/

Há um país na Europa onde há mais sacerdotes mulheres do que homens

echiner1 / Flickr

Pela primeira vez na história da Igreja da Suécia, há mais mulheres do que homens a desempenhar funções de sacerdotes.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O país atingiu recentemente esta marca, ainda que por uma pequena diferença: há 1533 mulheres sacerdotes para 1527 homens – está 50,1% para 49,9%.

De acordo com a emissora britânica BBC, que avança os números esta semana, a Igreja da Suécia é a principal denominação religiosa do país, tendo abandonado os dogmas da Igreja Católica em meados de 1527 para aderir aos postulados da Reforma Protestante.

A ordenação de mulheres foi autorizada mais tarde, em 1958, pela instituição luterana.

Dois anos depois, três mulheres foram ordenadas. Desde então, “o crescimento tem sido gradual e sustentado“, disse à BBC Cristina Grenholm, secretária da Igreja da Suécia. “Pode dizer-se que foi uma coisa que previmos”, continuou.

“Obviamente, [esta tendência] foi vista como algo positivo para a igreja e as congregações receberam as mulheres de abraços abertos”, contou ainda, alertando, contudo, que nem sempre foi assim – no passado, estas mulheres foram vítimas de discriminação.

“Temos de recordar que algumas clérigas não eram bem tratadas. Nos anos em que as mulheres estavam em minoria, algumas receberam um tratamento rude de outros clérigos e congregações”, diz Grenholm, enumerando alguns do obstáculos que enfrentaram.

Alguns pastores sentiram que a permitir a ordenação de mulheres não tinha sido a decisão correta e, por isso, preferiam não comparecer nos seus cultos.

Alguns até questionaram o chamado de Deus a que estas mulheres tinham respondido e isso era algo extremamente delicado para quem tinha dedicado a sua vida a algo que achava muito importante”, disse ainda à BBC Susann Senter, uma das primeiras mulheres ordenadas na diocese de Västerås, no centro da Suécia.

Apesar das dificuldades, a mudança continuou e veio para ficar: “Fui ordenada há 45 anos e vi [acontecer] uma grande mudança”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.