Historiador espanhol lamenta que se desvalorize plano de Franco para invadir Portugal

O historiador Manuel Ros Agudo lamenta que um sector de académicos espanhóis “mais franquista” continue a “desvalorizar” a importância do plano para invadir Portugal que o ditador Francisco Franco desenhou de forma “detalhada”.

“Este sector mais franquista nega que Franco tenha tido momentos de forte tentação” de abandonar a neutralidade na Segunda Grande Guerra e unir-se à Alemanha nazi e à Itália fascista, disse Manuel Ros Agudo à agência Lusa em Madrid.

O historiador e professor universitário é autor do livro A Grande Tentação publicado em 2008, que revelou um plano militar muito detalhado elaborado em 1940 para invadir Portugal e que Francisco Franco ocultou até à sua morte em 1975.

Ros Agudo assegurou não ter “qualquer evidência” que o levasse a pensar que o objetivo de Franco fosse a unificação política da Península Ibérica. Para Ros Agudo o ditador estava a preparar-se para a reação da Inglaterra no caso de Espanha deixar de ser um país neutral e se alinhasse com Alemanha e Itália.

É um plano para uma guerra contra a Inglaterra: se Espanha abandonasse a neutralidade e invadisse Gibraltar, a Inglaterra ocuparia as ilhas Canárias e invadiria Portugal para contra-atacar”, explicou o professor universitário.

Manuel Ros Agudo assegura que não está a “atacar Franco como político”, apenas a “defender o pensamento do militar profissional” que era o ditador. “Há uma etapa em que Franco esteve prestes a entrar na Guerra, mas os franquistas negam isso. Negam a evidência”, insiste o catedrático.

Ros Agudo escreveu o seu livro a partir de um documento de 99 páginas guardado na Fundação Francisco Franco que descreve em pormenor um plano para invadir Portugal.

Na opinião do historiador trata-se de uma prova conclusiva da vontade de Franco de entrar em guerra com o eixo Berlim-Roma, por oposição à versão promovida pelo franquismo nas décadas seguintes à Segunda Grande Guerra, segundo a qual Espanha nunca traiu a sua neutralidade face às tentações de Hitler.

O professor universitário não tem dúvidas de que o nível de detalhe das descrições logísticas, do inimigo, do terreno, dos recursos próprios e das conjunturas estratégicas do plano no documento não correspondem ao desenho de “meras manobras militares”.

O documento inclui mapas sobre o caminho que o exército deve seguir, imitando a blitzkrieg (guerra relâmpago) da wehrmacht (forças armadas da Alemanha durante a Segunda Grande Guerra), para ocupar a toda a velocidade o país vizinho até Lisboa.

Cinco páginas do plano de Franco concentram a estratégia de ataque e explicam “a delicada situação de Portugal, em relação a um conflito internacional em que a Inglaterra intervém, o escasso potencial do país vizinho e, sobretudo, a atratividade das suas costas, de cujos pontos é facilmente possível perturbar as relações marítimas, o que pode levar a Inglaterra a tentar ocupar as bases navais deste território”.

“Perante tal eventualidade, tão prejudicial à segurança e independência da nossa Pátria [Espanha], decidi: a) Preparar a invasão de Portugal, para ocupar Lisboa, e o resto da costa portuguesa. b) Realizar esse propósito, quando o ordene, em virtude das notícias fornecidas pelo Serviço de Informação”, escreve Francisco Franco no documento.

O plano da ocupação de Portugal previa o envio de 250 mil soldados por terra que se deslocariam em duas linhas, para dividir o país em três, o que facilitaria o controlo do território.

A primeira dessas linhas partiria de Cidade Rodrigo (Salamanca) e atravessaria a fronteira através da Guarda, Celorico e Coimbra, seguindo o rio Tejo até chegar a Lisboa, enquanto a segunda sairia da Extremadura espanhola e passaria por Elvas e Évora, em direcção a Setúbal. As duas linhas iriam agrupar-se em Abrantes, na região de Santarém.

Ao mesmo tempo, a força aérea espanhola iria atacar as bases aéreas inimigas em Portugal, destruiria os nós de comunicação, apoiaria o exército terrestre e sobrevoaria os mares Cantábrico e o Mediterrâneo para antecipar possíveis incursões de Inglaterra.

// Lusa

PARTILHAR

24 COMENTÁRIOS

  1. O plano de um cobarde para atacar outro cobarde. Nenhum deles os teve no sítio para atuarem na II Guerra. Preferiram ficar no sofá a assistir aos seus supostos amigos a matarem-se uns aos outros. De qualquer forma, talvez o Salazarinho copiasse D. João VI mudando, desta feita, a capital para Luanda. Pelo menos seria uma maneira de fazer o ditadorzeco português a ir até África onde meteu os portugueses em guerras de 13 anos (Angola), 11 anos (Guiné) e 10 anos (Moçambique) nunca se dando ao trabalho de lá pôr os pés, nem sequer para dar um pouco de alento aos soldados.

    • Preferias termos sido dizimados pela Luftwaffe (com apoio nas bases espanholas) e pelos americanos directamente dos Açores???

