Há 30 mil toneladas de resíduos cancerígenos esquecidos em Setúbal há 22 anos

Manuel Araújo / Lusa

A associação ambientalista ZERO denuncia a existência de um depósito ilegal de cerca de 30 mil toneladas de resíduos perigosos perto das antigas instalações da empresa Metalimex, junto ao Complexo Municipal de Atletismo de Setúbal. Tratam-se de resíduos que deveriam ter sido enviados “para a Alemanha em 1998”.

O Ministério do Ambiente e da Ação Climática (MAAC) lembra que a reexportação das escórias de alumínio importadas pela Metalimex foi concluída em 1998 e adianta que a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDRLVT) já está a verificar a situação denunciada pela associação.

Segundo um comunicado divulgado pela ZERO, os resíduos perigosos encontrados a cerca de 600 metros da antiga empresa Metalimex poderão ser “uma parte substancial” das escórias de alumínio que foram importadas da Suíça e que, “supostamente, tinham sido enviadas para a Alemanha em 1998”.

“Poderemos estar confrontados com uma situação de um grave risco ambiental, se tivermos em consideração que estes resíduos perigosos estiveram em contacto com o ambiente durante todo este tempo, podendo ter originado situações de poluição do solo e das águas superficiais e subterrâneas“, adverte o comunicado.

A associação ZERO adianta que já alertou o MAAC e que solicitou o apuramento de responsabilidades pela existência deste depósito ilegal de resíduos perigosos, que considera ser “um atestado de total incapacidade das autoridades ambientais portuguesas que, ao longo de mais de 20 anos, desconheceram a sua existência”.

A ZERO solicitou também ao MAAC que disponibilize o relatório da empresa de consultoria Bureau Veritas, que na altura auditou o processo de exportação dos resíduos para a Alemanha, que dê um destino adequado aos resíduos perigosos detetados em Setúbal e que proceda a uma “avaliação da eventual contaminação do solo e das águas subterrâneas do local onde os resíduos estão depositados”.

De acordo com a associação, os resultados das análises às amostras que entretanto foram recolhidas revelaram a existência de diversos tipos de resíduos perigosos – conforme a classificação atribuída pela União Europeia -, alguns com grande composição em alumínio e outros metais, ou com elevados teores de óxidos de alumínio, magnésio, enxofre, potássio e cálcio, que lhes conferem características de perigosidade suscetíveis de provocarem lesões oculares ou diversas patologias graves, incluindo doenças cancerígenas.

Lacuna da Lei permitiu importação dos resíduos

No comunicado, a associação Zero lembra também que, entre 1987 e 1990, a Metalimex importou oficialmente 30 mil toneladas de escórias de alumínio da Suíça e armazenou-as no Vale de Rosa, em Setúbal, com o objetivo de instalar um estabelecimento industrial dedicado à recuperação de alumínio e posterior fabricação de lingotes desse metal.

Essa importação só aconteceu devido a “uma lacuna da lei portuguesa, que só em Agosto de 1990 passou a condicionar a importação de resíduos perigosos”, conforme avança o Público.

No entanto, ao contrário do que tinha anunciado, a Metalimex nunca conseguiu reunir as condições necessárias para a recuperação daqueles resíduos, pelo que, em outubro de 1991, foi notificada pela Direção-Geral da Qualidade do Ambiente para apresentar um plano de envio das escórias para os países de origem e assim minimizar os impactes ambientais decorrentes do seu depósito.

A ZERO recorda também que, em 18 de maio de 1995, os Governos da Suíça e de Portugal acordaram na reexportação e tratamento das escórias, sendo determinado que o destino das mesmas seria uma empresa em Lunen, na Alemanha, tendo os governos dos dois países suportado os encargos da referida operação, que terá custado cerca de 9 milhões de euros.

Três meses depois, em 18 de agosto de 1995, um despacho do então Ministério do Ambiente e dos Recursos Naturais obrigava a Metalimex a proceder à reexportação das escórias de alumínio e à descontaminação dos terrenos, decisão confirmada, posteriormente, em dezembro do mesmo ano, pelo Supremo Tribunal Administrativo.

Certo é que a exportação das escórias para a Alemanha só teve a primeira operação em maio de 1997, a que se seguiu uma outra em janeiro de 1998 e um último carregamento, de 2.000 toneladas de escórias, em dezembro de 1998, a que assistiu a então Ministra do Ambiente e atual Comissária Europeia para a Coesão e Reformas, Elisa Ferreira.

Pelas contas da associação ZERO, a Metalimex, que tinha declarado oficialmente a importação de 30 mil toneladas de escórias de alumínio, conseguiu reexportar 42 mil toneladas.

Por explicar está também a origem das cerca de 30 mil toneladas de resíduos perigosos que foram agora detetados pela associação Zero no Vale da Rosa, perto das instalações da antiga Metalimex.

Confrontado pela agência Lusa com a denúncia da ZERO, o MAAC lembra que o processo da reexportação das escórias rececionadas pela Metalimex, na sequência de um acordo entre os Governos de Portugal e da Suíça, foi desencadeado em 1995 e concluído em 1998, com o envio do último carregamento para tratamento fora de Portugal, observando as devidas condições de movimento e transferência desses materiais.

