Greenpeace diz que Portugal devia proibir transgénicos e registar áreas cultivadas

O coordenador da área de Agricultura da Greenpeace Espanha considera que Portugal deve aprovar legislação a proibir o cultivo de transgénicos e apelou a que se faça um registo exaustivo das culturas com este tipo de sementes.

“O que pedimos é que Portugal, Espanha e os outros três países europeus que os usam [República Checa, Eslovénia e Roménia], uma minoria na UE, sigam o caminho da maioria. Já são nove os países que proibiram o cultivo de transgénicos, entre eles França, o maior produtor da Europa. O que demonstra que não são necessários”, considerou à agência Lusa Luís Ferreirim, da Greenpeace Espanha.

A associação ambientalista apresentou hoje um mapa do uso de transgénicos em Espanha, no qual identifica a região da Extremadura, que faz fronteira com Portugal, como a terceira com mais hectares deste tipo de cultivo no país vizinho.

Ferreirim, o único português com um cargo de coordenação na secção espanhola da Greenpeace, considera que os cerca de 7.167 hectares de área cultivada com transgénicos na Extremadura representam um perigo de contaminação genética para as culturas portuguesas.

“O maior perigo que existe, com a utilização deste tipo de semente, para os agricultores portugueses é precisamente para os que querem fazer uma agricultura livre de transgénicos. A contaminação genética está confirmada e é impossível controlar os transgénicos uma vez libertados para o meio ambiente“, disse Luís Ferreirim, estimando que o pólen transgénico possa viajar cerca de um quilómetro.

Atualmente na União Europeia apenas está autorizado para fins comerciais o cultivo do milho transgénico MON810 e, a seguir a Espanha, Portugal é o país que mais o planta. A Greenpeace considera que ainda não há estudos independentes sobre os possíveis efeitos destes produtos para a saúde humana.

“Um dos problemas que existe na Europa com a utilização dos transgénicos é que não se está a fazer uma avaliação dos riscos de forma adequada. Hoje em dia continuamos sem saber quais são os efeitos a longo prazo que os transgénicos podem ter para a saúde humana, uma vez que não existe qualquer tipo de estudo que vão nessa direção”, disse Luís Ferreirim.

Os estudos que existem, acrescenta, são feitos por uma parte interessada, a própria indústria dos transgénicos.

“Para efeitos de avaliação de riscos e eventual autorização de um transgénico na União Europeia, só se leva em consideração os relatórios elaborados pela própria indústria que solicita a utilização destas variedades”, salientou.

Luís Ferreirim diz que é “fundamental” que o Governo português faça um registo exaustivo e fiável de todas as áreas cultivadas com este tipo de sementes.

“Para que o resto dos agricultores saiba onde se está a cultivar transgénicos e poderem assim evitar potenciais efeitos”, realçou o responsável ambientalista.

De acordo com a Greenpeace, o milho transgénico MON810 – cuja autorização da UE caducou em 2008 e permanece em reavaliação – é modificado geneticamente para produzir, desde que germina até à colheita, um inseticida que mata a espécie Ostrinia nubilalis, uma praga dos cereais, especialmente do milho.

A associação considera que este inseticida afeta outros seres vivos, incluindo espécies benéficas que ajudam no controlo das pragas.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Netflix responde a senadores norte-americanos e avança com série

Na passada sexta-feira, a Netflix respondeu aos cinco senadores do Partido Republicano dos Estados Unidos da América que, numa carta, questionaram a decisão de adaptar a trilogia O Problema dos Três Corpos, a série literária …

Há sobras de comida que sabem realmente melhor no dia seguinte (e os cientistas já sabem porquê)

Não é mito. Existem realmente sobras de comida que sabem melhor no dia seguinte e um especialista da Universidade de Oxford (Reino Unido) - que adora caril - explica o porquê à luz da Ciência. …

Teme-se que a violência doméstica dispare depois dos incêndios da Califórnia

Teme-se que os casos de violência doméstica disparem depois de os incêndios da Califórnia serem extintos, avança a revista norte-americana Vice, que ouviu responsáveis por espaços de abrigo para as vítimas. Desastres naturais de grandes …

Comunidade Vida e Paz ajudou 420 pessoas por dia no ano passado

Em 2019, a Comunidade Vida e Paz apoiou cerca de 420 pessoas em situação de sem-abrigo por dia e distribuiu 138 mil refeições. Além disso, a organização ajudou regularmente 26 famílias carenciadas, entre 78 adultos …

Realidade Virtual dá nova vida ao Mayflower, o navio que levou os ingleses para o Novo Mundo

Mayflower foi o famoso navio que, em 1620, transportou os chamados Peregrinos, do porto de Southampton, Inglaterra, para o Novo Mundo. A Realidade Virtual ajudou a trazê-lo de volta à vida. Os Peregrinos do Mayflower foram …

Iniciativa Liberal recorre à lei para exigir que plano de liquidez da TAP seja enviado às Finanças

O deputado da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim Figueiredo, exigiu que o ministro das Finanças, João Leão, remeta o plano de liquidez da TAP à Comissão de Orçamento e Finanças, no prazo de dez dias, ao abrigo …

Museu britânico deixa de exibir coleção de cabeças humanas

O Museu Pitt Rivers em Oxford, no Reino Unido, decidiu retirar da sua exposição permanente crânios e cabeças humanas encolhidas (tsantsas), que terão sido encontradas por exploradores europeus nas suas viagens às Américas e à …

Lactogal assume derrame de leite no rio UI

A empresa agroalimentar Lactogal, de Oliveira de Azeméis, assumiu esta segunda-feira que o derrame de leite no rio Ul, afluente do rio Antuã, se deveu ao colapso de um dos seus tanques e que estão …

O James Bond da vida real foi um arquivista na Polónia comunista (e pode ter enganado os caçadores de espiões)

O James Bond da vida real foi um arquivista e diplomata britânico que viveu na Polónia comunista na década de 1960, revelam documentos esta semana partilhados pelo Instituto Polaco da Memória Nacional. O diplomata James …

Japão mantém plano original. Tocha olímpica passará pelas 47 prefeituras do país

O percurso da tocha olímpica, que se iniciará em março de 2021, manterá o trajeto inicialmente previsto, um ano após o plano original, informou esta segunda-feira o Comité Organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A tocha …