Há cada vez mais adolescentes problemáticos (e medicados) em instituições do Estado

Há cada vez mais adolescentes problemáticos e jovens institucionalizados pelo Estado que apresentam doenças mentais, conclui um relatório da Segurança Social que alerta também que uma em cada cinco crianças retiradas à família estava em perigo de vida.

Estes dados constam do Relatório de Caracterização Anual da Situação de Acolhimento das Crianças e Jovens CASA 2016, divulgado nesta sexta-feira pelo Instituto da Segurança Social (ISS).

De acordo com o documento citado pela agência Lusa, das 2396 crianças e jovens entradas no sistema de acolhimento em 2016, 485 exigiram um “procedimento de urgência”, mais 2,3% face a 2015.

Uma em cada cinco crianças que entraram no sistema de acolhimento em 2016 exigiu “proteção imediata”, por a sua vida estar em perigo, refere ainda o relatório.

Destas 485 crianças, 178 estavam ao cuidado da família nuclear, disse uma técnica do ISS, num encontro com jornalistas no Ministério da Segurança Social. Sobre os motivos que levaram à sua retirada, a técnica adiantou que são “situações limites”, como abuso sexual, violação, agressões, que exigem uma intervenção “a qualquer hora do dia ou da noite”.

Segundo o CASA, das 48 crianças adotadas, 19 reentraram no sistema em 2016, voltando a ser vítimas de situações de perigo na família adotiva.

Também 34 crianças integradas no seio de famílias candidatas à sua adoção tiveram que reentrar no sistema durante o período de pré-adoção.

Cada vez mais “problemas de comportamento”

O Relatório destaca que que se manteve, em 2016, um “claro predomínio” de jovens em acolhimento com idades entre os 12 e os 20 anos (69,4%). O sistema de acolhimento caracteriza-se, cada vez mais, por “uma forte afluência de adolescentes e de jovens”, aponta o documento.

Dos 8175 jovens e crianças que estavam acolhidas em 2016, 2227 (27%) apresentavam “problemas de comportamento” e 20% tomavam medicação regular, no âmbito do seu acompanhamento psiquiátrico e/ou psicoterapêutico.

Actuar quando a floresta “já está a arder”

Instado a comentar estes dados, o coordenador nacional para a Saúde Mental, Álvaro Carvalho, refere à TSF que até “estranha” que os números não sejam superiores aos divulgados, considerando que “várias coisas falham” no apoio a crianças e jovens por parte do Estado.

“Por um lado, recorremos mais à institucionalização de crianças problemáticas e temos uma baixa taxa de adopção”, constata Álvaro Carvalho.

Por outro lado, “não acontece aquilo que já vai acontecendo noutros países que é, quando há a identificação de crianças problemáticas no seio familiar, desenvolver uma intervenção não à criança, mas à família“, acrescenta.

Álvaro Carvalho faz uma analogia entre este problema e a questão dos fogos florestais, realçando que falha sobretudo a prevenção. Quando se tenta resolver a situação da criança problemática, a floresta “já está a arder e não se vai ao cerne da questão que é intervir sobre a qualidade da relação familiar”, nota o coordenador nacional para a Saúde Mental.

Governo avança com 4 unidades de saúde mental

Como resposta aos dados avançados por este relatório do ISS, a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, anunciou que o Governo vai criar quatro unidades de acolhimento em saúde mental para crianças e jovens com problemas, acolhidos em instituições.

A medida, que avançará até ao final do ano, conforme promete a governante, engloba unidades com equipas de apoio domiciliário e unidades de internamento, integradas na rede de cuidados continuados integrados de saúde mental.

No âmbito do Plano CASA 2017, foi ainda estabelecido um acordo com o Ministério da Educação para “melhorar o apoio prestado a nível educativo” a estas crianças problemáticas.

No âmbito do protocolo, está a ser criado um modelo técnico para capacitar os professores, interventores e equipas educativas das casas de acolhimento para responderem.

O acordo prevê, ainda, o reforço da adequação do perfil dos professores contratados para apoiar estas crianças, na sequência das necessidades identificadas, havendo também a perspectiva do reforço educativo de alguns menores na casa de acolhimento.

A generalidade das crianças e jovens em acolhimento estão integrados na escola e a larga maioria frequenta a escola nos seus distintos ciclos de ensino básico e pré-escolar.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

“Mostrámos que sabemos governar”. Bloco apresenta candidata a Lisboa (e abre a porta a acordo com PS)

O Bloco de Esquerda apresentou a candidatura de Beatriz Gomes Dias à Câmara Municipal de Lisboa, pediu “mais força” para determinar a governação da cidade e abriu a porta a novos entendimentos com o PS …

Fé nos números. Foi o voto não religioso que Donald Trump perdeu em 2020 

Em novembro de 2020, Joe Biden foi eleito Presidente dos Estados Unidos da América. Uma análise revelou recentemente que a derrota de Donald Trump dependeu daqueles que não se identificam com nenhuma religião. Ryan Burge, professor …

Chega apresenta oito candidatos para o distrito do Porto. Ventura acredita que vai ter "grande resultado"

O líder do Chega anunciou este sábado oito candidatos às próximas eleições autárquicas no distrito do Porto, onde André Ventura acredita que o partido vai ter "um grande resultado". "Fizemos esta deslocação ao Porto para anunciar …

"A política ama traição, mas despreza o traidor". Sócrates acusa PS de "ataque injusto" (e diz-se alvo de "vingança" da direita)

"A política ama a traição, mas despreza o traidor". No livro "Só Agora Começou", que será publicado nos próximos dias, José Sócrates acusa a atual direção do PS de traição. De acordo com o Diário de …

"Novas dificuldades e entropias". Autarcas independentes exigem extinção imediata da CNE

Os presidentes de Câmara e representantes de movimentos independentes decidiram este sábado dar um novo prazo aos partidos para que estes possam alterar a lei eleitoral autárquica. Porém, exigem a extinção imediata da Comissão Nacional …

Estudo mostra que as ovelhas preferem acasalar com machos subordinados

Um novo estudo descobriu que, ao contrário do que se podia pensar, as ovelhas preferem acasalar com machos que estão mais abaixo na hierarquia. Atualmente, a vida sexual da maioria das ovelhas é controlada pela indústria …

“Vamos iniciar uma nova etapa". Madeira vai testar toda a população (gratuitamente)

O Governo da Madeira vai desencadear uma campanha de testagem massiva da população da região, ainda sem data, que será gratuita, para aferir da evolução da pandemia da covid-19 no arquipélago, anunciou este sábado o …

O armazenamento de energia "sem massa" está a chegar

Uma equipa de cientistas da Chalmers University of Technology, na Suécia, produziu uma bateria estrutural com um desempenho dez vezes melhor do que todas as versões anteriores. A descoberta abre caminho ao armazenamento de energia …

Ataque terrorista a cidade na Nigéria atinge organizações humanitárias e instalações da ONU

Jihadistas alegadamente ligados ao Estado Islâmico atacaram este sábado as instalações de várias organizações humanitárias e das Nações Unidas na cidade nigeriana de Damasak, e ainda estão no local, afirmaram fontes das organizações não-governamentais (ONG). O …

Os humanos foram "superpredadores" durante dois milhões de anos

Uma nova investigação revelou que os humanos foram um predador de ponta durante cerca de dois milhões de anos. Só a extinção da megafauna e o declínio das fontes de alimentos de origem animal no …