Em resposta à agência Lusa, o MAAC referiu ainda que “a CCDRLVT já se deslocou ao terreno para confirmação no local desses depósitos, encontrando-se a cumprir as devidas diligências no sentido de fazer aplicar a lei“.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Supostamente alguém ficou c/ os milhões pagos na altura p/ estes resíduos serem expedidos p/ a Alemanha.
    Certamente que foi os srs do costume = POLITICOS – que são a Pior raça á face da Terra-destruem Tudo e Todos Sem olhar a quem, nem a quando. Quem PAGA este tipo de negócios : o ZE LORPA.

  2. O que mais me espanta é que tudo foi combinado, acertado, decidido e até pago. Então, depois disso não há entidade que verifique a sua concretização? – Pobre país este, só comparável com uma qualquer república das bananas.

  3. “esquecidos” que engraçado! Se o caso fosse recente até concordaria que o esquecimento se devesse ao efeito da pandemia chinesa que esta atacasse a memória dos políticos, mas como o caso já tem barbas, é caso para dizer que o esquecimento se deverá aos efeitos da estranha democracia que vivemos, é que criou muitos esquecidos!

  4. Era de bem saber a origem desta empresa.
    Nada melhor que perguntar ao ilustre ex ministro da industria da altura, Sr Mira Amaral, que apadrinhou esta industria como sendo uma inovação para Portugal.
    Porque ia fazer lingote de alumínio. Segundo se falava na altura, recebeu 380.000 contos a fundo perdido para a tal “inovação”. Também era bom saber quanto é que recebeu da empresa suiça para tratar estas escorias. Também era bom saber o investimento que fizeram. Porque na altura a única coisa que havia era um terreno vedado, um barracão pequeno e um forno pequeno. Também não se preocupem demais porque segundo a ex ministra do ambiente da altura, Elisa Ferreira, disse não haver contaminação dos solos.

RESPONDER

"Médicos de árvores" em Singapura ajudam a preservar os seus pacientes gigantes

Arboristas como Eric Ong são responsáveis pelo bem-estar das milhares de árvores em Singapura. O seu trabalho é essencial para a preservação da natureza. A Singapura é uma cidade-estado insular situada ao sul da Malásia, com …

Novo primeiro-ministro de Israel dá 14 dias a Netanyahu para deixar residência oficial

O novo primeiro-ministro de Israel, Naftali Benet, deu duas semanas ao antecessor Benjamin Netanyahu para abandonar a residência oficial do chefe de Governo, em Jerusalém, segundo adianta hoje a imprensa local. Benet terá enviado na sexta-feira …

Ponte inca com mais de 500 anos é reconstruída após cair durante a pandemia

Peruanos da comunidade Huinchiri, localizada na região de Cusco, estão a reconstruir uma ponte inca com 500 anos. Esta foi feita a partir de técnicas tradicionais de tecelagem para criar uma passagem sob o Rio …

Portugal 2-4 Alemanha | Reality check ao plano do engenheiro

A seleção portuguesa de futebol, campeã em título, caiu hoje para o terceiro lugar do Grupo F do Euro2020, ao perder por 4-2 com a Alemanha, em encontro da segunda jornada, disputado no Allianz Arena, …

Pandemia mostrou “falta de proteção das mulheres”

A pandemia de covid-19 mostrou “a vulnerabilidade e a falta de proteção das mulheres e quão pouco as sociedades se preocupam realmente em proteger elementos-chave em matéria de segurança”, considera Edit Schlaffer, diretora-executiva da Women …

Portugal vs Alemanha: Portugal perde por 2-4

A seleção portuguesa de futebol pode garantir hoje o apuramento para os oitavos de final do Euro2020, mas terá de vencer a poderosa Alemanha, ainda à procura dos primeiros pontos no Grupo F. O jogo …

Choques elétricos no pescoço podem combater a fadiga

Desde café a rotinas de sono complexas: os seres humanos desenvolveram várias estratégias para evitar o cansaço. Agora, cientistas acreditam ter descoberto uma nova técnica de combate à fadiga através de estimulação elétrica cerebral não …

"Juneteenth". Novo feriado americano comemora o fim da escravatura

Este sábado comemora-se o mais recente feriado nacional a ser instituído nos Estados Unidos da América. É o chamado Juneteenth, um termo que funde as palavras "june" (junho) e "nineteenth" (dezanove), e representa a data …

Chef Enrico Derflingher trabalhou em Buckingham e na Casa Branca (e revela as preferências da rainha e de Bush)

O chef Enrico Derflingher já alimentou algumas das figuras mais poderosas do mundo. Do Palácio de Buckingham à Casa Branca, o chef italiano sabe melhor do que ninguém quais são as preferências culinárias de Isabel …

Maiores de 35 anos vão poder agendar toma da vacina na segunda-feira

As pessoas com 35 ou mais anos vão poder agendar a toma da vacina contra a covid-19 na próxima segunda-feira. A informação foi confirmada ao Público por fonte da task force. A mesma fonte não adiantou …