Famintos e perigosos. Os javalis estão a contribuir (amplamente) para as mudanças climáticas

Destroem plantações, ameaçam outras espécies e espalham doenças. Os javalis têm um currículo pouco amigável, que faz com que não seja desejável tê-los por perto. Agora, um novo estudo mostra o seu impacto nas mudanças climáticas.

A sua busca incessante por comida faz com que estes animais vasculhem o solo, remexendo a terra a um nível muito profundo.

Os cientistas já tinham conhecimento que este método – que busca saciar as suas elevadas necessidades alimentares – ajuda a libertar o carbono que está preso no solo, mas não sabiam até que ponto isso seria extremamente prejudicial para o meio ambiente.

Contudo, uma equipa de investigadores da Universidade de Queensland, na Austrália, calculou o impacto desta atividade tida pelos porcos selvagens. Assim, perceberam que as emissões de dióxido de carbono que produzem anualmente são iguais às de mais de um milhão de carros.

Os javalis liberam cerca de 4,9 milhões de toneladas métricas de dióxido de carbono por ano em todo o mundo, o equivalente a 1,1 milhão de carros, revela o estudo publicado na Global Change Biology.

Para chegar a estas conclusões, a equipa usou modelos de previsão populacional e, ao mesmo tempo, que recorreu a técnicas avançadas de mapeamento.

Christopher O’Bryan, um dos autores do estudo, alerta que a crescente população de porcos selvagens no mundo pode ser uma grande ameaça ao clima.

“Os javalis são como tratores que trabalham os campos, pois mexem no solo em busca de alimento”, explicou o investigador, citado pelo Cienciaplus, acrescentando que “o solo contém quase três vezes mais carbono do que a atmosfera, por isso, mesmo uma pequena fração do carbono emitida pelo solo pode acelerar as mudanças climáticas”.

O especialista frisa que os javalis “estão a desenraizar uma área entre 36.000 e 124.000 quilómetros quadrados, em ambientes onde não são nativos”, o que pode não só ter consequências a nível da saúde do solo, como também ameaça “a biodiversidade e a segurança alimentar, que são cruciais para o desenvolvimento sustentável”.

Nicholas Patton, estudante de doutoramento da Universidade de Canterbury, aponta que “as espécies invasoras são um problema causado pelo homem, por isso devemos reconhecer e assumir a responsabilidade pelas suas implicações ambientais e ecológicas”.

Assumir o controlo desta situação pode não ser uma tarefa fácil, ainda assim, Patton afirma que esta monitorização “certamente irá exigir cooperação e colaboração entre várias jurisdições, sendo que o nosso trabalho é apenas uma peça do quebra-cabeças, que ajuda os governantes a entender o impacto”.

Para Patton, é necessário que mais “trabalho seja feito, mas, enquanto isso, devemos continuar a proteger e monitorizar os ecossistemas e os solos, que são suscetíveis a espécies invasoras devido à perda de carbono”.

Ainda assim, O’Bryan relembra, que a maioria dos esforços de erradicação também produz carbono.

“Se entrarmos num helicóptero e começarmos a atirar em porcos, ou montarmos armadilhas, construindo cercas, também estamos a causar emissões”, alerta o especialista.

Para já, ainda não foi encontrada uma solução simples e barata. Isto significa que os animais irão continuar a vaguear e a desenterrar o que antes era carbono enterrado, escreve o Wired.

  Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Ao que a espécie humana chegou! isto é o homem sem tabus, comparar um javali com um trator! estas teses de doutoramento servem para quê? bem eu não sei, e também ninguém me diz, mas se os porcos são muitos, em vez de criar porcos que é pior para o ambiente, caçam-se e comem-se, e nada se desperdiça, tudo se transforma, quem está a destruir o mundo é o homem, um quilometro de folha não chega para escrever o que o homem faz, e não devia fazer! claro em vez de um helicóptero, de vez em quando mande-lhe uns mísseis para cima, isto são os doutores que vão governar o mundo.

  2. Que eles destroem tudo o que podem lá isso é verdade, ainda ontem fui a uma propriedade minha e reparei que a de um vizinho que está vedada com parede a pedra tinha uma quantidade de metros alagada pelos javalis, pois estes procuram caracóis escondidos dentre das paredes, os milheirais que alguns poucos semearam levaram todos a mesma volta, será um ponto final dessa cultura aqui na aldeia!