      Não sou fascista e tãopouco saudosista que defende que se estava melhor no anterior regime, mas que Salazar foi um “habilidoso excepcional” ao manter uma balança precária em precário equilíbrio, isso foi, e salvou o país de uma catástrofe humana e material. Num prato estava o “eixo”, no outro, os “aliados” e no meio – como o mexilhão – nós. Adivinha quem é que se ia lixar???

      Que, depois, tenha caído num erro crasso, gigantesco e evidente com a guerra colonial, também é verdade. (porquê, talvez um dia a história o diga…)

      De resto, o moto “orgulhosamente sós” só podia dar asneira….

      • Quanto a mim o maior erro de Salazar foi ter subestimado a importância das colónias e não ter sido um bom colonizador, na altura milhares de portugueses emigraram para as Américas, mais tarde para a Europa, se os mesmos tivessem sido encaminhados para África e aí criado desenvolvimento para todos, mais tarde viria a independência por natureza e não pela força da cobiça sobretudo da defunta URSS e não só. Ficariam a ganhar todos e as ex-colónias poderiam ter sido um exemplo em África de progresso e paz, coisa que não veio a acontecer e que raramente acontece no continente africano.

      • A Luftwaffe nunca foi um problema para a ditadura do Estado Novo, para os Estados Unidos da América do Norte, ou para os «aliados», a não ser a partir do momento em que a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) expulsou a Alemanha nacional-socialista do seu território e começou a ganhar a guerra.

        A partir desse momento é que os Estados Unidos da América do Norte, os «aliados», e até a própria ditadura do Estado Novo, se tornaram inimigos da Alemanha nacional-socialista e da Itália fascista, para não parecer mal.

    • Aí é que o Salazar revelou que não era burro nenhum. Encheu o país de dinheiro e ainda passou ao largo da guerra. Bem esperto foi ele.

  2. Talvez no final tivesse dado no fim do colonialismo espanhol porque a situação certamente iria correr-lhes mal tal como correu a Hitler e hoje possivelmente nem catalães nem bascos andariam a lutar pelo direito à sua identidade.

  3. O que Franco teria na cabeça não sei, mas, Inglaterra nossa velha aliada, e essa aliança continua firme, não ficaria de braços cruzados e junto com ela os E.U.
    Não existem bons colonizadores. A história o prova.
    As colónias tinham que ser devolvidas aos seus povos (pena ter sido como foi) porque nunca um país invadido á força deixará de rebelar-se contra os seus invasores, leve o tempo k levar.
    Mais, este pequeno país pode ter tido e ainda ter maus políticos, mas, continuará a ser sempre Portugal a Terra da Luz (Lusitania), e irá em breve cumprir-se… a missão agora é fundir-se com todos os povos desbravando o caminho para a LUZ MAIOR. E assim será.

    • Velha aliada??? só se for no papel…. Isso sim. Por que sempre que a “aliança” foi activada, só houve um lado que perdeu, e não foram os ingleses….. os famosos amigos de Peniche….. que sempre que vieram “ajudar”, ajudaram-se ainda mais…..
      E quanto aos políticos que este país tem, pense nisto que lhe digo…. eles vieram da sociedade portuguesa, de escolas e universidades portuguesas, e famílias portuguesas. Não apareceram por obra e graça de seja quem for, nem vieram de outro planeta ou passaram por uma membrana qualquer de uma dimensão para outra. São produto da nossa sociedade, logo representam o povo que temos e isso é que é assustador….. Ninguém vota porque achamos que tudo fica na mesma, damos azo que que o clientelismo e k caciquismo permaneça e se propague e depois ficamos muito admirados quando nada se fala e as regras do jogo são manipuladas à frente de todos mas o que importa é o SLB, ou o Pinto da Costa ou o Bruno de Carvalho…..
      Parece que vivemos nos últimos temos do impérios romano…. Pão e circo na altura, agora é futebol e novelas….. Qual luz qual carapuça minha senhora…. qual luz…..

    • Como assim? O regime da Inglaterra e os Estados Unidos da América do Norte apoiaram a nível político, financeiro, e militar, o nacional-socialismo e o fascismo, porque razão haveriam de ajudar Portugal caso fosse invadido pelas tropas da ditadura monárquica e clerical de Espanha?

      Saiba mais sobre o regime da Inglaterra:

      – Crimes of Britain
      https://crimesofbritain.com/

  4. Sou brasileiro de nascimento de família portuguesa e com cidadania portuguesa adquirida. Portanto Luso-brasileiro com orgulho. É digo que o Brasil não faltaria a Portugal, teria entrado antes do que entrou na guerra. Não duvidem que os 10 milhões de Portugueses tem deste outro lado do Atlântico, uma reserva de 220 milhões de homens e recursos e área maior que a Europa, prontos para atender ao chamado, quando mais precisar.

    • Obrigado irmão… é bom saber com quem contar. De qualquer modo os espanhóis sempre que nos vieram guerrear levaram porrada da forte, por isso se calhar vinham levar de novo. Fica bem.

