador em segurança. Voo demorou seis minutos

Pela primeira vez na história da medicina, um drone aéreo transportou os pulmões de um dador com rapidez e segurança entre dois hospitais. O voo, que durou apenas seis minutos, ocorreu no passado dia 25 de …

Grupo de hackers clonou a voz de empresário para roubar 35 milhões de dólares do banco

Um grupo de hackers clonou a voz do diretor de uma empresa, conseguindo assim roubar mais de 35 milhões de dólares de um banco nos Emirados Árabes Unidos. No início do ano passado, o gerente de …

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …