Já é possível “experimentar a morte” (e sobreviver para contar)

O designer holandês Frank Holkman criou um dispositivo de realidade virtual que permite experimentar o que sente uma pessoa na hora da morte.

A morte faz parte da vida do ser humano, mas pode acarretar consequências psicológicas, como a ansiedade, que poderão ter repercussões no nosso bem-estar.

Para combater a “ansiedade da morte” em pacientes terminais, o designer Frank Kolkman criou um dispositivo que simula uma experiência de “quase-morte” fazendo uso da realidade virtual. Kolkman espera que a experiência possa reduzir a angústia provocada pelo conhecimento prévio da morte.

O dispositivo chama-se Outrospectre e é composto por uma cabeça robótica, equipada com uma câmara 3D em cada olho. Uma vez acionado, o aparelho afasta-se pouco a pouco da pessoa que está a experimentá-lo.

A cabeça artificial segue os movimentos da cabeça da pessoa em tempo real, e transmite a imagem e o som – através de óculos de realidade aumentada e fones – fazendo com que a pessoa tenha a perceção de que se está a afastar de si mesma.

O dispositivo de Kolkman baseia-se em imagens do ambiente real, em vez de se basear em imagens geradas por computador. Para que a experiência se torne ainda mais real, o designer acrescentou um pequeno martelo que bate no peito do participante, imitando o bater de um coração.

“A experiência torna-se mais credível quando o participante se apercebe do que está a acontecer — do ponto de vista mental — mas é, ao mesmo tempo, contrariado pelos seus sentimentos”, afirma Kolkman.

Os visitantes da Dutch Design Week, em Eindhoven, na Holanda, foram convidados a experimentar o dispositivo que explora como as novas tecnologias podem ser capazes de resolver problemas psicológicos, como o medo da morte.

Segundo a Dezeen, a maioria das pessoas que experimentaram o Outrospectre afirma que tiveram a sensação física de estar em dois locais distintos ao mesmo tempo.

Com o Outrospectre, Kolkman pretende provar que os designers podem ser capazes de introduzir uma nova cultura de aceitação da morte. “Atualmente, o foco da medicina é manter os pacientes vivos, em vez de melhorar a qualidade do tempo que lhes resta”, diz o designer, formado no Royal College of Art.

O medo da morte é um tema negligenciado“, diz o designer. “Se começássemos a tratar a ansiedade em torno da morte, o processo poderia tornar-se mais confortável”. Frank Kolkman realça ainda que a maioria das pessoas morreu no hospital e que “as mortes foram, assim, transformadas em experiências médicas“.

Esta tecnologia ainda está em fase de desenvolvimento, mas o próximo passo é realizar testes científicos para que o instrumento possa ser utilizado no tratamento de doentes terminais, a fim de aliviar o seu último período de vida e combater o medo da morte.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

PS e CDS na Madeira desencontrados, PSD e Bloco continuam no Norte

No arranque da segunda semana de campanha para as autárquicas, os líderes do PS e do CDS-PP apostam na Madeira mas com horários desencontrados, enquanto BE e PSD continuam a norte, e PAN e PCP …

Confronto entre EUA e China é "perigoso para o mundo", alerta Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou no domingo que um confronto entre os Estados Unidos (EUA) e a China é "perigoso para o mundo" e que, apesar das diferenças, há áreas onde …

Portugal recebeu no domingo grupo de 80 afegãos

Portugal recebeu no domingo 80 afegãos, na maioria atletas da equipa de futebol feminino e seus agregados familiares, elevando para 178 o total de cidadãos acolhidos após a emergência humanitária no Afeganistão, anunciou esta segunda-feira …

Inspeção obrigatória das motas começa em janeiro de 2022

Quase dez anos depois de a medida ter sido aprovada pelo Governo, a inspeção obrigatória de motas com mais de 125 cc vai arrancar em janeiro de 2022. Jorge Delgado, secretário de Estado das Infraestruturas, referiu …

André Ventura - Chega

Ventura diz que PSD está "igual" ao PS - e desafia Rio a justificar atraso no interior

O líder do Chega, André Ventura, manifestou-se hoje preocupado com o panorama político à direita, observando que o PSD está “igual” ao PS e acusando ambos os partidos de terem abandonado o interior do país. “Estou …

Sem Cristiano, o que se passa com a Juventus?

Nenhum triunfo em quatro jornadas do campeonato. Não acontecia há 60 anos. E o problema maior não estará no ataque, apesar da saída de Cristiano Ronaldo. Estreia na temporada: 2-2 no terreno da Udinese. Receber o …

Pacto AUKUS. Nova aliança dos EUA na Ásia-Pacífico pode levar a "corrida às armas nucleares"

A nova aliança dos Estados Unidos (EUA) na região da Ásia-Pacífico e a recente compra de submarinos norte-americanos por parte da Austrália pode desencadear uma "corrida às armas nucleares" na região, avisou esta segunda-feira a …

Costa foi omnipresente, agradeceu a regueifa e recarregou a "bazuca" como arma política

António Costa correu oito concelhos do Norte, em missão de campanha eleitoral. A "bazuca" europeia é usada como arma política, assim como a gestão da pandemia. A pandemia era um ponto de inflexão para as eleições …

"Queremos justiça", exigem famílias de vítimas do ataque em Cabul. CIA alertou para a presença de civis

A família das 10 vítimas mortais do ataque com drone dos EUA a um veículo em Cabul exigem que os operadores sejam julgados em tribunal. A CIA terá alertado para a presença de civis segundos …

Rio abre o jogo sobre o futuro do PSD. Não se recandidata se fizer "igual, pior ou muito pouquinho melhor"

Líder social-democrata deu a conhecer o que é, para o próprio, um bom resultado nas próximas autárquicas, recusou-se a falar sobre as movimentações internas no PSD, expôs o papel do partido na votação do OE …