Lago “assassino” matou cerca de 1.800 pessoas em apenas alguns minutos (e a história pode repetir-se)

jbdodane / Flickr

Lago Nyos, nos Camarões

A noite de 21 de agosto de 1986 parecia ser igual a outra qualquer. Até que, por volta das 21h30, se ouviu um barulho muito estranho no Lago Nyos, no noroeste dos Camarões. E, em minutos, quase 1.800 pessoas morreram.

Nessa noite, o Nyos expeliu um jato de água com mais de 90 metros de altura que libertou o dióxido de carbono acumulado no lago. Segundo o Mental Floss, uma nuvem de gás subiu aos céus, antes de descer sobre o topo das colinas e atingir os aldeões.

Ao passar pelas cabanas, a nuvem quente de dióxido de carbono sufocou quase todas as pessoas com quem entrou em contacto, até finalmente se dissipar. O oxigénio que estava presente poucos instantes antes da tragédia foi eliminado temporariamente do ar, dando lugar a substâncias mais pesadas e nocivas.

O Lago Nyos era conhecido pelos habitantes locais como o lago “bom” devido à sua água potável, mas, naquela noite de 1986, foi responsável por um dos desastres naturais mais mortais da história de África. Nios, a aldeia mais próxima do lago, foi a mais afetada.

O evento de origem vulcânica, conhecido como erupção límnica, devastou seres humanos e animais em apenas alguns minutos, e até hoje, é relembrado como um pesadelo pelos habitantes da região. Segundo a contagem de corpos realizada por especialistas, cerca de 1.800 pessoas e 3.000 cabeças de gado foram encontradas sem vida.

Atualmente, e de modo a evitar que a tragédia se repita, o Lago Nyos conta com aparelhos dispersores de gás carbónico na sua superfície e um sistema de canalização.

Quase 30 anos após o desastre, a população pôde voltar a ocupar as margens do lago, mas a preocupação com a geografia do território ainda persiste à medida que os gases vibram silenciosamente por baixo das águas.

Os cientistas ainda desconhecem o que desencadeou a erupção límbica do Lago Nyos: pode ter sido algo tão pequeno quanto uma pedra a cair na água ou uma forte rajada de vento.

Quando começaram a investigar, não demoraram muito tempo até encontrarem ocorrências de erupções semelhantes. Dois anos antes, no Lago Monoun, a cerca de 95 quilómetros do Lago Nyos, os moradores ouviram um grande estrondo. Nas horas seguintes, 37 pessoas morreram misteriosamente.

À luz do que aconteceu, esta era a prova de que o problema era maior do que os investigadores pensavam.

Atualmente, os cientistas acreditam que só três lagos no mundo acumulam tais níveis mortais de dióxido de carbono nas suas profundezas – Nyos, Monoun e o Lago Kivu, na fronteira do Congo e Ruanda.

O Lago Nyos e o Lago Monoun já foram declarados seguros, mas o mesmo não aconteceu com o Lago Kivu. Cerca de 2 milhões de pessoas vivem nos vales à volta do lago, que é 1.700 vezes maior do que o Nyos e duas vezes mais profundo.

Ruanda já começou a usar o metano do Kivu como fonte de energia, mas ainda precisam de ser feitos esforços em grande escala para eliminar completamente o gás do lago. Até que tal aconteça, a história ameaça repetir-se, à medida que o perigo borbulha silenciosamente sob a superfície.

Liliana Malainho Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Candidatura ibérica ao Europeu de andebol. Lisboa é a única cidade portuguesa

O campeonato da Europa da modalidade, em 2028, pode ser realizado em diversas cidades espanholas. E na capital portuguesa. A Federação de Andebol de Portugal e Real Federação Espanhola de Andebol confirmaram nesta terça-feira que submeteram …

Uber usou 50 empresas de fachada holandesas para evitar impostos, revela relatório

A Uber recorreu a cerca de 50 empresas de fachada holandesas para reduzir a sua carga fiscal global, revelou a mais recente investigação do australiano Center for International Corporate Tax Accountability and Research. Segundo avançou o …

Task force traça nova meta e prevê 70% da população vacinada até ao início de agosto

O processo de vacinação em Portugal vai contar, a partir deste segundo trimestre, com uma maior quantidade de vacinas disponíveis, principalmente a partir do final deste mês. Esta quarta-feira, no Parlamento, o vice-almirante Henrique Gouveia e …

Mais quatro mortes e 485 casos em Portugal. R(t) sobe ligeiramente

Esta quarta-feira, Portugal regista mais quatro óbitos e 485 novos casos de infeção, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde, o país …

Coroa de diamantes e safiras da rainha Maria II vai hoje a leilão em Genebra

A leilão vai também, esta quarta-feira, um conjunto de adornos, igualmente em safiras e diamantes, da coleção de Estefânia de Beauharnais, filha adotiva de Napoleão I Várias joias que pertenceram a casas reais europeias, entre as …

40 mortos em manifestações contra Governo na Colômbia. Presidente anuncia investigação a abusos policiais

Mais de 40 pessoas morreram nas manifestações contra o governo da Colômbia que começaram há duas semanas, segundo a organização não-governamental (ONG) Temblores. Em relatório divulgado na terça-feira, a ONG colombiana contabiliza pelo menos 40 mortes …

Netanyahu avisa: Hamas "vai receber ataques que não espera"

A escalada de violência continua em Israel e nos territórios palestinianos ocupados e já há vítimas mortais dos dois lados. O Conselho de Segurança das Nações Unidas volta a reunir-se de emergência esta quarta-feira. As forças …

Pela primeira vez, Governo admite que aplicação Stayway Covid não funcionou

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, um dos primeiros governantes a ver o protótipo da aplicação de rastreio de casos de covid-19, admitiu que a StayAway Covid não funcionou. Segundo Manuel Heitor, …

Crónica ZAP - Nota Artística por Nuno Miguel Teixeira

Nota artística: Sporting campeão (Boavista é o próximo)

https://soundcloud.com/nuno-teixeira-264830877/sporting-1-0-boavista-o-musical Sei que esta música já foi incluída neste espaço radiofónico. A versão foi outra mas a música era a mesma. Abriu a emissão sobre o FC Porto-Benfica, em janeiro deste ano. Porque esses eram os …

Entidade para a Transparência. Governo quer que o processo seja célere, mas leva atraso de 2 anos

O Governo quer celeridade no processo de criação e instalação da Entidade para a Transparência, um organismo que já foi aprovado há dois anos. Numa audição na Comissão da Transparência, sobre a criação e instalação da …