“Não comemos satélites”. Indonésia lança-se ao Espaço e abre guerra entre clã indígena e Musk

3

RaiyaniM / Wikimedia

Biak, Indonésia.

A Indonésia quer que a SpaceX, de Elon Musk, construia um espaçoporto em Biak, em terras ocupadas por um clã indígena que está a bater o pé.

O clã indígena Abrauw ocupa as florestas da ilha de Biak, na Indonésia, há 15 gerações. Tem cerca de 90 membros e é apenas um dos 360 clãs em Biak. Agora, a pequena tribo teme perder o seu lugar no mundo à medida que a Indonésia se aventura na corrida ao Espaço, escreve o The New York Times.

O governo indonésio alega ter adquirido 100 hectares de terras ancestrais do clã e planeia, desde 2017, construir um pequeno espaçoporto — uma base de lançamento espacial. Os Abrauw temem que o projeto os force a abandonarem as suas casas.

O presidente do país, Joko Widodo, já tentou vender a ideia a Elon Musk. Ainda que o fundador da Tesla e da SpaceX não se tenha comprometido a lançar foguetes a partir de Biak, a conversa entre Widodo e Musk foi suficiente para renovar as aspirações indonésias em lutar por um lugar na corrida ao Espaço.

Widodo tem planos de modernizar o país, mas muitos veem a ideia de construir um espaçoporto como uma forma de adquirir terras indígenas, enquanto beneficia indonésios ricos e influentes, e empresas estrangeiras.

Líderes da tribo dizem ao jornal norte-americano que a obra significaria cortar árvores numa floresta protegida, perturbar o habitat de pássaros ameaçados de extinção e expulsar os Abrauw.

“Não queremos perder as nossas quintas por causa deste espaçoporto. Nós não comemos satélites. Comemos taro e peixes do mar. Este é o nosso modo de vida durante gerações. Diga a Elon Musk que esta é a nossa posição”, disse Apolos Sroyer, chefe do Conselho Costumeiro de Biak, uma assembleia de chefes de clã.

A maioria dos membros do clã vive a pouco mais de dois quilómetros de onde Widodo planeia construir a base da lançamento de foguetões.

“Perderemos a nossa identidade e nenhum outro clã nos aceitará nas suas terras. Para onde irão os nossos filhos e netos?”, questionou o líder do clã, Marthen Abrauw.

Os membros do Governo indonésio que apoiam o projeto consideram que Biak é a localização ideal para construir o espaçoporto. “Esta é a nossa riqueza”, disse o regente de Biak, Herry Ario Naap, que é a favor da construção. “Outras regiões podem ter petróleo ou ouro. Nós temos uma localização geográfica estratégica”.

A Indonésia garante que comprou um local com 100 hectares aos Abrauw na década de 80. No entanto, o clã nega ter vendido a terra. Os líderes Abrauw explicam que os homens que venderam o terreno não eram membros do clã e, por isso, não tinham o direito de vendê-lo.

“Dizem que o projeto do espaçoporto criará empregos, mas não há especialistas em Espaço no nosso clã e nas nossas aldeias”, disse um dos membros da tribo. “O que eles querem dizer é três anos a cortar árvores, a remover raízes e a cavar alicerces. Depois disso, haverá um banquete de despedida de nós e depois só poderá entrar no local quem tiver cartão de acesso”.

  Daniel Costa, ZAP //

3 Comments

  1. A Indonésia também se vai lançar na aventura espacial? mais poluição para o espaço……
    Já existem satélites que cheguem, lá para cima e que já são suficientes para servir o planeta…para quê mais?
    Mais um país ditador a querer ir para o espaço, não devem ir com boas intenções, de certeza.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.