/

Guterres pede à comunidade internacional mais de 182 mil milhões de euros para ajudar África

1

André Kosters / Lusa

O ex-primeiro-ministro e atual secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres

Guterres mostrou-se preocupado com as milhões de pessoas que “podem cair na pobreza extrema” devido à pandemia, que agrava as “desigualdades existentes e a fome, a desnutrição e a vulnerabilidade”.

O secretário-geral da ONU pediu esta quarta-feira à comunidade internacional um apoio de mais de 200 mil milhões de dólares (182 mil milhões de euros) para os países africanos, em extrema dificuldade devido à Covid-19.

“A pandemia ameaça o progresso feito em África. Isso irá agravar as desigualdades existentes e a fome, a desnutrição e a vulnerabilidade à doença” e milhões de pessoas “podem cair na pobreza extrema”, indicou António Guterres, em comunicado.

Entre várias recomendações para o continente, o secretário-geral da ONU destacou que “os países africanos devem ter o mesmo acesso rápido, equitativo e acessível a qualquer vacina e tratamento futuros, que devem ser considerados bens públicos globais”.

“É imperativo mostrar solidariedade global com África (…) é essencial acabar com a pandemia em África, acabar com ela em todo o mundo”, sublinhou.

Nas recomendações, António Guterres pediu uma “mobilização internacional para fortalecer os sistemas de saúde em África, manter as cadeias de alimentos, evitar uma crise financeira”.

É preciso também “apoiar a educação, proteger empregos, manter famílias e empresas em atividade e proteger o continente contra perda de rendimento e de ganhos nas exportações”, salientou o responsável, na mesma nota.

Numa entrevista, agora divulgada, à rádio pública francesa RFI, António Guterres elogiou as “medidas preventivas muito corajosas” adotadas por alguns países africanos para limitar a propagação da Covid-19.

O lento avanço do novo coronavírus no continente africano deve-se à adoção pela “maioria dos governos e sociedades africanas” de medidas preventivas “muito corajosas e a tempo, o que é uma lição para alguns países desenvolvidos, que ainda não o fizeram”.

Com menos de três mil mortos e cerca de 88.000 casos, África está a ser relativamente pouco afetada pela Covid-19.

Durante a entrevista, o secretário-geral da ONU considerou ainda que a suspensão dos pagamentos do serviço da dívida para os países mais pobres, concedida em meados de abril por vários credores públicos, foi uma medida insuficiente.

“Precisamos de nos preparar para um alívio direcionado da dívida e uma abordagem mais abrangente e estrutural para evitar a todo o custo no futuro uma série de falências que possam levar à depressão”, recomendou.

  // Lusa

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.