Guerra nuclear na Coreia pode começar a qualquer instante

(cv) Rodong Sinmun

A Coreia do Norte afirmou esta segunda-feira que a qualquer momento pode começar uma guerra nuclear na península coreana.

O número dois da representação diplomática da Coreia do Norte nas Nações Unidas (ONU) afirmou na segunda-feira que uma guerra nuclear na península coreana “pode começar a qualquer momento”.

Kim In Ryong afirmou na comissão para o Desarmamento da ONU que a Coreia do Norte é o único país no mundo que foi sujeito a uma “tão extrema e direta ameaça nuclear” pelos Estados Unidos desde os anos 1970, adiantando que o país tem o direito de possuir armas nucleares para se defender.

Apontou para os exercícios militares em larga escala feitos pelos EUA, usando “ativos nucleares”, e acentuou que o mais perigoso é o que designou como um plano norte-americano para montar “uma operação secreta para a remoção da liderança suprema” norte-coreana.

Este ano, afirmou Kim, a Coreia do Norte “tornou-se um poder nuclear, que possui capacidade de projeção com vários alcances, incluindo a bomba atómica, a bomba de hidrogénio e mísseis balísticos intercontinentais”, acentuando que “a totalidade do território continental dos EUA” está ao alcance da Coreia do Norte.

“Se os EUA ousarem invadir o nosso sagrado território não escaparão ao nosso severo castigo em qualquer parte do mundo“, assegurou.

Por outro lado, os EUA não descartam a possibilidade de dialogar diretamente com a Coreia o Norte, apesar do atual contexto de tensão.

O subsecretário de Estado norte americano, John J. Sullivan, defendeu assim a via diplomática para resolver a crise na região, após reunir-se com o seu homólogo nipónico durante o segundo dia da sua visita ao Japão, integrada numa viagem asiática centrada na questão norte-coreana.

“Ainda estamos centrados em elevar a pressão sobre a Coreia do Norte, não descartamos a possibilidade de conversações diretas“, afirmou Sullivan, depois do seu encontro com o vice-ministro japonês dos Negócios Estrangeiros, Shinsuke Sugiyama, em declarações recolhidas pela emissora estatal NHK.

“O nosso ênfase está na diplomacia para resolver este problema. Não obstante, devemos estar preparados para o pior, juntamente com os nossos aliados Japão e Coreia do Sul, entre outros, caso a diplomacia falhe”, acrescentou o subsecretário dos Estados Unidos.

Estas declarações reafirmam a recente aposta no diálogo da administração liderada por Donald Trump, antes da próxima viagem asiática do Presidente, depois de Washington e Pyongyang terem trocado ameaças no mês passado.

Trump, que visitará a Coreia do Sul, o Japão e a China, assegura que continua a procurar uma solução diplomática antes de optar pela via militar, tal como afirmou no fim de semana o seu secretário de Estado, Rex Tillerson, numa entrevista televisiva.

Pequim insistiu na necessidade de negociações diretas entre Washington e o regime liderado por Kim Jong-un para resolver a situação, ainda que tanto os Estados Unidos como o seu aliado Japão tenham rejeitado a via diplomática caso Pyongyang não renuncie ao desenvolvimento de mísseis balísticos e bombas nucleares.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal produz menos lixo do que a média da OCDE (mas é o 3.º que menos recicla)

Portugal produz menos lixo do que a média da OCDE, mas é o 3.º que menos recicla, revelaram dados recentes da organização internacional. Em 2017, cada português produzir quase 500 quilogramas de lixo, valor inferior …

Novas demissões na Agência de Informações Financeiras do Vaticano

Um membro da entidade de regulação financeira do Estado do Vaticano, Marc Odendall, demitiu-se na sequência de buscas realizadas pela polícia e que originaram na suspensão do organismo do sistema de comunicações global. Marc Odendall, banqueiro …

Governo e Liga de clubes discutem redução do IVA para espetáculos desportivos

Secretário de Estado do Desporto afirma querer ouvir as reivindicações do organismo, mas sem se comprometer. O secretário de Estado da Juventude e do Desporto anunciou ontem que vai reunir-se com representantes da Liga Portuguesa de …

Tufão obriga a retirada de cerca de cinco mil pessoas do norte das Filipinas

Cerca de cinco mil pessoas foram retiradas do norte das Filipinas devido à aproximação do tufão Kalamaegi, que deverá tocar terra na província de Cagayan nas próximas horas, disseram esta terça-feira as autoridades locais. "Estamos preparados …

Acabaram-se as trotinetas no Algarve. Duraram 10 meses

A vereadora considera, no entanto, que a experiência foi “positiva”, já que permitiu recolher dados de mobilidade, nomeadamente, da utilização destas soluções em pequenos trajetos, ao mesmo tempo que colocou a questão na agenda pública. Sophie …

EasyJet diz que será a primeira a alcançar a neutralidade carbónica na aviação

A companhia aérea britânica easyJet afirmou esta terça-feira que será a primeira no mundo a alcançar a neutralidade carbónica através das compensações. Num comunicado publicado no seu site oficial, a companhia low cost anuncia ainda um …

Número de pré-avisos de greve até outubro é o mais alto dos últimos quatro anos

O número de pré-avisos de greve até outubro foi o mais alto dos últimos quatro anos, totalizando 781, segundo dados da Direção Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT). Entre janeiro e outubro deste …

Na Índia, já há "bares de oxigénio" para quem quiser respirar ar puro

A Índia é um dos países mais contaminado do mundo. Desde o final de outubro, a poluição alcançou um nível crítico devido à queimada de restolhos nos campos. Agora, há uma solução arrojada para que os …

Depois do Papão Harrison, o novo exame foi "duro" (e muitos jovens médicos já pensam em emigrar)

Foram quatro horas de exame, com 150 perguntas, na temida Prova Nacional de Acesso para a Formação Especializada em Medicina e muitos dos jovens médicos não conseguiram concluí-la. Os que temem não conseguir aceder à …

Situação trágica. "Veneza está a desaparecer"

A situação em Veneza é trágica, com 85% da cidade italiana inundada depois das piores cheias dos últimos anos. Mas estas inundações são apenas um alerta para o que pode vir a seguir, já que …