/

Jovens anti-capitalistas estão a partilhar dicas para roubar lojas no TikTok

Vários jovens estão a recorrer ao TikTok para partilharem dicas de como roubar lojas. O movimento, conhecido como “Borrowing TikTok”, defende que tem razões anti-capitalistas na sua origem.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Lucy, nome fictício de uma jovem de 18 anos, começou a roubar lojas há cerca de um ano. Agora, dirige uma conta no TikTok onde ensina dicas de como fazer o mesmo, a mais de 30 mil pessoas. Lucy foi pioneira num movimento que ficou conhecido como “Borrowing TikTok”, conta a VICE.

Deste movimento fazem parte outras pessoas, maioritariamente jovens, que optam obviamente por manter o anonimato. A rede social encheu-se de tutoriais de como roubar determinados itens em determinadas lojas. A hashtag #borrowingtips conta com mais de 95 milhões de visualizações.

“Eu normalmente recebo perguntas sobre o que é mais fácil de roubar, onde é mais fácil de o fazer, como evitar câmaras e seguranças, e como tirar as etiquetas de segurança”, explica Lucy. “Principalmente coisas que os iniciantes querem saber para não serem presos”.

De acordo com os envolvidos neste movimento, o “Borrowing TikTok” é muito mais do que simplesmente ensinar pessoas a roubar. É algo intrinsecamente enraizado na política das empresas.

Esta comunidade de TikTokers é principalmente natural dos Estados Unidos, embora utilizadores de outros países como Reino Unido e Austrália também estejam a aderir. Eles apenas roubam de grandes cadeias de lojas.

“Temos tantas empresas que não se importam com os seus clientes, apenas com ganhar dinheiro”, diz Destiny, uma jovem norte-americana ouvida pela VICE. “Se pudermos punir a empresa, sentimos que fizemos o nosso melhor”.

É um crime ponderado. Antes de decidirem roubar uma loja, os utilizadores avaliam a política da empresa para perceber se são eticamente aceitáveis ou não. Um alvo tido em conta é, por exemplo, a Victoria’s Secret, que cujo Chief Marketing Officer (CMO) fez comentários transfóbicos, em 2018.

Enquanto Lucy explicou que o aspeto anti-capitalismo é apenas um benefício extra para ela, no caso de Destiny é algo bem mais importante. A jovem diz que roubou artigos para animais de estimação de uma loja que pensava maltratar os animais. Depois de os roubar, doou-os a um canil local.

Regra geral, os itens roubados nunca são muito caros, não ultrapassando a barreira dos 20 dólares.

PUBLICIDADE

Terrence Shulman, antigo ladrão de lojas, explica que por vezes as lojas acabam por aumentar os preços para recuperarem as perdas dos itens roubados.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.