Guerra Colonial custou 21,7 mil milhões de euros ao Estado português

A Guerra Colonial, que se prolongou entre 1961 e 1974, custou 21,7 mil milhões de euros ao Estado português. Os custos com a I Guerra Mundial foram de 4,8 mil milhões.

Um estudo levado a cabo por Ricardo Ferraz para o Ministério da Economia e publicado, este mês, no site da EconPapers mostra quanto é que o Estado português gastou durante a I Guerra Mundial e durante a Guerra Colonial. Os resultados demonstram que, tendo em conta a inflação atual, Portugal gastou um total 26,5 mil milhões de euros.

O estudo intitulado “Grande Guerra e Guerra Colonial: quanto custaram aos cofres portugueses” constata que só com a Guerra Colonial os portugueses gastaram 21,7 mil milhões de euros. Segundo o Correio da Manhã, a principal contribuição para o esforço de guerra veio dos Encargos Gerais da Nação, do Ministério do Exército, Marinha e Obras Públicas.

Apesar da maior dimensão da I Guerra Mundial, Portugal desempenhou um papel menos importante. Dado esse facto, o Estado português gastou relativamente menos: 4,8 mil milhões de euros.

“Ao se disponibilizarem pela primeira vez valores concretos sobre os custos dos dois principais conflitos militares em que Portugal se envolveu no século XX, espera-se oferecer um valioso contributo à História Contemporânea de Portugal e estimular outros trabalhos de investigação sobre estes temas”, pode ler-se no estudo.

Os gastos totais com estes conflitos bélicos representam cerca de 13% do PIB português no ano passado. Além disso, a despesa é superior a quatro vezes o valor do Orçamento de Estado para a Educação em 2019.

ZAP //

PARTILHAR

22 COMENTÁRIOS

  1. e mesmo assim os orçamentos de estado estavam equilibrados… é fartar vilanagem (como diria D. Pedro) com a roubalheira e má gestão actuais

    • Está-se a esquecer que naquela época havia apenas 3 universidades, só havia liceus nas capitais de distrito, e praticamente não havia hospitais dignos desse nome. A rede de auto-estradas tinha apenas 32 km de extensão.
      O orçamento de estado estava equilibrado, pela simples razão de que o estado pouco ou nada fazia. E escusa de vir com o argumento de que se vivia bem, porque não se vivia bem. A maioria da população era analfabeta e vivia na miséria. E quando falo de miséria, é mesmo de miséria que se trata.

      • Bem lembrado. Haja alguém que ajude a acabar com algumas “verdades instaladas” como o pseudo-equilíbrio das contas portuguesas do Estado Novo. A verdade é que o país atrasou-se ainda mais em relação à Europa em reconstrução, não investiu, não se abriu, não se permitiu a criatividade, cultivou-se a pobreza envergonhada, o miserabilismo, a humildade servil, a manutenção do “Status quo”, a proteção e incentivo a uma elite privilegiada (que até fazia “casinhas e creches” para os seus trabalhadores agradecidos…) (E nem sou de esquerda, vejam lá).

        • Não evoluiu na chamada metrópole, eu em Moçambique tirei carta de mota no dia em que fiz 14 anos, bebia coca cola e usava levis… a minha mãe era enfermeira e foi criada num colégios de órfãos e o meu pai trabalhou num banco, classe média vivia muitíssimo melhor do que cá, eu estive cá em 1966 e realmente a pobreza era visível. Agora é escondida… provavelmente devido à influência da África do Sul as mentes eram bem mais abertas…na África do Sul na altura foi só o primeiro pais onde se fez um transplante do coração…
          O 25 A foi feito pelos capitães melicianos, por causa do “taxo” não por convicção política…os militares foram é enrolados pelos políticos…

          • E o que tem isso a ver com os comentários anteriores?!
            Realmente Moçambique estava muito “evolvido” – mas era para meia-dúzia de famílias, porque 99% da população moçambicana nunca viu evolução nenhuma; antes pelo contrário!…

            • 99% deve ser o prisma de quem nunca lá esteve, como o que queriam por no panteão, nunca lá foi, mas foi negiciar a independência á Tanzânia…
              A minha mãe era moçambicana eu também, grande parte dos meus amigos, indianos, chineses, africanos eram todos moçambicanos já deviamos ser 10%…

          • Não, é apenas o prisma de quem sabe do que fala!
            Eram 10%, eram… como eu referi antes, eram “meia-dúzia” de famílias brancas com tudo e todos à sua disposição (e que queriam que a Metrópole continuasse a mandar desgraçados para os defender)!…
            .
            “Em 1960, a população branca era de 97 268 pessoas.
            Em 1975 viviam em Moçambique cerca de 200 000 os portugueses, na sua maioria ligados funcionalismo público, empresas portuguesas e internacionais, mas também à agricultura e pequeno comércio. A comunidade indiana, em 1975, ligada ao comércio calcula-se que fossem entre 20 000 e 30 000 habitantes.
            Por alturas da independência existia uma pequena comunidade chinesa de cerca de 4 000 pessoas, concentrada em Maputo e na Beira, dedicando-se sobretudo ao pequeno comércio.
            Os negros constituíam cerca de 98% da população. Os mestiços seriam cerca de 0,5% do total”
            pt.wikipedia.org/wiki/Demografia_de_Moçambique

            • Também quando morriam 1000 as notícias em Portugal diziam que eram 100, aliás continua a ser assim… nas recentes cheias não se sabe quantos morreram só se sabe dos que foram enterrados oficialmente…
              No 7 de setembro e 21 de outubro ( para quem lá esteve sabe do que me refiro, os outros vão ver á Wikipédia…) muitos corpos foram enterrados em vala comuns porque a capacidade da morgue, corredores do hospital esgotaram. Nunca foram devidamente contabilizados os mortos, não convinha…

  2. Mesmo assim o Dr. Salazar não deixou o país na banca rota e deixou os cofres atestados de ouro que infelizmente já evaporou parte dele sem que o povo tenha até hoje visto grande benefício e sabemos que apesar de pequeninos como país estamos nos lugares cimeiros como dos mais endividados dos países o que é bastante preocupante.

