O interior da Terra flui mais dinamicamente do que se pensava

Cientistas liderados pela portuguesa Ana Ferreira concluíram que o manto terrestre flui mais dinamicamente do que se pensava, com implicações no arrefecimento mais rápido do interior da Terra e na evolução do planeta.

O manto, que controla a ocorrência de sismos e erupções vulcânicas, é a camada da estrutura interna da Terra que fica entre a crosta e o núcleo. Há um manto superior, entre os cerca de 30 e 660 quilómetros de profundidade, e um inferior, entre os 660 e os cerca de 3.000 quilómetros de profundidade.

No manto, o movimento do material rochoso muito quente que o compõe, em estado mais pastoso ou mais fluido consoante a profundidade, caracteriza-se por ser muito lento ao longo do tempo. A tese que prevalecia é que esse movimento aumentava a uma profundidade até 660 quilómetros (manto superior).

Ana Ferreira, investigadora do Departamento de Ciências da Terra da University College London, no Reino Unido, e a sua equipa descobriram que o manto inferior é, afinal, na zona mais no topo, mais dinâmico do que se pensava anteriormente.

“Se é mais dinâmico, isto sugere que o interior do nosso planeta esteja a arrefecer mais rapidamente”, assinalou à Lusa a especialista em sismologia, explicando que o arrefecimento do interior da Terra se deve ao calor que é transmitido do núcleo, formado por ferro líquido muito quente, para o manto e do manto para a crosta.

Segundo os autores do estudo, publicado na revista Nature Geoscience, a descoberta poderá ajudar a entender a própria dinâmica da evolução da Terra e de outros planetas do Sistema Solar, como Vénus, que é semelhante à Terra em termos de tamanho, massa e composição, mas que não tem placas tectónicas.

“Percebendo a dinâmica do nosso planeta com mais detalhe, no futuro ajudará a perceber a origem das placas tectónicas e da própria vida na Terra”, sustentou Ana Ferreira, acrescentando que as placas tectónicas mantêm “o clima estável” no planeta.

O grupo coordenado pela investigadora portuguesa descobriu que o topo do manto terrestre inferior é mais dinâmico do que se pensava antes, sobretudo na América do Sul, no Japão, nas Filipinas e no Tonga, zonas onde “antigos fundos de oceanos, densos e frios” atravessaram o manto terrestre ao longo de milhões de anos.

Para chegar a esta conclusão, a equipa, que incluiu cientistas de Itália e da Coreia do Sul, construiu imagens computorizadas do interior da Terra a partir das ondas sísmicas resultantes de tremores de terra e que foram registadas nos últimos 20 anos por sismógrafos um pouco por todo o mundo.

Depois, com métodos computacionais avançados, simulou a evolução do manto terrestre e verificou a compatibilidade dos cenários com as imagens.

De acordo com Ana Ferreira, o mecanismo de movimento que “domina no manto superior” é igualmente extensível ao manto inferior, com os especialistas a atribuírem este movimento a “defeitos nas redes cristalinas das rochas a grande escala” que o compõem.

Numa próxima etapa da investigação, a mesma equipa científica pretende aferir se a mesma dinâmica do manto terrestre se se verifica em regiões em que “material quente”, fruto da “interação entre manto e núcleo”, subiu para superfície. São “candidatos” a essas regiões, como chama Ana Ferreira, os arquipélagos dos Açores, das Canárias, do Hawai, das Galápagos e do Tonga.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Para ouvir a nova música dos Pearl Jam tem de apontar o telemóvel para a Lua

A banda de rock norte-americana Pearl Jam está empenhada em usar as tecnologias ao serviço da criatividade e da promoção do novo disco, que vai ser lançado no dia 27 de março. Uma semana antes do …

Roedor gigante pré-histórico tinha um cérebro de apenas 113 gramas

O crânio de um roedor que viveu há dez milhões de anos, na América do Sul, indica que, apesar de este animal ter sido grande e pesado, o seu cérebro era totalmente o oposto. De acordo …

"Estrela da Morte". Trump tem máquina de desinformação de mil milhões de dólares para ser reeleito

Face às eleições presidenciais dos EUA que se realizem este ano, Donald Trump montou uma máquina de desinformação, conhecida por "Estrela da Morte", avaliada em 1 mil milhão de dólares. Enquanto se desenrolam as primárias democratas …

Procura mundial de petróleo pode alcançar o seu nível mais baixo numa década por causa do coronavírus

O surto de coronavírus afetará de forma "significativa" a procura global por petróleo, podendo esta atingir o seu nível de procura mais baixo numa década, alerta a Agência Internacional de Energia (IEA). Com a desaceleração da …

Vitória SC 1-2 Porto | “Dragão” cola-se à liderança

A Liga NOS está ao rubro. O FC Porto foi a Guimarães vencer o Vitória SC por 2-1 e está a apenas um ponto da liderança do campeonato, na sequência da derrota do Benfica no …

Ventura não faz "fretes". Chega não viabilizará Governo do PSD se não houver cedências

Para governar com a direita, o PSD precisa do recém-eleito Chega. No entanto, há características que separam os partidos: enquanto que os sociais-democratas se querem estabelecer ao centro, André Ventura estabelece linhas vermelhas e não …

Egito atinge 100 milhões de habitantes (mas não há grandes motivos para celebrar)

A população do Egito atingiu os 100 milhões de habitantes, tornando-se no país árabe mais populoso e o terceiro em África atrás da Etiópia e da Nigéria, anunciaram ontem as autoridades. O calculador eletrónico instalado no …

Coronavírus: Há mais dois casos suspeitos em Portugal

Há mais dois casos suspeitos de infeção por coronavírus em Portugal. Os doentes, que vieram da China, já foram encaminhados para o Hospital Curry Cabral, em Lisboa, e para o Hospital de São João, no …

Morreu o ator Tozé Martinho

O ator António José Bastos de Oliveira Martinho, mais conhecido como Tozé Martinho, morreu este domingo aos 72 anos. Tozé Martinho morreu este domingo, aos 72 anos. O ator foi levado para o Hospital de Cascais, …

NASA já tem um preço para a próxima alunagem

O responsável pelos voos tripulados da NASA, Doug Loverro, revelou esta semana que a agência espacial vai precisar de  35 mil milhões de dólares nos próximos quatro anos para conseguir voltar a pisar a Lua …