Inquietação causada pela covid-19 levará a aumento de protestos a nível global, prevêem analistas

Kim Ludbrook / EPA

O impacto económico do coronavírus é um “barril de pólvora” que causará maior inquietação e instabilidade civil nos países em desenvolvimento no segundo semestre de 2020, levando a um aumento no número de protestos, revela uma pesquisa da empresa análise de riscos globais Verisk Maplecroft.

Segundo a pesquisa, divulgada na quinta-feira e citada pelo Guardian esta sexta-feira, os países em maior risco de enfrentarem esta “tempestade perfeita” – nos quais os protestos provocados pelas consequências económicas da pandemia inflamarão as queixas já existentes – incluem a Nigéria, o Irão, Bangladesh, a Argélia e a Etiópia.

Trinta e sete países, localizados maioritariamente em África e na América Latina, podem enfrentar protestos sem precedentes durante os próximos três anos, alertou a Verisk Maplecroft. Apesar de menor, o risco em países como a Índia, o Brasil, a Rússia, a África do Sul, a Indonésia e a Turquia, também constitui uma ameaça à estabilidade.

Nos Estados Unidos (EUA) – onde persistem os protestos associados ao movimento ‘Black Lives Matter’, desencadeado pelo assassinato de George Floyd -, as manifestações também aumentarão. A combinação desses protestos com a crescente frustração causada pela perda de empregos e a fraca resposta à pandemia por parte do Presidente Donald Trump, levarão a uma maior inquietação, algo que para os analistas é “inevitável”.

Dados da Organização Não Governamental (ONG) Armed Conflict Location and Event Data (ACLED) mostram que a agitação civil caiu em março deste ano, em consequência das medidas de contenção impostas pelos governos.

Para Miha Hribernik, principal analista da Verisk Maplecroft, o número total de protestos nos países em desenvolvimento já quase atingiu os níveis pré-pandémicos, à medida que ressurgem as queixas de longa data sobre desigualdades socioeconómicas, direitos civis e políticos e corrupção do governo.

“Com muitos países ainda em confinamento, e com o impacto económico resultante do vírus ainda longe de ser atingido, prevemos que o número de protestos aumente nos próximos dois a três meses”, disse Hribernik, que usou cinco fatores para determinar a capacidade de 142 países em recuperar da pandemia, bem como dados de protestos anteriores para determinar as projeções relativamente às manifestações.

Craig Lassig / EPA

Protestos em Minneapolis, no Minnesota, Estados Unidos, contra a morte de George Floyd

“Podemos ver que, quando o bloqueio começou, a grande maioria dos protestos estava relacionada à covid-19. Tivemos protestos por causa de alimentos em Manila [Filipinas] e protestos em Bangladesh por causa das indústrias de vestuário”, referiu.

Pelo menos 166 pessoas morreram durante manifestações violentas na Etiópia nas últimas semanas, após o assassinato do músico Haacaaluu Hundeessaa, membro da etnia Oromo, uma das principais vozes contra o governo.

Em 2019, a Verisk Maplecroft registou 47 países com um aumento significativo de protestos, incluindo Hong Kong, Chile, Nigéria, Sudão e Haiti. Já nessa previsão registava um aumento de manifestações em 2020.

“Foi um fenómeno global no ano passado”, afirmou Hribernik. “Cada protesto foi único, primeiramente motivado pela inquietação motivada pela desigualdade, corrupção, erosão da confiança nas elites políticas. Não são problemas que podem ser resolvidos da noite para o dia. São questões estruturais que levam anos ou décadas para serem resolvidas”.

Países de todas as regiões, exceto da Europa, enquadram-se agora na categoria de maior risco, de acordo com o índice de recuperação estabelecido pela empresa para os próximos seis meses. Para determinar os impactos na recuperação, esse índice avalia a força das instituições estatais, a conetividade física e digital, o dinamismo económico, a sensibilidade da população e fatores como desastres naturais ou terrorismo.

A “nossa análise de janeiro – que apontava um aumento de protestos em 2020 e para uma próxima década marcada por distúrbios sem precedentes – ainda permanece”, acrescentou Hribernik.

Na África subsaariana, a Verisk Maplecroft espera que os protestos se intensifiquem devido ao declínio económico, à pobreza e à incapacidade de garantir produtos alimentares. Na América Latina, a Venezuela é o país em maior risco de aumento de manifestações.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Tim Cook acaba de se juntar ao clube dos milionário à boleia de recorde histórico da Apple

O diretor-executivo (CEO) da Apple, Tim Cook, acaba de se juntar à lista de multimilionários do mundo, depois de a gigante tecnológica norte-americana atingir um valor de mercado histórico. De acordo com os cálculos da …

Cientistas calculam probabilidade de contágio ao viajar de comboio

Investigadores da Universidade de Southampton, no Reino Unido, calcularam a probabilidade de contrair covid-19 ao viajar numa carruagem de comboio com uma pessoa infetada. Em colaboração com a Academia Chinesa de Ciências, a Academia Chinesa de …

Hong Kong. Magnata da imprensa Jimmy Lai libertado sob caução

O magnata da imprensa e uma das principais figuras do movimento pró-democracia de Hong Kong Jimmy Lai foi esta terça-feira libertado sob caução, constatou a agência France-Presse. Jimmy Lai tinha sido detido na segunda-feira, ao …

Lar de Reguengos de Monsaraz diz ter feito tudo para salvar vidas

A direção do lar de Reguengos de Monsaraz (Évora) onde surgiu o surto de covid-19 que causou 18 mortos garantiu ter feito “tudo” ao seu “alcance” para “salvar vidas”, nesta “crise” com “contornos dramáticos”. A Fundação …

Israel fecha os olhos e deixa palestinianos cruzarem a fronteira para ir a banhos

As autoridades israelitas têm deixado milhares de palestinianos cruzar a barreira de separação entre os dois territórios para poderem ir às praias. Este foi um fim-de-semana muito especial para Siham e os seus cinco filhos. …

Diabéticos e hipertensos voltam a ter faltas justificadas

Os diabéticos e hipertensos sem condições para desempenharem funções em teletrabalho voltam a ter direito a justificar as faltas ao trabalho devido à pandemia de covid-19, segundo um diploma publicado em Diário da República. “Os imunodeprimidos …

Deputada da Coreia do Sul debaixo de fogo. Usou um vestido no Parlamento

Na semana passada, a deputada sul-coreana Ryu Ho-jeong usou um vestido numa assembleia legislativa, sendo bombardeada com críticas que gerou um debate sobre sexismo e a cultura patriacal do país. De acordo com a CNN, na …

SC Braga oficializa "top gun" Gaitán por duas temporadas

O internacional argentino Nicolas Gaitán assinou um contrato com o Sporting de Braga válido por uma época, com outra de opção, informou esta terça-feira o clube minhoto da I Liga de futebol. Formado no Boca Juniors, …

Vacina russa chama-se "Sputnik V" e foi já pedida por 20 países

A vacina russa contra a covid-19, cujo registo foi esta terça-feira anunciado pelo Presidente, Vladimir Putin, chama-se "Sputnik V", vai começar a ser fabricada em setembro e já foi encomendada por 20 países. De acordo com …

Rui Pinto no Twitter: "Travessia do deserto” terminou mas a “luta continua”

Rui Pinto assumiu que a “árdua e longa ‘travessia do deserto’” chegou ao fim, aludindo à sua libertação, mas avisou que “a luta continua”, pois Portugal “continua um paraíso para a grande corrupção” e branqueamento …