    • “sem que o povo tenha até hoje visto grande benefício”
      Aconselho-o a ler (porque mais não pode fazer) sobre as condições de vida durante o Estado Novo e as actuais condições de vida da população portuguesa.

      • Eu tenho mais anos do século passado do que do actual e vivi bastantes anos sob o regime Salazarista, não foi bom, não! Porque aconteceu poucos se arriscam a relatá-lo até porque possivelmente por razões ideológicas não lhes agrada fazê-lo, a verdade é que se a monarquia já de si não ia bem a República acabou por cair nas mãos de incompetentes que puseram o país de rastos, o Salazar veio restabelecer o país economicamente, pena foi não se ter aberto mais ao mundo e nessa altura ter conduzido a politica ultramarina de forma diferente onde salvaguardasse o interesse de todos, tarefa que foi dificultada também com interferência sobretudo da ex-URSS, comparar esse tempo onde toda a Europa sofreu e de que maneira com duas guerras com o actual é pura utopia, ganhamos em poder económico por vezes ilusório para muitos mas perdemos em valores morais.

  3. Realmente custou menos a guerra do que salvar os banqueiros…mas em quanto contribuiram as colonias para pagar a guerra…? E como explicam que tanta gente com douradas em cima dos ombros ficou rica com a guerra… o zé soldado que deu o corpo às balas é que ficou estropiado, ferido e traumatizado e agora é tratado como se fosse culpado por ter sido obrigado a ir á guerra…

RESPONDER

Secretário da Defesa discorda de Trump no envio de tropas para conter distúrbios. Aliados europeus afastam-se

O Secretário norte-americano da Defesa, Mark Esper, rompeu na quarta-feira com o Presidente, Donald Trump, no apoio ao envio das forças armadas para as cidades e os estados que se recusarem "a tomar as medidas …

Vai "nascer" em Arouca a maior ponte suspensa do mundo. É a esperança para fazer renascer o turismo

O Turismo de Arouca está a enfrentar dificuldades devido à quebra gerada pela pandemia, mas os empresários aguardam com expectativa a abertura daquela que será a maior ponte suspensa do mundo, já descrita como "extraordinária". Ainda …

"Será difícil não voltar a adiar a abertura" dos centros comerciais na região de Lisboa

O presidente da Associação dos Médicos de Saúde Pública, Ricardo Mexia, considerou que "será difícil não voltar a adiar a abertura" dos centros comerciais na Grande Lisboa, tendo em conta os números da região nos …

Atraso na partilha de informação. Responsáveis da OMS recusam responder a perguntas sobre China

Os mais altos responsáveis da Organização Mundial de Saúde (OMS) recusaram-se esta quarta-feira a responder diretamente a perguntas sobre um atraso da China na partilha do mapa genético do novo coronavírus com a agência. Três perguntas …

Espanha reabre fronteiras a 22 de junho. Portugal diz que ainda não há uma decisão tomada

Espanha vai reabrir as fronteiras com Portugal e França a 22 de junho. O país tinha planeado abrir as fronteiras ao turismo estrangeiro a 1 de julho, mas decidiu adiantar a data. Porém, Portugal diz …

Conceição critica arbitragem, mas em Espanha fala-se de penálti de Pepe "que roça o escândalo"

Os 'dragões' perderam no primeiro jogo após a retoma do campeonato. Sérgio Conceição deixou críticas à arbitragem, mas em Espanha fala-se de um penálti escandaloso... de Pepe. O FC Porto ficou com a liderança da I …

Redução do IVA, abono para crianças e incentivos para comprar elétricos. O plano de 130 mil milhões de Merkel

A chanceler alemã, Angela Merkel, anunciou esta quinta-feira um pacote de estímulo de 130 mil milhões de euros para este ano e 2021, para impulsionar a economia do país, duramente atingida pela pandemia de covid-19. Entre …

De Jorge Jesus a Bruno de Carvalho. Rui Pinto terá espiado 72 pessoas e entidades

O português Rui Pinto terá espiado 72 pessoas e entidades, acusa o Tribunal da Relação de Lisboa. A defesa do denunciante criticou a manutenção da prisão preventiva. De acordo com o acórdão do Tribunal da Relação …

Empresas podem manter lay-off até ao fim de setembro. Apoio pode chegar a 85% do salário

Os traços gerais do plano do Governo para a retoma da economia e para tentar travar a escalada do desemprego foram apresentados aos parceiros sociais, esta terça-feira, por Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade …

O próximo Wolves? Charlton pode tornar-se "português"

O consórcio português Corporate Football Organisation Portugal (CFO), liderado por Fernando Côrte-Real, está a estudar a compra do Charlton, clube que milita no Championship, o segundo escalão inglês. "A CFO Portugal já existe há pelo menos …