Guerra Colonial custou 21,7 mil milhões de euros ao Estado português

A Guerra Colonial, que se prolongou entre 1961 e 1974, custou 21,7 mil milhões de euros ao Estado português. Os custos com a I Guerra Mundial foram de 4,8 mil milhões.

Um estudo levado a cabo por Ricardo Ferraz para o Ministério da Economia e publicado, este mês, no site da EconPapers mostra quanto é que o Estado português gastou durante a I Guerra Mundial e durante a Guerra Colonial. Os resultados demonstram que, tendo em conta a inflação atual, Portugal gastou um total 26,5 mil milhões de euros.

O estudo intitulado “Grande Guerra e Guerra Colonial: quanto custaram aos cofres portugueses” constata que só com a Guerra Colonial os portugueses gastaram 21,7 mil milhões de euros. Segundo o Correio da Manhã, a principal contribuição para o esforço de guerra veio dos Encargos Gerais da Nação, do Ministério do Exército, Marinha e Obras Públicas.

Apesar da maior dimensão da I Guerra Mundial, Portugal desempenhou um papel menos importante. Dado esse facto, o Estado português gastou relativamente menos: 4,8 mil milhões de euros.

“Ao se disponibilizarem pela primeira vez valores concretos sobre os custos dos dois principais conflitos militares em que Portugal se envolveu no século XX, espera-se oferecer um valioso contributo à História Contemporânea de Portugal e estimular outros trabalhos de investigação sobre estes temas”, pode ler-se no estudo.

Os gastos totais com estes conflitos bélicos representam cerca de 13% do PIB português no ano passado. Além disso, a despesa é superior a quatro vezes o valor do Orçamento de Estado para a Educação em 2019.

ZAP //

PARTILHAR

22 COMENTÁRIOS

  1. e mesmo assim os orçamentos de estado estavam equilibrados… é fartar vilanagem (como diria D. Pedro) com a roubalheira e má gestão actuais

    • Está-se a esquecer que naquela época havia apenas 3 universidades, só havia liceus nas capitais de distrito, e praticamente não havia hospitais dignos desse nome. A rede de auto-estradas tinha apenas 32 km de extensão.
      O orçamento de estado estava equilibrado, pela simples razão de que o estado pouco ou nada fazia. E escusa de vir com o argumento de que se vivia bem, porque não se vivia bem. A maioria da população era analfabeta e vivia na miséria. E quando falo de miséria, é mesmo de miséria que se trata.

      • Bem lembrado. Haja alguém que ajude a acabar com algumas “verdades instaladas” como o pseudo-equilíbrio das contas portuguesas do Estado Novo. A verdade é que o país atrasou-se ainda mais em relação à Europa em reconstrução, não investiu, não se abriu, não se permitiu a criatividade, cultivou-se a pobreza envergonhada, o miserabilismo, a humildade servil, a manutenção do “Status quo”, a proteção e incentivo a uma elite privilegiada (que até fazia “casinhas e creches” para os seus trabalhadores agradecidos…) (E nem sou de esquerda, vejam lá).

        • Não evoluiu na chamada metrópole, eu em Moçambique tirei carta de mota no dia em que fiz 14 anos, bebia coca cola e usava levis… a minha mãe era enfermeira e foi criada num colégios de órfãos e o meu pai trabalhou num banco, classe média vivia muitíssimo melhor do que cá, eu estive cá em 1966 e realmente a pobreza era visível. Agora é escondida… provavelmente devido à influência da África do Sul as mentes eram bem mais abertas…na África do Sul na altura foi só o primeiro pais onde se fez um transplante do coração…
          O 25 A foi feito pelos capitães melicianos, por causa do “taxo” não por convicção política…os militares foram é enrolados pelos políticos…

          • E o que tem isso a ver com os comentários anteriores?!
            Realmente Moçambique estava muito “evolvido” – mas era para meia-dúzia de famílias, porque 99% da população moçambicana nunca viu evolução nenhuma; antes pelo contrário!…

            • 99% deve ser o prisma de quem nunca lá esteve, como o que queriam por no panteão, nunca lá foi, mas foi negiciar a independência á Tanzânia…
              A minha mãe era moçambicana eu também, grande parte dos meus amigos, indianos, chineses, africanos eram todos moçambicanos já deviamos ser 10%…

          • Não, é apenas o prisma de quem sabe do que fala!
            Eram 10%, eram… como eu referi antes, eram “meia-dúzia” de famílias brancas com tudo e todos à sua disposição (e que queriam que a Metrópole continuasse a mandar desgraçados para os defender)!…
            .
            “Em 1960, a população branca era de 97 268 pessoas.
            Em 1975 viviam em Moçambique cerca de 200 000 os portugueses, na sua maioria ligados funcionalismo público, empresas portuguesas e internacionais, mas também à agricultura e pequeno comércio. A comunidade indiana, em 1975, ligada ao comércio calcula-se que fossem entre 20 000 e 30 000 habitantes.
            Por alturas da independência existia uma pequena comunidade chinesa de cerca de 4 000 pessoas, concentrada em Maputo e na Beira, dedicando-se sobretudo ao pequeno comércio.
            Os negros constituíam cerca de 98% da população. Os mestiços seriam cerca de 0,5% do total”
            pt.wikipedia.org/wiki/Demografia_de_Moçambique

            • Também quando morriam 1000 as notícias em Portugal diziam que eram 100, aliás continua a ser assim… nas recentes cheias não se sabe quantos morreram só se sabe dos que foram enterrados oficialmente…
              No 7 de setembro e 21 de outubro ( para quem lá esteve sabe do que me refiro, os outros vão ver á Wikipédia…) muitos corpos foram enterrados em vala comuns porque a capacidade da morgue, corredores do hospital esgotaram. Nunca foram devidamente contabilizados os mortos, não convinha…

  2. Mesmo assim o Dr. Salazar não deixou o país na banca rota e deixou os cofres atestados de ouro que infelizmente já evaporou parte dele sem que o povo tenha até hoje visto grande benefício e sabemos que apesar de pequeninos como país estamos nos lugares cimeiros como dos mais endividados dos países o que é bastante preocupante.

