/

Inundação histórica do Nilo ameaça as esquecidas pirâmides do Sudão

As misteriosas pirâmides do Sudão que existem há séculos estão agora ameaçadas por uma inundação histórica do rio Nilo que já matou pessoas no país.

Os agricultores do Sudão dependem do Nilo há gerações. Todos os anos há inundações, mas, este ano, as águas do maior rio da África atingiram níveis sem precedentes. De acordo com a France 24, arqueólogos que trabalham na área afirmaram que “alguns dos níveis mais altos de rios já registados” resultaram em inundações catastróficas no Sudão. Acredita-se que as inundações são as piores em mais de um século.

Até agora, cerca de “99 mortes registadas foram causadas por afogamento, deslizamentos de terra e desabamento de edifícios”, de acordo a emissora britânica BBC. A maioria dos estados foi afetada e quase meio milhão de pessoas ficaram desalojadas. Na semana passada, o Governo declarou estado de emergência no Sudão.

A inundação está a ameaçar o sítio arqueológico de Al-Bajrawiya, antes conhecido como Meroë, que foi a capital de um antigo império africano. A cidade de Meroë foi fundada no século IX a.C e fazia parte do Império Kushita, que conquistou o Egito. Mais tarde, a cidade tornou-se a capital do estado Kushita, também conhecido como Império Meroítico, um império tão poderoso que resistiu às tentativas romanas de conquistá-lo no século I. Acabou por cair depois de ser invadido pelo Reino de Aksum da Etiópia.

O Património Mundial da UNESCO em Al-Bajrawiya fica a 195 quilómetros ao norte de Cartum. Possui um grande número de ruínas importantes, incluindo templos e palácios. Os vestígios mais conhecidos no local são as pirâmides, originalmente criadas sob a influência do Egito.

As pirâmides do Sudão são os vestígios remanescentes de monumentos funerários maciços de monarcas mortos que foram posteriormente adotados pelas elites provinciais. Também conhecidas como pirâmides da Núbia, são mais pequenas do que as do norte e costumam ter templos de ofertas na sua base, com desenhos kushitas distintos.

Segundo a The Atlantic, têm bases estreitas e ângulos íngremes nas laterais e têm “elementos decorativos das culturas do Egito faraónico, Grécia e Roma”.

As pirâmides estão situadas em vários cemitérios reais em Al-Bajrawiya.

Normalmente, este local fica a cerca de 500 metros das águas do Nilo Azul. “As inundações nunca afetaram o local antes”, disse Marc Maillot, líder da Unidade Arqueológica Francesa no Serviço de Antiguidades do Sudão, em declarações à Naharnet.  As equipas construíram defesas com paredes de sacos de areia e estão a bombear água para salvar as ruínas e pirâmides de Al-Bajrawiya.

O Ministro da Cultura do Sudão visitou o local para monitorizar o que estava a ser feito para salvá-lo. “A situação está atualmente sob controle, mas se o nível do Nilo continuar a subir, as medidas podem não ser suficientes”, disse Maillot, citado pelo Al Jazeera.

Embora a ameaça às pirâmides e às ruínas da capital Kushite possa ter diminuído, há preocupações crescentes. O OCHA, organização humanitária da ONU, alertou que “a situação pode piorar nos próximos dias”. Os metrologistas previram fortes chuvas na Etiópia e no Sudão e isso pode levar às fortes inundações do Nilo Azul novamente.

Acredita-se que vários outros sítios arqueológicos na vasta nação africana também estão em risco se as águas subirem ainda mais.

Poucos estrangeiros nos últimos anos visitaram as pirâmides do Sudão por causa das sanções ocidentais internacionais ao governo de Cartum e muitos dos monumentos históricos do país foram danificados por ladrões em busca de ouro.

Acredita-se que o Sudão abrigue mais pirâmides do que o Egito, embora muitas delas não tenham sido investigadas nem escavadas.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.