  5. Bem pensado, provavelmente não só o Brasil, bem como as ex-províncias ultramarinas que ainda não há meio século guerreava os colonizadores brancos, mestiços e negros.

  6. Velha aliada??? só se for no papel…. Isso sim. Por que sempre que a “aliança” foi activada, só houve um lado que perdeu, e não foram os ingleses….. os famosos amigos de Peniche….. que sempre que vieram “ajudar”, ajudaram-se ainda mais…..
    E quanto aos políticos que este país tem, pense nisto que lhe digo…. eles vieram da sociedade portuguesa, de escolas e universidades portuguesas, e famílias portuguesas. Não apareceram por obra e graça de seja quem for, nem vieram de outro planeta ou passaram por uma membrana qualquer de uma dimensão para outra. São produto da nossa sociedade, logo representam o povo que temos e isso é que é assustador….. Ninguém vota porque achamos que tudo fica na mesma, damos azo que que o clientelismo e k caciquismo permaneça e se propague e depois ficamos muito admirados quando nada se fala e as regras do jogo são manipuladas à frente de todos mas o que importa é o SLB, ou o Pinto da Costa ou o Bruno de Carvalho…..
    Parece que vivemos nos últimos temos do impérios romano…. Pão e circo na altura, agora é futebol e novelas….. Qual luz qual carapuça minha senhora…. qual luz…..

  7. Só é pena que não tenha executado, pois aí encontrava um sarilho bom, pois nós os portugueses, somos muita coisa, só não somos é divididos como a Espanha, somos um povo há mais de 800 anos, sejamos galegos ou alentejanos, per sei, e esse filho da “puta madre” chocalhava um ninho de vespas.

  8. se Franco invadisse Portugal seria o fim dele e de Espanha. os tugas não se rendem e são duros de roer,coitados dos espanhóis estavam fudidos

RESPONDER

Faca feita de fezes entre os vencedores deste ano dos prémios Ig Nobel

Uma faca feita com fezes congeladas e um jacaré a arrotar são alguns dos vencedores dos prémis Ig Nobel, que distinguem as invenções mais incomuns. Os prémios Ig Nobel – uma paródia dos prémios atribuídos pelas …

O hemisfério norte teve o verão mais quente de que há registo (e isso é um sinal de alerta para a Terra)

O hemisfério teve em 2020 o verão mais quente de que há registo. No geral, o Planeta Terra teve três dos meses mais quentes, e o mês de agosto foi o segundo mais quente que …

Há uma nova explicação para o naufrágio do Titanic: Uma fantástica Aurora Boreal

Todos conhecemos a história do Titanic. Também todos sabemos que o seu naufrágio aconteceu após o grande navio ter embatido num iceberg. Contudo, um investigador americano põe novas hipóteses em cima da mesa. E se …

Famalicão 1-5 Benfica | "Águia" faminta com nota artística

Após a desilusão de Salónica, que ditou um adeus precoce dos milhões da fase de grupos da Liga dos Campeões, o Benfica goleou na noite desta sexta-feira o Famalicão por 5-1, numa espécie de redenção. Neste …

O anonimato de Banksy teve um custo. Perdeu os direitos sobre uma das suas obras mais icónicas

O famoso artista de rua britânico Banksy perdeu uma longa batalha judicial pelos direitos autorais da obra "The Flower Thrower", contra a Full Colour Black, empresa que produz postais de felicitações. Banksy, o misterioso artista que, …

Reino Unido e Espanha aumentam restrições. Itália e Alemanha com quase dois mil casos

Madrid restringe movimentos de 850 mil pessoas, Itália regista um aumento dos casos de infeção nas últimas 24 horas, britânicos enfrentam novas restrições no país e Alemanha com dois mil novos casos de covid-19. A região …

Trump novamente acusado de assédio sexual. "Enfiou a língua na minha garganta", disse Amy Doris

O Presidente dos EUA, Donald Trump, foi acusado esta quinta-feira de agressão sexual por uma ex-modelo, num episódio que alegadamente terá ocorrido num torneio de ténis, em 1997. A ex-modelo Amy Dorris relatou ao jornal britânico …

Ventura pondera suspender mandato para se dedicar à campanha presidencial

O presidente do Chega afirmou hoje que o seu partido "está a analisar" no plano jurídico a questão da suspensão temporária do seu mandato de deputado para se dedicar às campanhas dos Açores e presidenciais. Em …

Schumacher está em estado vegetativo e dificilmente recupera, avisa neurologista

Um neurologista ouvido num documentário da RMC Sport diz que o ex-piloto de Fórmula 1 Michael Schumacher está em estado vegetativo e dificilmente recuperará. Já passaram quase sete anos desde que Michael Schumacher sofreu um acidente …

Processos com acórdãos a meias entre Rangel e Galante estão em risco

Durante dez anos, centenas de acórdãos do Tribunal da Relação de Lisboa foram feitos a meias entre Rui Rangel e Fátima Galante. Agora, esses processos estão em risco. A Procuradoria-Geral da República anunciou esta sexta-feira a …