Há mais homens a morrer com Covid-19 do que mulheres e a explicação pode estar nos genes

Maxim Shipenkov / EPA

No que toca à imunidade, as mulheres são o sexo mais forte e talvez por isso estejam a ser menos vítimas da Covid-19. A maioria das mortes em todo o mundo são do sexo masculino, suplantando, nalguns países, mais de 60% dos óbitos. A explicação para esta realidade pode estar nos genes.

Os dados alusivos à Europa da Organização Mundial de Saúde (OMS), relativos ao período entre 6 e 12 de Abril, constatam que 60% dos mortos com Covid-19 são homens.

Em Portugal, não se verifica uma disparidade tão grande entre sexos no número de mortes. Aliás, os números redondos indicam que até morreram mais mulheres (414) do que homens (406), de acordo com dados de 23 de Abril da Direcção Geral de Saúde (DGS). Contudo, é preciso considerar que as mulheres infectadas suplantam os homens, com uma diferença de 13.214 casos confirmados no sexo feminino contra 9.139 no sexo masculino. E nas faixas etárias entre 70-79 anos e 60-69 anos morreram mais homens do que mulheres, respectivamente 98 contra 70 e 48 contra 23.

Noutros países, a diferença nos óbitos entre sexos é mais evidente, com as mortes de homens a dominarem as listas estatísticas da Covid-19 em países como Grécia, com 74% de mortos do sexo masculino, Itália (65%), Espanha (60%) e China (64%), segundo dados da Global Health 50/50, uma plataforma internacional não governamental na área da Igualdade de Género focada no sector da Saúde. Estes valores reportam-se ao período até 22 de Abril.

A explicação para esta diferença pode estar nos genes, conforme avança a geneticista Jenny Graves, professora na Universidade La Trobe, na Austrália, num artigo na publicação The Conversation, onde fala da “interacção” de diversos factores, designadamente das hormonas e do sistema imunitário.

“A resposta diferente de homens e mulheres é típica em muitas doenças em muitos mamíferos”, começa por constatar a professora de Genética, realçando as distinções biológicas entre os sexos.

Jenny Graves repara que homens e mulheres “diferem nos cromossomas do sexo” e nos genes que os constituem. “As mulheres têm duas cópias de um cromossoma de tamanho médio (chamado X)”, enquanto “os homens têm apenas um único cromossoma X e um pequeno cromossoma Y que contém poucos genes”, aponta.

Os genes deste cromossoma Y, designados SRY, promovem o desenvolvimento das hormonas masculinas que fazem com que o embrião se torne num rapaz. Esse cromossoma Y está repleto de “sequências repetitivas”, ou seja, “ADN lixo”, como refere a professora de Genética. “Talvez um “Y tóxico” possa perder a sua regulação durante o envelhecimento” e, deste modo, “acelerar o envelhecimento nos homens e torná-los mais susceptíveis ao vírus”, aponta a geneticista.

Esta especialista lembra ainda que a testosterona, “as hormonas masculinas libertadas pela acção do [gene] SRY”, são “implicadas em muitas doenças, particularmente nas doenças cardíacas, e podem afectar a esperança média de vida”.

As doenças cardíacas e a idade são, precisamente, dois dos factores de risco associados à Covid-19, bem como a diabetes e o cancro. Ora os homens sofrem tendencialmente mais destes problemas. Mas as mulheres vivem, em média, mais seis anos do que os homens.

O facto de os homens terem “baixos níveis de estrogénio” também os prejudica, segundo Jenny Graves que sustenta que, por outro lado, isso protege as mulheres de “muitas doenças, incluindo as doenças cardíacas”.

As hormonas masculinas também influenciam o comportamento, considerando-se que os níveis de testosterona podem estar directamente relacionados com “comportamentos de risco” como fumar e beber demasiado álcool, aponta ainda a especialista.

Se tomarmos o exemplo da China, quase metade da população masculina fuma enquanto apenas 2% das mulheres o faz – isto pode ajudar a explicar a diferença nos óbitos, com os homens a constituírem 64% das mortes relacionadas com a Covid-19.

Jenny Graves fala ainda do facto de as mulheres terem um par de cromossomas X, notando que estes intervêm em funções relacionadas com “metabolismo de rotina, coagulação sanguínea e desenvolvimento do cérebro”. “A presença de dois cromossomas X nas mulheres XX fornece um tampão se um gene num dos X for mutado“, enquanto nos homens, dada a composição XY, falta esta “cópia de segurança”, salienta a geneticista.

“É por isso que os rapazes sofrem de muitas doenças relacionadas com o sexo, como a hemofilia (baixa coagulação do sangue)”, constata ainda a professora.

As mulheres podem também tirar vantagem do “benefício de 2 versões diferentes de cada gene”, diz Jenny Graves, concluindo que “têm um sistema imunitário mais forte do que os homens”, o que as torna “mais susceptíveis para o aparecimento de doenças auto-imunes como o lúpus e a esclerose múltipla”, mas constitui “uma vantagem quando se trata da susceptibilidade a vírus”.

“Há, pelo menos, 60 genes de resposta imune no cromossoma X e parece que uma dose mais alta e duas versões diferentes dão às mulheres um espectro mais amplo de defesas”, aponta ainda a professora de Genética.

“As mulheres não são o sexo mais fraco quando se trata de imunidade“, reforça o farmacêutico Salvatore J. Giorgianni, consultor científico sénior da Men’s Health Network, organização sem fins lucrativos que tem sede nos EUA e que se dedica à promoção da Saúde masculina, em declarações à publicação Healthline.

Por outro lado, é preciso considerar ainda questões culturais, já que os homens tendem a procurar ajuda médica mais tarde, perante sintomas de doença.

“Muitos homens vêem o auto-cuidado como uma admissão de fraqueza“, nota à Healthline David Ezell, director da instituição de saúde mental norte-americana Darien Wellness. “Somos ensinados a ser auto-suficientes e presentes para todos menos para nós mesmos. Isso resulta em ignorar sintomas reveladores não apenas da Covid, mas de qualquer outra condição com risco de vida”, conclui.

SV, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Quando o sexo feminino em qualquer matéria, é o sexo inferior, fala-se em discriminação, machismo institucional e falta de apoio/investigação/investimento, quando é superior é genética..

    Estas pseudo ciências tem todas uma agenda.

  2. O covid é uma ameaça para o feminismo.
    Agora até vem mostrar algo que as feministas desconheciam … as mulheres e os homens não são iguais …

    Merecem o mesmo respeito, sim, mas não são iguais, e não é só no aparelho sexual, mas em muitas outras coisas, genética, cérebro (mulheres são mais sentimentais e eficientes en multi-tarefa) e fisico.

    Não entendo como as mulheres se diminuem ao ponto de precisarem de dias para celebrar a sua igualdade (que por si é desigual e mostra um complexo de inferioridade que precisam de ter um dia para celebrar), seria mais simples que lutassem por se fazer cumprir a lei (que muitas vezes não acontece).
    Claro que existem algumas leis que ainda precisam de mudar, mas a estupidez de querer obrigar quotas mínimas em empresas, quando existem empresas que só empregam mulheres, exigir um cargo (não por capacidade para o exercer mas sim por serem mulheres), mostra nos dias de hoje que querem ser protegidas, e isso só seria necessário de forem inferiores, o que não são, mas também não são iguais, e o Covid2019 está a deixar isso bem claro.

RESPONDER

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …