Identificadas 44 variantes genéticas associadas à depressão

Uma equipa de cientistas identificou o maior número de variantes genéticas associadas à depressão, que abre as portas à identificação de novos alvos terapêuticos.

Foram identificadas 44 variantes genéticas associadas à depressão, 30 das quais desconhecidas até agora, naquela que é a maior investigação sobre o impacto do ADN neste transtorno mental.

Esta grande descoberta vai permitir delinear novos estudos terapêuticos, de forma a compreender melhor que tipo de interação entre os fatores genéticos e ambientais são responsáveis por desencadear esta doença no ser humano.

As conclusões deste megaestudo internacional foram apresentadas num artigo científico, publicado esta quinta-feira na Nature Genetics.

Segundo o Público, estudos anteriores tinham já descoberto 14 variantes genéticas associadas a esta condição e investigações em gémeos tinham também mostrado que 40% da variabilidade no risco de depressão pode mesmo resultar da genética.

Mas os cientistas quiseram ir mais longe. Assim, cerca de 200 investigadores de todo o mundo reuniram-se no Consórcio de Genómica Psiquiátrica para levar a cabo esta investigação, liderada pelo cientista Patrick Sullivan, do Instituto Karolinska, na Suécia, e por Naomi Wray, da Universidade de Queensland, na Austrália.

A equipa analisou cerca de 135 mil pessoas com depressão e mais de 344 mil pessoas sem a doença, utilizando sete bases de dados distintas. A análise mostrou que há no genoma humano 44 variantes genéticas associadas à depressão. Além disso, confirmou-se que o giro do cíngulo anterior e o córtex pré-frontal são as regiões cerebrais mais envolvidas no desenvolvimento desta doença.

As descobertas não ficaram por aqui e os cientistas chegaram à conclusão que a depressão partilha zonas do genoma humano que estão também associadas à esquizofrenia e à doença bipolar.

As conclusões mostraram que um índice de massa corporal elevado e um menor nível de educação podem estar associados ao desenvolvimento da depressão.

“Esta meta-análise da associação de todo o genoma está entre as maiores já conduzidas na genética psiquiátrica e fornece um conjunto de resultados que ajuda a redefinir a base fundamental da depressão”, consideram os autores no artigo científico, ressalvando que é apenas o primeiro passo no esclarecimento da base genética da depressão.

No entanto, Patrick Sullivan, num comunicado da Universidade de Carolina do Norte, admite que “este estudo é decisivo” na resolução deste problema que afeta cerca de 14% da população mundial em algum momento da sua vida. Isto porque “agora temos um olhar mais aprofundado do que tínhamos sobre a base desta doença humana terrível”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Marta Temido garante que não há descontrolo em Lisboa (mas assume falhas)

Em entrevista à RTP, a ministra da Saúde garantiu que não há "descontrolo" na evolução da pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo, mas sublinhou que se trata de uma "situação de sobressalto, …

A genética ajuda a determinar o quão afetuosas são as mulheres (mas não os homens)

A genética desempenha um papel importante no nível de afetividade das mulheres, mas o mesmo não acontece entre os homens, concluiu uma nova investigação científica levada a cabo com gémeos. Na nova investigação, recentemente publicada …

Prémio para profissionais do SNS é "uma esmola". "Mais valia terem estado quietos"

Ana Rita Cavaco, bastonária da Ordem dos Enfermeiros, diz que a proposta que prevê prémios e mais férias para os profissionais de saúde é uma "afronta" para enfermeiros. Para a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, a …

Tempo de espera para entrega de cartão de cidadão pode chegar a cinco meses

Para fazer o levantamento do cartão de cidadão é preciso fazer marcação e há balcões que só têm disponibilidade para entregar o documento no final do ano. De acordo com a edição desta quinta-feira do …

Físicos explicam por que as mudanças do campo magnético da Terra são mais fracas no Pacífico

Uma nova investigação levada a cabo por físicos da Universidade de Alberta, no Canadá, apresenta uma explicação para o facto de as mudanças no campo magnético da Terra serem mais fracas na região do Pacífico. …

Chovem diamantes no interior de Neptuno e Urano (e já se sabe porquê)

Podem estar a chover diamantes dentro dos corações de Neptuno e Urano. Agora, os cientistas descobriram novas evidências experimentais que mostram como é que isso poderia ser possível. Neptuno e Urano são os planetas mais mal …

Descobertas duas super-Terras na zona habitável de uma das estrelas mais próximas do Sistema Solar

Uma equipa internacional de cientistas encontrou duas super-Terras a orbitar uma das estrelas mais próximas do Sistema Solar. Conduzida pela Universidade de Göttingen, na Alemanha, a equipa de especialistas localizou um sistema formado por pelo …

Sporting 2-1 Gil Vicente | Leão de Plata só sabe vencer

O Sporting cumpriu na recepção ao Gil Vicente, no fecho da 29ª jornada da Liga NOS, e venceu por 2-1, num jogo que pareceu sempre controlado, mas que terminou com emoção. Os “leões” dominaram por completo …

Leões marinhos decapitados estão a dar à costa no Canadá (e ninguém sabe porquê)

Os corpos decapitados de pelo menos cinco leões-marinhos encontrados nas costas de Vancouver, no Canadá, nos últimos meses sugerem que pode haver um serial killer de mamíferos marinhos à solta. O LiveScience relata que pelo menos …

Este japonês é a única pessoa no mundo a ter um mestrado em Estudos Ninja

Um homem japonês tornou-se a primeira pessoa no mundo a ter um mestrado em Estudos Ninja depois de concluir um curso de pós-graduação que envolvia a aprendizagem de artes marciais básicas e escalada de montanhas. De …