Irão vai reiniciar atividades nucleares em resposta aos EUA

rouhani.ir

O presidente do Irão, Hassan Rouhani

Depois de os Estados Unidos (EUA) terem enviado um porta-aviões e bombardeiros para o Médio Oriente em resposta a “indicações e avisos” do Irão, a República Islâmica prepara-se para reiniciar parte do seu programa nuclear, em resposta à retirada norte-americana do acordo assinado em 2015.

O Presidente iraniano Hassan Rouahni vai anunciar na quarta-feira que o seu país reduzirá alguns dos compromissos “menores e gerais” que assumiu ao abrigo do acordo de 2015 – exatamente um ano depois de o Presidente Donald Trump ter anunciado que os EUA se retiravam do acordo nuclear. A notícia foi avançada pela agência iraniana IRIB, disse a Reuters, citando uma fonte próxima da comissão que gere o acordo.

Segundo informou o Público, outra agência semi-oficial, a ISNA, noticiou que na quarta-feira o Irão anunciará “ações recíprocas” em relação à retirada dos EUA do acordo nuclear, citando “fontes bem informadas”. Disse ainda que alguns líderes da União Europeia (UE) tinham sido “informados não oficialmente” desta decisão iraniana. Alemanha, França, Reino Unido, Rússia e China assinaram também o acordo, e continuam a apoiá-lo.

Nos termos do acordado em 2015, o Irão restringiu a capacidade do seu programa de enriquecimento de urânio – o processo industrial necessário para vir a desenvolver armas nucleares –, em troca do levantamento da maioria das sanções internacionais.

Os inspetores da Agência Internacional de Energia Atómica têm verificado repetidamente que o Irão cumpre o acordo. Israel e Arábia Saudita, não satisfeitos com este triunfo diplomático da Administração Obama – que não fazia qualquer menção ao desenvolvimento de tecnologia militar, uma preocupação destes Estados do Médio Oriente -, convenceram a Administração Trump a sair do acordo e os EUA repuseram sanções ao Irão.

Quanto ao envio do porta-aviões USS Abraham Lincoln para o Golfo Pérsico, o conselheiro de Segurança Nacional norte-americano, John Bolton, conhecido pela postura agressiva em relação ao Irão, disse que o objetivo era mostrar que Washington responderá com “uma força implacável” a qualquer ataque.

“Os EUA não estão à procura de uma guerra com o regime do Irão, mas estamos preparados para responder a qualquer ataque, seja através de intermediários, dos Guardas da Revolução ou das forças regulares iranianas”, afirmou.

Responsáveis militares dos EUA disseram ao New York Times que na origem da deslocação do porta-aviões estariam ameaças às tropas norte-americanas no Iraque por parte de forças ligadas ao regime iraniano.

As tensões entre os EUA e o Irão aumentaram há um ano, quando Donald Trump anunciou a retirada do seu país do acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano. Na altura não foram fornecidas provas de que o Irão estivesse a violar esse acordo.

Nos últimos tempos, a Casa Branca anunciou que vai retirar as autorizações à compra de petróleo iraniano, numa tentativa de reduzir as exportações do país a zero, e designou os Guardas da Revolução como uma organização terrorista, uma medida inédita que foi recebida no Irão como uma provocação.

TP, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Porsche e Boeing unem-se em projeto de táxi aéreo premium

A Porsche e a Boeing estão a unir esforços para explorar o mercado de mobilidade área urbana. Aproveitando os seus pontos fortes, as duas empresas prometem desenvolver um táxi aéreo para o futuro. Numa verdadeira fusão …

Fotografia com pombos? Na Tailândia, há "profissionais" contratados para assustá-los

A área de uma das portas da cidade, Tha Pae, parte do que resta da muralha vermelha que protegia a cidade antiga em Chiang Mai, na Tailândia, é uma das maiores atrações turísticas locais. Os turistas …

Sky News lança canal sem qualquer notícia sobre o Brexit

O canal Sky News Brexit-Free foi esta quarta-feira para o ar às 17h horas, sendo que os seus programas serão transmitidos até às 22h, de segunda a sexta-feira. O grupo de televisão britânico Sky vai lançou …

Vacina contra o cancro da mama pode estar disponível dentro de 8 anos

Investigadores da Clínica Mayo desenvolveram uma vacina contra o cancro ovário e da mama que poderá estar disponível comercialmente dentro de apenas oito anos. A ideia da vacina é estimular o próprio sistema imunológico dos pacientes …

Busca pelo avião de Amelia Earhart só encontrou chapéus, detritos de um naufrágio e uma lata de refrigerante

A mais recente busca pelos restos do avião de Amelia Earhart, a famosa aviadora americana que desapareceu sobre o Pacífico em 1937, terminou sem resultados. De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, a investigação …

Protestos em Hong Kong. LeBron acusado de apoiar regime chinês

A super estrela do basquetebol LeBron James juntou-se à polémica entre a NBA e a China, após apelidar de “mal-informado” o treinador dos Houston Rockets, Daryl Morey, que expressou apoio aos manifestantes em Hong Kong …

Acordo para o Brexit está "prestes a ficar fechado"

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, disseram esta quarta-feira que um acordo para o Brexit está em finalização e poderá ser apresentado quinta-feira para aprovação no Conselho Europeu. "Quero acreditar que …

Em Chernobyl, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram para trás"

Chernobyl é, atualmente, a maior atração internacional da Ucrânia e o novo presidente, Volodymyr Zelenski, já apresentou um projeto para trazer ainda mais turistas. No entanto, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram …

Huawei afirma que a tecnologia 6G vai estar disponível daqui a 10 anos

O CEO da Huawei, Ren Zhengfei, assinalou, durante uma entrevista à CNBC, que a sua empresa está a trabalhar em redes móveis 6G, que estarão completamente desenvolvidas daqui a 10 anos.   "Trabalhámos em 5G e 6G …

Nazismo e comunismo classificados em pé de igualdade pelo Parlamento Europeu

No passado dia 19 de setembro, a União Europeia colocou comunismo e nazismo em pé de igualdade, depois de aprovar no Parlamento Europeu uma resolução condenando ambos os regimes por terem cometido "genocídios e deportações …