  3. Pois eu sei, mas também sei que há a possibilidade de se fazerem caçadas legais, não aquelas que aconteceram naquela herdade que toda a gente sabe, mas uma caça que respeita os dois lados, há caçadores por tudo o país, e a caça responsavel é benéfica, uma vez que o homem afasta as raposas e os lobos tem que ser ele o responsavel para manter o equilibrio, com práticas sérias e responsaveis.

    • Cabe aos governantes entenderem o que se passa no país, se autorizam a caça ao tordo e perdiz que estão em vias de extinção, por que razão não autorizar o abate destes animais em massa que destroem as culturas aos agricultores?

      • Possivelmente os javalis já existiam nas áreas agora utilizadas na agricultura. O melhor será matar tudo. Certo ?

        • Certamente que existiram antes da ocupação humana, nos tempos atuais têm vindo a ocupar todo o país o que prejudica e de que maneira quem vive da agricultura, mas possivelmente o senhor vive em cidade e, aí não necessitam de nada vindo do campo, está tudo na prateleira do supermercado, não será assim?

RESPONDER

Mais de 30 mil mulheres polacas recorreram a métodos de aborto ilegais ou no estrangeiro desde a alteração na lei

Proibição à interrupção voluntária da gravidez entrou em vigor no início deste ano e as  exceções só se aplicam a casos de violações, incestos ou quando a saúde da mãe está em risco. Pelo menos 34 …

Fenprof anuncia nova greve no dia 12 e concentração em frente ao Parlamento

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) anunciou, esta sexta-feira, a realização de uma concentração em frente à Assembleia da República no dia 5 de novembro e a adesão à greve nacional da Administração Pública marcada …

Luis Díaz será a prioridade do Newcastle

Valor de mercado será agora inacessível para os clubes italianos, escreve-se... em Itália. O novo Newcastle deverá atacar o mercado do futebol com estrondo, possivelmente já daqui a pouco mais de dois meses, e a prioridade …

Rui Rio, presidente do PSD

Rio apresenta recandidatura. "Seria muito prejudicial para o país se o PSD mudasse agora de líder"

O presidente do PSD apresentou, esta sexta-feira, na cidade do Porto, a sua recandidatura à liderança, tendo considerado que "seria muito prejudicial", não só para o país como para o partido, mudar agora de líder. Rui …

"Conquistem a vaga no relvado": aviso à UEFA sobre a nova Liga dos Campeões

Associação das Ligas Europeias contra vagas garantidas para clubes que não terminarem o campeonato nacional num dos primeiros lugares. A reunião da Associação das Ligas Europeias de futebol terminou com o reforço de posições públicas contra …

Bloco diz que as suas nove propostas foram rejeitadas. Governo aponta avanços em sete

O Bloco considerou, esta sexta-feira, que o Governo recusou as suas nove propostas para chegar a acordo no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). O Executivo, por sua vez, considera que há avanços negociais em …

Comissão de inquérito ao Novo Banco. PSD frisa "maioria popular", PS queixa-se de "partidarite"

Os partidos apreciaram, esta sexta-feira, o relatório final da comissão de inquérito ao Novo Banco, aprovado em julho, com o PSD a destacar a "maioria popular" nas conclusões e o PS a criticar a "partidarite" …

"Falta de respeito". Patrões abandonam Concertação Social e pedem audiência a Marcelo

As quatro confederações patronais suspenderam, esta sexta-feira, a sua participação nas reuniões da Concertação Social e decidiram solicitar uma audiência ao Presidente da República, perante a "desconsideração do Governo pelos parceiros sociais" na discussão sobre …

Parlamento aprova diplomas para alargar gratuitidade das creches e "direito ao esquecimento"

O Parlamento aprovou, esta sexta-feira, um projeto-lei para o alargamento da gratuitidade das creches e de soluções equiparadas e ainda um diploma que consagra o "direito ao esquecimento". A Assembleia da República aprovou um projeto-lei do …

Costa está muito empenhado num acordo pelo OE, mas não "a qualquer preço"

O primeiro-ministro disse, esta sexta-feira, que o Governo vai fazer tudo ao seu alcance para chegar a um acordo sobre o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), mas advertiu que "um acordo não se obtém …