    • “sem que o povo tenha até hoje visto grande benefício”
      Aconselho-o a ler (porque mais não pode fazer) sobre as condições de vida durante o Estado Novo e as actuais condições de vida da população portuguesa.

      • Eu tenho mais anos do século passado do que do actual e vivi bastantes anos sob o regime Salazarista, não foi bom, não! Porque aconteceu poucos se arriscam a relatá-lo até porque possivelmente por razões ideológicas não lhes agrada fazê-lo, a verdade é que se a monarquia já de si não ia bem a República acabou por cair nas mãos de incompetentes que puseram o país de rastos, o Salazar veio restabelecer o país economicamente, pena foi não se ter aberto mais ao mundo e nessa altura ter conduzido a politica ultramarina de forma diferente onde salvaguardasse o interesse de todos, tarefa que foi dificultada também com interferência sobretudo da ex-URSS, comparar esse tempo onde toda a Europa sofreu e de que maneira com duas guerras com o actual é pura utopia, ganhamos em poder económico por vezes ilusório para muitos mas perdemos em valores morais.

  3. Realmente custou menos a guerra do que salvar os banqueiros…mas em quanto contribuiram as colonias para pagar a guerra…? E como explicam que tanta gente com douradas em cima dos ombros ficou rica com a guerra… o zé soldado que deu o corpo às balas é que ficou estropiado, ferido e traumatizado e agora é tratado como se fosse culpado por ter sido obrigado a ir á guerra…

RESPONDER

A Volocopter apresenta o seu táxi voador mais potente (e já andou no ar)

https://vimeo.com/355573555 Desde 2013 a Volocopter tem vindo a aprimorar o seu projeto de táxi voador. Desta vez, o design é mais redondo, mais simples e mais potente. O Volocopter é uma aeronave 100% elétrica que os criadores …

Israel desenvolve terapia à base de ecstasy para tratar stress pós-traumático

O Ministério da Saúde israelita desenvolveu uma terapia à base de MDMA - o componente ativo da metanfetamina popularmente conhecida como 'ecstasy' - para tratar pessoas que sofrem de stress pós-traumático resistente. Num entrevista sobre a …

Quaresma de saída do Besiktas. "Presidente não me quer na equipa"

Revelação feita pelo jogador, no Instagram: "Acabei de ser informado pelo presidente do clube que ele não quer que eu continue a jogar na equipa. Estou a tentar encontrar solução para o meu futuro". O internacional …

O Dr. House português diz que 90% dos médicos só fazem "fantochadas"

É conhecido como o Dr. House português, numa referência à série televisiva norte-americana, pela forma como faz diagnósticos certeiros. E Vítor Brotas que trabalha no Hospital dos Capuchos, em Lisboa, admite que é "um médico …

Homem morre após ataque de vespas asiáticas. É a segunda morte por picadas de insecto em 2 dias

Um homem de 79 anos de idade morreu nesta sexta-feira em Oliveira do Bairro, Aveiro, após ter sido atacado por vespas asiáticas. Dois dias antes, outro homem de 50 anos faleceu na região da Beira …

Polícia antimotim dispersa manifestantes em Hong Kong com gás lacrimogéneo

A polícia antimotim de Hong Kong carregou hoje com gás lacrimogéneo sobre manifestantes que tinham erigido uma barricada no bairro de Kwun Tong, no Este da antiga colónia britânica. Embora os protestos tenham decorrido de forma …

Eleições. CDU vai manter campanha clássica, mas dispensa o "lombo assado"

O chefe do maior partido da Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta comunistas e ecologistas, assumiu enfado com carne assada nas jornadas e ações de esclarecimento pelo país, mas garante uma campanha eleitoral nos cânones …

Bloco quer mais funcionários públicos e quotas por raça nas universidades

O BE afirma, no programa eleitoral disponibilizado hoje na íntegra, que "é o partido que quer e pode impedir uma maioria absoluta", um resultado nas eleições legislativas que faria Portugal "voltar ao passado da arrogância …

Balas com defeito que encravam armas. PSP confirma, mas diz que não é um problema

A Polícia de Segurança Pública (PSP) confirma que estão a ser utilizadas algumas balas com defeito que até encravam as armas, nos treinos dos candidatos a agentes na Escola Prática de Polícia. Mas garante que …

Espírito Santo escondeu 30 milhões de euros na Suíça com 'barriga de aluguer'

O Banque Privée Espírito Santo (BPES), banco do Grupo Espírito Santo (GES) na Suíça que está em fase de liquidação, terá ocultado 30 milhões de euros das autoridades através de uma 'barriga de aluguer'. Esse dinheiro …