Incumprimento de horários na prisão de Lisboa causou “gritaria” entre reclusos

O diretor geral dos Serviços Prisionais afirmou, este sábado, que o abandono do posto por vários guardas do Estabelecimento Prisional de Lisboa (EPL) provocou “alguma gritaria” entre os reclusos, mas negou que tenha havido qualquer espécie de motim.

Em declarações à agência Lusa, Celso Manata disse que “houve um conjunto de guardas que às quatro horas da tarde abandonaram o serviço ilegalmente”, o que provocou “dificuldade em manter os horários normais” nas visitas, refeições e medicação.

Houve alguma gritaria, mas não passou disso”, disse o responsável pelas prisões em Portugal, referindo que o grupo de intervenção policial dos serviços prisionais foi chamado à prisão, como “faz parte dos procedimentos, mas nem sequer atuou”.

Ao início da noite, a situação estava normalizada, garantiu.

“Todo o serviço atrasou”, lamentou, e “houve um gradão que caiu porque os presos se encostaram”, referiu Celso Manata, garantindo que os guardas que saíram “vão ter um processo disciplinar por causa disso”.

Também em declarações à Lusa, o presidente do Sindicato Nacional do Corpo dos Guardas Prisionais, Jorge Alves, disse que os problemas ocorreram na ala E da prisão, onde estão entre 200 a 300 reclusos, que protestaram quando viram a hora da visita encurtada para meia hora.

Segundo o sindicalista, depois da rendição de pessoal às 16h00, os guardas que entraram tiveram que verificar as condições de segurança, o que levou a que as visitas só começassem de facto às 16h30, deixando apenas meia hora aos reclusos e visitantes.

Jorge Alves descreveu que os reclusos partiram caixotes do lixo, deitaram a comida para o chão, vandalizaram o refeitório à hora de jantar e os guardas do EPL só conseguiram que regressassem às celas pelas 20h30.

O sindicato afirma que o EPL se debate com falta de efetivos da guarda prisional, o que tem levado a que serviços como as consultas médicas sejam sistematicamente adiadas.

Celso Manata indicou que o novo horário por turnos de oito horas, que começou em janeiro deste ano em seis estabelecimentos prisionais “tem estado a funcionar bem em todo lado, menos em Lisboa”.

Os guardas que saíram às 16h00 deviam ter saído às 19h00, disse.

O diretor dos Serviços Prisionais referiu que o horário antes de janeiro tinha turnos de 24 horas seguidas e era considerado “desumano” pelos guardas, que também se queixavam de não receber horas extraordinárias, “o que também era verdade”.

No entanto, agora “não há horas extra não pagas e os guardas ganham subsídio de turno”, garantiu, afirmando que o desacordo dos guardas se explica porque “agora é mais difícil terem outras profissões”.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Horas extraordinárias obrigatórias… voltámos ao tempo da escravatura? Se calhar o que faz falta é contratar mais guardas e não abrir processos disciplinares…

RESPONDER

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …

Ventura anuncia recandidatura ao Chega e só sai do parlamento quando “metade daquela esquerda" sair

André Ventura anunciou esta noite a recandidatura à liderança do Chega, numa cerimónia em Leiria em que disse que só vai sair do parlamento “quando metade daquela esquerda sair”. “Estamos a fazer uma revolução democrática e …

Esqueletos revelam que fosso entre ricos e pobres começou a abrir-se há 6.600 anos

A análise a ossos encontrados numa sepultura na Polónia mostram que o fosse entre ricos e pobres na Europa começou a abrir-se muito antes daquilo que se pensava. O desaparecimento da classe média é um problema …

Super-Terras quentes podem ter atmosferas metálicas brilhantes

Os cientistas querem perceber porque é que as super-Terras quentes possuem um brilho tão chamativo - e já há uma hipótese em cima da mesa. Os exoplanetas, chamados de super-Terras quentes, podem ser particularmente brilhantes e …

As larvas de peixe-sol são adoráveis (mas crescem e tornam-se gigantescos "nadadores")

Uma equipa de cientistas australianos e neozelandeses descobriram as fases iniciais da larva gigante de peixe-sol. Pela primeira vez, o sequenciamento de ADN identificou as larvas do peixe-sol (Mola alexandrini). O peixe-sol, conhecido cientificamente como Mola …

Telescópio Webb vai estudar Júpiter, os seus anéis e duas intrigantes luas

Júpiter, que tem o nome do rei dos antigos deuses romanos, comanda a sua própria miniversão do nosso Sistema Solar de satélites circundantes; os seus movimentos convenceram Galileu Galileu de que a Terra não era …

Turista danifica escultura do século XIX enquanto posa para fotografia (e é apanhado pelas câmaras de vigilância)

A polícia italiana identificou um austríaco de 50 anos que danificou uma estátua do século XIX num museu em Itália, enquanto posava para uma fotografia. O incidente ocorreu no passado dia 31 de junho, segundo …

Covid-19: Brasil supera as 100.000 mortes

O Brasil ultrapassou hoje a barreira das 100.000 mortes associadas à covid-19, quase cinco meses depois da confirmação do primeiro óbito no país, indicam dados oficiais divulgados pelas secretarias regionais de Saúde. Segundo os mais recentes …

As vacas leiteiras têm relações complexas (que se alteram quando mudam de grupo)

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Chile e dos Estados Unidos concluiu que as vacas leiteiras vivem em redes sociais complexas que se alteram quando estes animais são movidos para outros grupos.  Para …