Lago “assassino” matou cerca de 1.800 pessoas em apenas alguns minutos (e a história pode repetir-se)

jbdodane / Flickr

Lago Nyos, nos Camarões

A noite de 21 de agosto de 1986 parecia ser igual a outra qualquer. Até que, por volta das 21h30, se ouviu um barulho muito estranho no Lago Nyos, no noroeste dos Camarões. E, em minutos, quase 1.800 pessoas morreram.

Nessa noite, o Nyos expeliu um jato de água com mais de 90 metros de altura que libertou o dióxido de carbono acumulado no lago. Segundo o Mental Floss, uma nuvem de gás subiu aos céus, antes de descer sobre o topo das colinas e atingir os aldeões.

Ao passar pelas cabanas, a nuvem quente de dióxido de carbono sufocou quase todas as pessoas com quem entrou em contacto, até finalmente se dissipar. O oxigénio que estava presente poucos instantes antes da tragédia foi eliminado temporariamente do ar, dando lugar a substâncias mais pesadas e nocivas.

O Lago Nyos era conhecido pelos habitantes locais como o lago “bom” devido à sua água potável, mas, naquela noite de 1986, foi responsável por um dos desastres naturais mais mortais da história de África. Nios, a aldeia mais próxima do lago, foi a mais afetada.

O evento de origem vulcânica, conhecido como erupção límnica, devastou seres humanos e animais em apenas alguns minutos, e até hoje, é relembrado como um pesadelo pelos habitantes da região. Segundo a contagem de corpos realizada por especialistas, cerca de 1.800 pessoas e 3.000 cabeças de gado foram encontradas sem vida.

Atualmente, e de modo a evitar que a tragédia se repita, o Lago Nyos conta com aparelhos dispersores de gás carbónico na sua superfície e um sistema de canalização.

Quase 30 anos após o desastre, a população pôde voltar a ocupar as margens do lago, mas a preocupação com a geografia do território ainda persiste à medida que os gases vibram silenciosamente por baixo das águas.

Os cientistas ainda desconhecem o que desencadeou a erupção límbica do Lago Nyos: pode ter sido algo tão pequeno quanto uma pedra a cair na água ou uma forte rajada de vento.

Quando começaram a investigar, não demoraram muito tempo até encontrarem ocorrências de erupções semelhantes. Dois anos antes, no Lago Monoun, a cerca de 95 quilómetros do Lago Nyos, os moradores ouviram um grande estrondo. Nas horas seguintes, 37 pessoas morreram misteriosamente.

À luz do que aconteceu, esta era a prova de que o problema era maior do que os investigadores pensavam.

Atualmente, os cientistas acreditam que só três lagos no mundo acumulam tais níveis mortais de dióxido de carbono nas suas profundezas – Nyos, Monoun e o Lago Kivu, na fronteira do Congo e Ruanda.

O Lago Nyos e o Lago Monoun já foram declarados seguros, mas o mesmo não aconteceu com o Lago Kivu. Cerca de 2 milhões de pessoas vivem nos vales à volta do lago, que é 1.700 vezes maior do que o Nyos e duas vezes mais profundo.

Ruanda já começou a usar o metano do Kivu como fonte de energia, mas ainda precisam de ser feitos esforços em grande escala para eliminar completamente o gás do lago. Até que tal aconteça, a história ameaça repetir-se, à medida que o perigo borbulha silenciosamente sob a superfície.

Liliana Malainho Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Morreu Bo, o cão de água português de Barack Obama

Bo, o cão de água português que o ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, adotou em 2009 morreu este domingo com 13 anos, em consequência de um cancro, anunciou o político nas redes sociais. O cão …

Futuro pós-vacinação entre reforço de dose, controlo de variantes e medicamentos

A incerteza sobre a duração da imunidade das vacinas contra a covid-19 deixa o futuro do combate à doença entre o reforço da vacinação, a monitorização de novas variantes e o desenvolvimento de terapêuticas alternativas, …

Presidente da República promulga Carta de Direitos Humanos na Era Digital

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou este sábado a Carta de Direitos Humanos na Era Digital, aprovada em abril na Assembleia da República, segundo uma nota divulgada no site da Presidência. A lei, …

Depois de 17 anos no subsolo, biliões de cigarras vão emergir nos Estados Unidos

Biliões de cigarras vão emergir nos Estados Unidos. O aviso é de um grupo de cientistas que alerta que, dentro de alguns dias ou semanas, as cigarras da Ninhada X vão surgir depois de 17 …

Foguetão chinês regressou à Terra (e a maior parte desintegrou-se)

Um importante segmento do foguetão chinês desintegrou-se este domingo ao reentrar na atmosfera terrestre e caiu no oceano Índico, perto das Maldivas, anunciou a agência espacial da China. "De acordo com o percurso e análise, pelas …

"Se eu encaixar, eu sento-me." Os gatos adoram caixas ilusórias

Qualquer amante de gatos sabe que estes animais têm uma predileção inata por se sentarem em espaços fechados, mesmo que o espaço seja apenas um contorno bidimensional de um quadrado no chão.  Os cientistas analisaram esta …

Jet pack da Marinha britânica. Fuzileiros navais testam macacão Gravity em exercício de embarque

Quem melhor do que as organizações militares para testar e usufruir dos jet packs? A Marinha Real Britânica e os Fuzileiros Navais reais testaram um macacão a jato, desenvolvido pela empresa Gravity Industries. Esta semana, a …

Marés de Júpiter podem ajudar a perceber a história do Sistema Solar

Uma equipa de investigadores detetou uma pequena perturbação gravitacional em Júpiter. A descoberta pode ajudar a investigar o interior do planeta e perceber melhor a história do Sistema Solar. "Se você tentasse mergulhar em Júpiter, nunca …

Em 1925, "O Isolador" prometia bloquear qualquer tipo de distração

Procrastinar foi, é e sempre será um passatempo irresistível. Por isso, nos anos 20, houve quem apresentasse uma solução radical para evitar este problema: "O Isolador". De acordo com o site IFLScience, o chamado "Isolador" foi …

Seca no México revela uma igreja submersa há 40 anos

Uma igreja no estado de Guanajuato, no México, sobrevive entre a água e os peixes, como única testemunha de um povoado inundado por uma barragem há mais de 40 anos. Agora, devido à seca que …